Capacidade funcional, etiologia e local anatômico da lesão no acidente vascular cerebral

Natália Rosa e Souza, Luis Paulo Caldeira, Omar Pereira de Almeida Neto, Maria Elizabeth Roza Pereira

Resumo


Introdução: Apesar dos avanços tecnológicos e científicos cerebrovasculares, o acidente vascularcerebral (AVC) ainda é sinônimo de morbimortalidade e incapacidade funcional. Objetivos: Descrevero perfil clínico e socioeconômico e a capacidade funcional de pacientes pósAVC, assim como o tipo eo local anatômicos do acometimento. Método: Estudo transversal, quantitativo e descritivo, realizadono ambulatório de neurologia da Universidade Federal de Uberlândia. Após o consentimento dosparticipantes, foram realizadas entrevistas clínicas e sociodemográficas e aplicação da Escala de AVC dosNational Institutes of Health e do Índice de Barthel Modificado. Este estudo foi aprovado pelo comitêde ética da instituição, sob nº 277.825. Resultados: Foram recrutados 14 pacientes. O tipo de AVCmais prevalente foi o hemorrágico (64,28%), acometendo o lobo frontal (42,85%), seguido do loboparietal (28,59%). A maioria dos indivíduos era independente para se locomover (64,28%), porém comdificuldades para realização de atividades de vida diária (78,57%). A Escala de AVC dos National Institutesof Health evidenciou acometimento moderado (57,14%). Conclusão: A relação entre o AVC do tipohemorrágico e a capacidade funcional relaciona-se com déficits neurológicos mais graves, em regiões comolobos cerebrais frontal e parietal.


Palavras-chave


acidente vascular cerebral; manifestações neurológicas; estatísticas de sequelas e incapacidade

Texto completo:

PDF

Referências


Pompeu SMAA, Pompeu JE, Rosa M, Silva MR. Correlação entre função motora, equilíbrio e força respiratória pós acidente vascular cerebral. Rev Neurocienc. 2011;19(4):614-20.

Gomes-Neto M. Aplicação da escala de qualidade de vida especifica para AVE (EQVE-AVE) em hemiplégicos agudos: propriedades psicométricas e sua correlação com a classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde [dissertação de mestrado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2007.

Johnston S, Mendis S, Mathers CD. Global variation in stroke burden and mortality: estimates from monitoring, surveillance, and modelling. Lancet Neurol. 2009;8(4):345-54.

André C. Manual de AVC. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2006.

Parahybama VR. Diferenciais sociodemográficos no declínio funcional em mobilidade física entre idosos no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(4):1257-64.

Cincura C, Pontes-Neto OM, Neville IS, Mendes HF, Menezes DF, Mariano DC, et al. Validation of the National Institutes of Health Stroke Scale, modified Rankin Scale and Barthel Index in Brazil: the role of cultural adaptation and structured interviewing. Cerebrovasc Dis. 2009;27(2):119–22.

Minosso JSM, Amendola F, Alvarenga MRM, Oliveira MAC. Validação, no Brasil, do Índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paul Enferm. 2010;23(2):218-23.

Jauch EC, Saber JL, Adams HP, Bruno A, Connors JJ, Demaerschalk BM, et al. Guidelines for the early management of patients with acute ischemic stroke: a guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2013 Mar;44(3):870-947.

Walter J, Grave MTQ, Périco E. Avaliação das habilidades psicomotoras e da motricidade global em paciente portadora da doença de Huntington. ConScientiae Saúde. 2009;8(4):655-63.

Fonseca JS, Martins GA. Curso de estatística. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2006.

Sidney S, Rosamond WD, Howard VJ, Luepker RV. The “heart disease and stroke statistics—2013 update” and the need for a national cardiovascular surveillance system. Circulation. 2013 Jan;127(1):21-3.

Kelly-Hayes M, Beiser A, Kase CS, Scaramucci A, D’Agostino RB, Wolf PA. The influence of gender and age on disability following ischemic stroke: the Framingham study. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2003 May-Jun;12(3):119-26.

Minelli C, Fen LF, Minelli DP. Stroke incidence, prognosis, 30-day, and 1-year case fatality rates in Matão, Brazil: a population-based prospective study. Stroke. 2007 Nov;38(11):2906-11.

_________________________

Confort AB, Suely KN, Marie, LG, Cohen, MS. Estimulação magnética transcraniana. Arq Neuro-Psiquiatr. 2003 mar;61(1):146-52.

Cohen S, Herbert, TB. Health psychology: psychological factors and physical disease from the perspective of human psychoneuroimmunology. Annu Rev Psychol. 1996;47(1):113-42.

Ellison CG. Introduction to symposium: religion, health and well-being. Journal for the Scientific Study of Religion. 1998;37(4):692-4.

Kiecolt-Glaser JK, McGuire L, Robles TF, Glaser R. Emotions, morbidity, and mortality: new perspectives from psychoneuroimmunology. Annu Rev Psychol. 2002;53:83-107.

Ottoboni C, Fontes SV, Fukujima MM. Estudo comparativo entre a marcha normal e a de pacientes hemiparéticos por acidente vascular encefálico: aspectos biomecânicos. Rev Neurociências. 2002;10(1):10-6.

Kubota JT, Banaji MR, Phelps EA. The neuroscience of race. Nature Neurosci. 2012;15:940-8.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol14n49.3766

Indexadores: