Perfil clínico e socioeconômico de pacientes com insuficiência cardíaca

Omar Pereira de Almeida Neto, Cristiane Martins Cunha, Gabrielle Duarte Cravo, Brena Elisa de Paulo, Laís Teodoro, Vanessa Franco de Almeida, Leila Aparecida Kauchakje Pedrosa

Resumo


Introdução: Apesar das inovações tecnológicas em cardiologia, a insuficiência cardíaca (IC) ainda é sinônimo de alta morbimortalidade. Poucos estudos abordam as características clínicas e socioeconômicas como desfecho e ferramenta para manejo dessa cardiopatia, tampouco de diferentes etiologias de IC em conjunto. Objetivo: Descrever variáveis clínicas e socioeconômicas de pacientes com insuficiência cardíaca de diferentes etiologias e classes funcionais. Metodologia: Estudo transversal, quantitativo e descritivo, aprovado pelo comitê de ética local sob nº 833.007. Inicialmente, os autores realizaram a validação de face e conteúdo do questionário clínico e socioeconômico. Posteriormente, uma amostra de 91 indivíduos que estavam em acompanhamento ambulatorial em um hospital público responderam ao questionário por meio da técnica de entrevista, individualmente, em consultórios disponibilizados pelo serviço. Uma revisão nos prontuários ocorreu posteriormente à entrevista, para aumentar a fidelidade das respostas. Resultados: O sexo masculino (50,5%) predominou na amostra, sendo a maioria dos indivíduos casados (52,7%), aposentados (83,51%), com escolaridade entre 0-4 anos e renda maior que quatro salários mínimos (57,1%). A classe funcional I (35,2%) de etiologia isquêmica (46,2%) prevaleceu na amostra, assim como a hipertensão arterial sistêmica (88,5%) como principal comorbidade associada, e angioplastia (30,8%) como procedimento cirúrgico de maior prevalência. O perfil medicamentoso demonstrou que antitrombóticos (60,4%), betabloqueadores (58,2%), inibidores da enzima conversora de angiotensina (56%) e estatinas (47,3%) foram prescritos para a maior parte dos indivíduos. Conclusões: O perfil socioeconômico e clínico devem ser ferramentas para a gestão e manejo de saúde de pacientes com IC, independente da etiologia ou classe funcional, embora essas variáveis possuam peculiaridades.

 


Palavras-chave


insuficiência cardíaca; perfil de saúde; cardiologia

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Carvalho VO, Guimarães GV, Carrara D, Bacal F, Bochi EA. Validação da versão em português do Minnesota Living with Heart Failure Questionnaire. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2009 [citado em 2015 jul 04];93(1):39-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v93n1/08.pdf.

Bocchi EA, Marcondes-Braga FG, Bacal F, Ferraz AS, Albuquerque D, Rodrigues D, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atualização da Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Crônica. Arq Bras Cardiol. 2012;98(1):1-33.

Di Naso FC, Pereira JS, Beatricci SZ, Bianchi RG, Dias AS, Monteiro MB. A classe da NYHA tem relação com a condição funcional e qualidade de vida na insuficiência cardíaca. Fisioter Pesqui. 2011;18(2):157-63.

Santos MA, Guedes ES, Barbosa RL, Cruz DALM. Dificuldades do sono relatadas por pacientes com insuficiência cardíaca. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(4):644-50.

Pelegrino VM, Dantas RAS, Clark AM. Determinantes da qualidade de vida relacionada à saúde em pacientes ambulatoriais com insuficiência cardíaca. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;(19)3:1-7.

Lindvall C, Hultman TD, Jackson VA. Overcoming the barriers to palliative care referral for patients with advanced heart failure. J Am Heart Assoc. 2013;3(1):1-3.

Fini A, Cruz DALM. Características da fadiga de pacientes com insuficiência cardíaca: revisão de literatura. Rev Latino-Am Enfermagem. 2009;17(4):557-65.

Fini A, Cruz DALM. Propriedades psicométricas da Dutch Fatigue Scale e Dutch Exertion Fatigue Scale – versão brasileira. Rev Bras Enferm. 2013;63(2):216-21.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. III Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Crônica. Arq Bras Cardiol. 2009;93(1 Supl 1):1-71.

Moraes RS, editor. Diretriz de reabilitação cardíaca. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2005 [citado em 2016 mar 7];84(5):431-40.

Carvalho T, Castro CLB, Costa RV, Moraes RS, Oliveira Filho JA. Normatização dos equipamentos e técnicas da reabilitação cardiovascular supervisionada. Arq Bras Cardiol. 2004;83(5):448-52.

Carvalho T, editor. Diretriz de reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidades. Arq Bras Cardiol. 2006;86(1):74-82.

Spinar J, Parenica J, Vitovec J, Widmsky P, Linhart A, Fedorco M, et al. Baseline characteristics and hospital mortality in the Acute Heart Failure Database (AHEAD) Main registry. Crit Care. 2011;15(6):1-13.

Aliti GB, Linhares JCC, Linch GFC, Ruschel KB, Rabelo ER. Sinais e sintomas de pacientes com insuficiência cardíaca descompensada: inferência dos diagnósticos de enfermagem prioritários. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(3):590-5.

Lourdes MC, Porto CC. Qualidade de vida em cardiopatia isquêmica. In: Fleck MPA, editor. A avaliação da qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed; 2008. p. 217-231.

Hunt SA, Abraham WT, Chin MH, Feldman AM, Francis GS, Ganiats TG, et al. Guidelines for the diagnosis and management of heart failure in adults: a report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on practice guidelines: developed in collaboration with the International Society for Heart and Lung Transplantation. J Am Coll Cardiol. 2009;53(15):90.

Carnelosso ML, Barbosa MA, Porto CC, Silva SA, Carvalho MM, Oliveira ALI. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares na região leste de Goiânia. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):1073-80.

Gasperi P, Radunz V, Prado ML. Procurando reeducar hábitos e costumes o processo de cuidar da enfermeira no pré e pós-operatórios de cirurgia cardíaca. Cogitare Enferm. 2006;11(3):252-7.

Neri M, Soares W. Desigualdade social e saúde no Brasil. Cad Saúde Pública. 2002;18:77-87.

Bocchi EA, Marcondes-Braga FG, Ayub-Ferreira SM, Rohde LE, Oliveira WA, Almeida DR, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. III Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Crônica. Arq Bras Cardiol. 2009;93(1):1-71.

Faria APC, Modolo R, Moreno BVD, Moreno H. Effects of PDE type 5 inhibitors on left ventricular diastolic dysfunction in resistant hypertension. Arq Bras Cardiol. 2015;104(1):85-89.

Gaui EN, Oliveira GMM, Klein CH. A insuficiência cardíaca nas declarações de óbito de três estados brasileiros de 1999 a 2005. Rev Bras Cardiol. 2014;27(1):524-30.

Soriano PL, Andreu OM, Sánchez FJM, et al. Manejo de la insuficiencia cardiaca aguda en los servicios de urgencias, emergencias y unidades adscritas. Revista de la Sociedad Española de Medicina de Urgencias y Emergencias. 2011;23(2):119-39.

Araújo AA, Nóbrega MML, Garcia TR. Diagnósticos e intervenções de enfermagem para pacientes portadores de insuficiência cardíaca congestiva utilizando a CIPE®. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(2):385-92.

Muela HCS, Bassan R, Serra SM. Avaliação dos Benefícios Funcionais de um Programa de Reabilitação Cardíaca. Rev Bras Cardiol. 2011;24(4):241-250.

Rolande DMS, Fantini JP, Cardinalli Neto A, Cordeiro JA, Bestetti RB. Determinantes prognósticos de pacientes com insuficiência cardíaca sistólica crônica secundária à hipertensão arterial sistêmica. Arq Bras Cardiol. 2012;98(1):76-84.

Souza CS, Stein AT, Bastos GAN, Pellanda LC. Controle da pressão arterial em hipertensos do Programa Hiperdia: estudo de base territorial. Arq Bras Cardiol. 2014;102(6):571-8.

Sipahi I, Akay MH, Dagdelen S, Blitz A, Alhan C. Coronary artery bypass grafting vs percutaneous coronary intervention and long-term mortality and morbidity in multivessel disease: meta-analysis of randomized clinical trials of the arterial grafting and stenting era. JAMA Intern Med. 2014:174(2):223-30.

Saccomann ICR, Cintra FA, Gallani MCBJ. Qualidade de vida relacionada à saúde em idosos com insuficiência cardíaca: avaliação com instrumento específico. Acta Paul Enferm. 2011;24(2):179-84.

Santos VST. Caracterização da relação entre a massa muscular esquelética e aptidão física funcional de pessoas com insuficiência cardíaca crónica após implante cardíaco de ressincronização [tese]. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa; 2015.

Chiodelli GC, Araujo CLP, Reis CM, Fonseca FR, Karloh M, Mayer AF. Relação das forças musculares respiratória e periférica com a limitação funcional em pacientes com insuficiência cardíaca. Rev Bras Ciênc Mov. 2015;23(1):136-45.

Janssen MF, Pickard AS, Golicki D, Gudex C, Niewada M, Scalone L, et al. Measurement properties of the EQ-5D-5L compared to the EQ-5D-3L across eight patient groups: a multi-country study. Qual Life Res. 2013;22(7):1717-27.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol14n50.3971

Indexadores: