Análise do perfil clínico e qualidade de vida em um grupo de mulheres acometidas de câncer de mama em instituição de apoio de Uruguaiana/RS

Teresinha Joseilda da Silva, Luana Paula Nava, Cibeli Ferreira Martins, Fernanda Vargas Ferreira

Resumo


Introdução: O câncer de mama e suas terapêuticas têm gerado um impacto sobre a qualidade de vida (QV), uma vez que podem desencadear manifestações clínicas como linfedema, restrição de movimento de ombro e alterações de sensibilidade. Objetivo: Conhecer o perfil clínico e o impacto das condutas terapêuticas sobre a qualidade de vida de mulheres com câncer de mama alocadas em instituição de apoio a pacientes oncológicos de Uruguaiana/RS. Materiais e Métodos: Tratou-se de um estudo observacional com abordagem quantitativa entre novembro e dezembro de 2014. As voluntárias foram avaliadas através de anamnese e questionários de QV European Organization for Research and Treatment of Cancer Quality of Life Questionnaire Core30 (EORTC QLQ-C30) e Supplementary Questionnaire Breast Cancer Module-QLQ (BR-23). Resultados: A maioria das voluntárias era de etnia branca, no pós-menopausa, submetidas a tumorectomias, quadrantectomias, mastectomias e à radioterapia e quimioterapia. As principais queixas foram preocupação com o futuro, alteração na sensibilidade mamária, déficit cognitivo, constipação, sentimento de menor atração física e diminuição da libido. A autopercepção da saúde em geral foi positiva, entretanto, a QV foi avaliada de forma mais impactante pelas tumorectomizadas e quadrantectomizadas. Conclusão: O impacto sobre a QV pode estar relacionado à interferência do estigma de que mastectomias sejam seguras para o controle da doença e prevenção de recidivas, pelo déficit cognitivo e pela ausência de adaptação para o enfrentamento.

 


Palavras-chave


capacidade funcional; qualidade de vida; câncer de mama; instrumentos avaliativos

Texto completo:

PDF

Referências


Bregagnol RK, Dias AS. Alterações funcionais em mulheres submetidas à cirurgia de mama com linfadenectomia axilar total. Rev Bras Câncer. 2010;56(1):25-33.

Bastiton AP. Detecção precoce do câncer de mama: conhecimento e prática de mulheres e profissionais da estratégia da saúde da família em Dourados/MS [tese de doutorado] [Internet]. Goiás: Universidade Federal de Goiás e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; 2009 [acesso em 2015 nov. 20]. Disponível em: http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_arquivos/6/TDE-2009-09-11T161250Z-4317/Publico/2009_AdrianePiresBatiston.pdf.

Dantas ELR, Sá FHL, Carvalho SMF, Arruda AP, Ribeiro EM, Ribeiro EM. Genética do câncer hereditário. Rev Bras Câncer. 2009; 55(3):263-9.

Davim RMB, Torres GV, Cabral MLN, Lima VM, Souza MA. Autoexame de mama: conhecimento de usuárias atendidas no ambulatório de uma maternidade escola. Rev Lat-Am Enferm. 2003;11(1):21-7.

Godinho ER, Koch HA. Rastreamento do câncer de mama: aspectos relacionados ao médico. Radiol Bras. 2004;37(2):91-9.

Coelho-Oliveira A, Rocha ACP, Gutfilen B, Pessoa MCP, Fonseca LMB. Identificação do linfonodo sentinela no câncer de mama com injeção subdérmica periareolar em quatro pontos do radiofármaco. Radiol Bras. 2004;37(4):233-7.

Swenson KK, Nissen MJ, Ceronsky C, Swenson L, Lee MW, Tuttle TM. Comparison of side effects between sentinel lymph node and axillary lymph node dissection for breast cancer. Ann Surg Oncol. 2002;9(8):745-53.

Cesar PGC, Fonseca FLA, Gehrke FS, Alves BCA, Kuniyoshi RK, Giglio AD. Utilização de plataforma gênica no prognóstico do câncer de mama. Arq Bras Ciên Saúde. 2012;37(3):154-61.

Gebrim LH, Shida JY, Mattar A, Madeira M. Indicações da cirurgia conservadora no câncer de mama. Femina. 2010;38(11):594-7.

Pereira CMA, Vieira EORY, Alcântara PSM. Avaliação de Protocolo de Fisioterapia aplicado a pacientes mactetomizadas a Madden. Rev Bras Cancerol. 2005;51(2):143-8.

Duarte T, Andrade A. Enfrentando a mastectomia: análise dos relatos de mulheres mastectomizadas sobre questões ligadas à sexualidade. Estudos de Psicologia. 2003;8(1):155-63.

Marcucci FCI. O papel da fisioterapia nos cuidados paliativos a pacientes com câncer. Rev Bras Cancerol. 2005;51(1):67-77.

Gomide LB. Repercussões tardias da radioterapia sobre a função pulmonar em pacientes com câncer de mama. [dissertação de mestrado] [Internet]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2006 [acesso em 2015 nov 20]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17145/tde-19122006-145040/pt-br.php

Lahoz MA, Nyssen SM, Correia GN, Garcia APU, Driusso P. Capacidade funcional e qualidade de vida em mulheres pós-mastectomizadas. Rev Bras Cancerol. 2010; 56(4): 423-430.

Santos ALA, Moura JFP, Santos CAAL, Figueiroa JN, Souza AI. Avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde em pacientes com câncer do colo do útero em tratamento radioterápico. Rev Bras Cancer. 2012;58(3):507-15.

Gutiérrez MGR, Bravo MM, Chanes DC, Vivo MCR, Souza GO. Adesão de mulheres mastectomizadas ao início precoce de um programa de reabilitação. Acta Paul Enferm. 2007;20(3):249-54.

Jammal MP, Machado ARM, Rodrigues LR. Fisioterapia na reabilitação de mulheres operadas por câncer de mama. O Mundo da Saúde. 2008;32(4):506-10.

O’keeffe ST, Mulkerrin EC, Naveem K, Varughese M, Pillay I. Use of serial Mini-Mental State Examinations to diagnose and monitor delirium in elderly hospital patients. J Am Geriatr Soc. 2005;53(5):867-70.

Barbosa JAN, Amorim MHC, Zandonade E, Delaprane ML. Avaliação da postura corporal em mulheres com câncer de mama. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013;35(5):215-20.

Rezende LF, Beletti PO, Franco RL, Moraes SS, Gurgel MSC. Exercícios livres versus direcionados nas complicações pós-operatórias de câncer de mama. Rev Assoc Med Bras. 2006;1(52):37-42.

Monsanto F, Lança C, Sá AC, Coelho CM, Carolino E. Influência do tratamento de radioterapia na qualidade de vida dos doentes com cancro de mama. Saúde & Tecnologia. 2013;9:40-4.

Bergmann A, Mattos IE, Koifman RJ. Fatores de risco para linfedema após câncer de mama: uma revisão da literatura. Fisioter Pesqui. 2008;15(2):207-13.

Petito EL, Nazário ACP, Martinelli SE, Facina G, Gutiérrez MGR. Aplicação de programa de exercícios domiciliares na reabilitação do ombro pós-cirurgia por câncer de mama. Rev Lat-Am Enferm. 2012;20(1):35-43.

Simeão SFAP, Landro ICR, De Conti MHS, Gatti MAN, Delgallo WD, De Vitta A. Qualidade de vida em grupos de mulheres acometidas de câncer de mama. Cien Saúde Colet. 2013;18(3):779-88.

Almeida AM, Mamede MV, Panobianco MS, Prado MAS, Clapis MJ. Construindo o significado da recorrência da doença: a experiência de mulheres com câncer de mama. Rev Latino-am Enferm. 2001;9(5):63-9.

Nogueira EA, Bergmann A, Paixão E, Thuler LCS. Alterações sensitivas, tratamento cirúrgico do câncer de mama e nervo intercostobraquial: revisão da literatura. Rev Bras Cancer. 2010; 56(1): 85-91.

Bergmann A, Koifman RJ, Koifman S, Ribeiro MJP, Mattos IE. Upper limb lymphedema following breast cancer surgery: prevalence and associated factors. Lymphology. 2007;40:96-106.

Santos MSM, Panobianco MS, Mamede MV, Meirelles MCCC, Barros VM. Sensibilidade tátil no membro superior de mulheres submetidas à linfonodectomia axilar por câncer de mama. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31(7):361-6.

Pires AMT, Segreto RA, Segreto HRC. Avaliação das reações agudas da pele e seus fatores de risco em pacientes com câncer de mama submetidas à radioterapia. Rev Latino-Am Enferm. 2008;16(5):1-5.

Porock D. Factors influencing the severity of radiation skin and oral mucosal reactions: development of a conceptual framework. Eur Cancer Care. 2002;11(1):33-43.

Nicolussi AC, Sawada ON. Qualidade de vida de pacientes com câncer de mama em terapia adjuvante. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(4):759-66.

Oliveira SCM, Pinto-Neto AM, Góes JRN, Conde DM, Santos-Sá D, Costa-Paiva L. Prevalência e fatores associados à constipação intestinal em mulheres na pós-menopausa. Arq Gastroenterol. 2005;42(1):24-9.

Collete VL, Araújo CL, Madruga SW. Prevalência e fatores associados à constipação intestinal: um estudo de base populacional em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, 2007. Cad Saúde Pública. 2010;26(7):1391-402.

Untura LP, Rezende LF. A função cognitiva em pacientes submetidos à quimioterapia: uma revisão integrativa. Rev Bras Cancer. 2012;58(2):257-65.

Koppelmans V, Breteler MM, Boogerd W, Seynaeve C, Gundy C, Schagen SB. Neuropsychological performance in survivors of breast cancer more than 20 years after adjuvant chemotherapy. J Clin Oncol. 2012; 30(10):1080-6.

Ahles TA, Saykin AJ. Candidate mechanisms for chemotherapy-induced cognitive changes. Nat Rev Cancer. 2007;7(3):192-201.

Moura FMJSP, Silva MG, Oliveira SC, Moura LJSP. Os sentimentos das mulheres pós-mastectomizadas. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010;14(3):477-84.

Azevedo FR, Lopes MLR. Merleau-ponty e a compreensão da vivência de mulheres mastectomizadas em uso de prótese. Rev Enferm UERJ. 2005;13(2):188-93.

Rebelo V, Rolim L, Carqueja E, Ferreira S. Avaliação da qualidade de vida em mulheres com cancro da mama: um estudo exploratório com 60 mulheres portuguesas. Psicologia, Saúde & Doenças. 2007;8(1):13-32.

Cesnik VM, Santos MA. Mastectomia e sexualidade: uma revisão integrativa. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2012;25(2):339-49.

Rohden F. Diferenças de gênero e medicalização da sexualidade na criação do diagnóstico das disfunções sexuais. Rev Estud Fem. 2009;17(1):89-109.

Figueiredo TC, Frigo LF. Climatério e menopausa: um olhar a cerca da sexualidade. Fórum de Fisioterapia. 2012.

Al-Ghazal SK, Fallowfield L, Blamey RW. Comparison of psychological aspects and patient satisfaction following breast conserving surgery, simple mastectomy and breast reconstruction. Eur J Cancer. 2000;36(15):1938-43.

Pereira SG, Rosenhein DP, Bulhosa MS, Lunardi VL, Lunardi Filho WD. Vivências de cuidados da mulher mastectomizada: uma pesquisa bibliográfica. Rev Bras Enferm. 2006;59(6):791-5.

Rossi L, Santos MA. Repercussões psicológicas do adoecimento e tratamento em mulheres acometidas pelo câncer de mama. Psicologia Ciência e Profissão. 2003;23(4):32-41.

Ornelas FA, Rodrigues JRP, Uemura G. Análise sensitiva convencional nos pós-cirúrgico de câncer de mama. Rev Bras Mastol. 2009;19(2):53-9.

Meneghim LA, Bortolan S. Menopausa e Terapia de Reposição Hormonal; 2009.

Thornton AA. Perceiving benefits in cancer experience. J Clin Psy Med Settings. 2002;9(2):153-65.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol14n48.3901