Características antropométricas de aderentes e desistentes de treinamento de força em academia

Alexandro Andrade, Fábio Hech Dominski, Carla Maria Liz, Clara Knierim Correia

Resumo


Objetivo: Comparar o perfil antropométrico de aderentes e desistentes de treinamento de força (TF) de diferentes sexos, idades e estados civis. Método: Participaram do estudo 54 praticantes de TF, com média de idade de 30 anos, que foram caracterizados quanto a sexo, idade e estado civil e quanto aos indicadores antropométricos (peso corporal, estatura, razão cintura-quadril, índice de massa corporal e percentual de gordura). Os dados foram tratados com estatística descritiva e inferencial. Resultados: Aderentes e desistentes do TF não se diferenciaram significativamente com relação aos índices antropométricos. Foi verificado que os desistentes do TF com parceiro apresentaram maior percentual de gordura e massa gorda quando comparados aos sem parceiro. Aderentes e desistentes acima de 30 anos apresentaram maior percentual de gordura e massa gorda do que os de até 30 anos. Conclusão: Aderentes e desistentes não se diferenciaram significativamente com relação aos índices antropométricos.

 


Palavras-chave


treinamento de resistência; antropometria; academias de ginástica

Texto completo:

PDF

Referências


International Health, Racquet & Sportsclub Association. The IHRSA Global Report 2016: the state of the health club industry. Boston: The Association; 2016. 128 p.

Ahmed C, Hilton W, Pituch K. Relations of strength training to body image among a sample of female university students. J Strength Cond Res. 2002 Nov;16(4):645-8.

Mezzaroba PV, Ribeiro MS, Machado FA. Comparação de dois métodos de treinamento contra resistência na força, antropometria e composição corporal de mulheres jovens. Rev Bras Ciênc Mov. 2014;22(2):106-13.

Costa RF, Guiselini M, Fisberg M. Correlação entre porcentagem de gordura e índice de massa corporal de frequentadores de academia de ginastica. Rev Bras Ciênc Mov. 2007;15(4):39-46.

Carvalho T, editor. Guidelines of the Brazilian Society of Sports Medicine – dietary changes, fluid replacement, food suplements and drugs: demonstration of ergogenic action and potential health risks. Rev Bras Med Esporte. 2003;9(2):57-68.

Filardo RD, Leite N. Perfil dos indivíduos que iniciam programas de exercícios em academias, quanto à composição corporal e aos objetivos em relação à faixa etária e sexo. Rev Bras Med Esporte. 2001;7(2):57-61.

Pitanga FJG. Antropometria na avaliação da obesidade abdominal e risco coronariano. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2011;13(3):238-41.

Penteado EGP, Baratto I, Silva R. Comparação entre índice de massa corporal e percentual de gordura da equipe de futsal masculino do município de Guarapuava, Paraná. Rev Bras Nutr Esp. 2010;4(21):262-7.

Rezende FAC, Rosado LEFPL, Franceschinni SCC, Rosado GP, Ribeir RCL. Aplicabilidade de massa corporal na avaliação da gordura corporal. Rev Bras Med Esporte. 2010;16(2):90-4.

Ferreira LS, Honorato D, Stulbach T, Narciso, P. Avaliação do IMC como indicativo de gordura corporal e comparação de indicadores antropométricos para determinação de risco cardiovascular em frequentadores de academia. Rev Bras Nutr Esp. 2013;7( 42):324-32.

Petroski EL. Desenvolvimento e validação de equações generalizadas para a estimativa da densidade corporal em adultos. Santa Maria [tese]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria; 1995.

Siri WE. Body composition from fluid spaces and density. In: Brozek J, Henschel A, editors. Techniques for measuring body composition. Washington, DC: National Academy of Science; 1961. p. 223-44.

Findorff MJ, Wyman, JF, Gross CR. Predictors of longterm exercise adherence in a community-based sample of older women. J Womens Health (Larchmt). 2009 Nov;18(11):1769 76.

Liz CM, Crocetta TB, Viana MdS, Brandt R, Andrade A. Aderência à prática de exercícios físicos em academias de ginástica. Motriz: Rev Educ Fís. 2010;16(1):181-8.

Costa BVD, Bottcher LB, Kokubun E. Aderência a um programa de atividade física e fatores associados. Motriz: Rev Educ Fís. 2009;15(1):25-36.

Mendes FDSNS, Castro CLB, Araújo CGS. Obesos apresentam menor aderência a programa de exercício supervisionado. Rev Bras Cardiol. 2010;23(4):230-7.

Meseguer CM, Galán I, Herruzo R, Zorrilla B, Rodriguez-Artalejo F. Leisure-time physical activity in a southern European mediterranean country: adherence to recommendations and determining factors. Rev Esp Cardiol. 2009 Oct;62(10):1125-33.

Nascimento MC, Silva OMP, Saggioratto CML, Vargas KCB, Schopf K, Klunk J. O desafio da adesão aos exercícios físicos em grupos de idosos em Palmitos/SC: motivos para a prática e para a desistência. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(3):140-4.

Pitanga FJG. Tempo de permanência em programas de exercícios físicos em hipertensos de ambos os sexos: estudo através da análise de sobrevida. Rev baiana educ fís. 2001;2(3):3 10.

Santos DM, Sichieri R. Índice de massa corporal e indicadores antropométricos de adiposidade em idosos. Rev Saúde Pública. 2005;39(2):163-8.

Santos CF, Crestan TA, Picheth DM, Felix G, Mattanó RS, Porto DB, et al. Efeito de 20 semanas de treinamento com pesos sobre indicadores de composição corporal. Rev Bras Ciên e Mov. 2002 abr;10(2):79-84.

Trost SG, Owen N, Bauman AE, Sallis JF, Brown W. Correlates of adults' participation in physical activity: review and update. Med Sci Sports Exerc. 2002 Dec;34(12):1996–2001.

Bergman P, Grjibovski AM, Hagströmer M, Bauman A, Sjöström M. Adherence to physical activity recommendations and the influence of socio-demographic correlates: a population based cross sectional study. BMC Public Health. 2008;8:367-76.

Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros Neto TL. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev Bras Ciên e Mov. 2000;8(4):21-32.

Filiardo RD, Neto CSP. Indicadores antropométricos e da composição corporal de homens e mulheres entre 20 e 39, 9 anos de idade. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2001;3(1):55-62.

Pitanga FJG, Lessa I. Associação entre indicadores antropométricos de obesidade e risco coronariano em adultos na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(2)-239-48.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol14n50.4012