Creatina: Estratégia ergogênica no meio esportivo. Uma breve revisão.

Mariana Santos Rodrigues Leite, Stéphane Castellar Sousa, Fernanda Mendonça Silva, João Carlos Marins Bouzas

Resumo


Introdução: Os suplementos alimentares têm sido muito utilizados por atletas e praticantes de atividade física para melhoria da performance e para fins estéticos. Entre os mais populares, encontra-se a creatina, cujo uso está associado, entre outros, a ganho de força e massa muscular. Objetivo: Investigar as formas de comercialização, as prevalências de consumo e os efeitos do uso de creatina. Materiais e métodos: Utilizaram-se as bases de pesquisa on-line PubMed/Medline e Scielo para detectar artigos disponíveis e publicados em língua portuguesa e inglesa no período de 2007 a 2013. As referências citadas nesses artigos também foram revisadas, além de sites de empresas que comercializam o produto. Foram incluídos estudos com seres humanos maiores de idade e saudáveis. Resultado: A creatina é comercializada sob diversas formas e estados físicos, sendo mais comum encontrá-la em pó e adicionada de outras substâncias, como carboidratos e proteínas. A prevalência de consumo varia de 10% a 89% em estudos recentes, e o protocolo de suplementação prevê uma fase de sobrecarga, seguida da fase de manutenção. A renovação mais rápida de energia, o ganho de força e o aumento da massa corporal total são os efeitos ergogênicos mais evidentes relacionados ao uso da creatina. Outros possíveis benefícios, tais como redução da acidez muscular e termorregulação, são bastante controversos. Efeitos nocivos não foram comprovados, entretanto, são necessários mais estudos. Conclusão: As evidências apontam que a creatina pode ser um recurso ergogênico eficiente e relativamente seguro, desde que o seu uso seja orientado por profissiona lhabilitado.


Palavras-chave


Educação Física, Nutrição

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/rbcs.vol13n43.2539

Indexadores: