Assistência materno-infantil, tipo de serviço utilizado e características sociodemográficas em cidade do interior da Paraíba

Dixis Figueroa Pedraza, Erika Araújo

Resumo


Objetivo: Analisar a assistência pré-natal e ao parto/puerpério no atendimento público e privado, segundo características sociodemográficas maternas, na cidade de Campina Grande, Paraíba. Metodologia: Estudo transversal, desenvolvido na cidade de Campina Grande, Paraíba. Entrevistaram-se 738 mães de filhos menores de um ano, incluindo informações sociodemográficas e da atenção ao pré-natal, ao parto e ao puerpério, inclusive sobre o tipo de serviço utilizado. A distribuição relacionada ao tipo de serviço utilizado no pré-natal e no parto/puerpério foi analisada segundo as caraterísticas sociodemográficas maternas. Resultados: A utilização do serviço público foi de 77% na assistência pré-natal e de 80,1% no caso do parto/puerpério entre os entrevistados. Verificou-se vantagem sistemática na utilização de serviços públicos de saúde durante o pré-natal e o parto/puerpério nas mulheres de menor escolaridade e nas de famílias beneficiadas pelo Programa Bolsa Família. Conclusão: Os resultados sugerem que a maior utilização dos serviços públicos de saúde coexiste com desigualdades no uso de serviços entre a população atendida pelo SUS e a população beneficiária de planos de saúde. Assim, remete-se à necessidade de ações de melhoria da assistência pré-natal e ao parto/puerpério, sobretudo pelo setor público, que atende a população de maior vulnerabilidade.


Palavras-chave


Atenção à saúde, Cuidado pré-natal, Saúde materno-infantil, Qualidade da assistência à saúde, Fatores socioeconômicos

Texto completo:

PDF

Referências


Melo KL, Vieira BDG, Alves VH, Rodrigues DP, Leão

DCMR, Silva LA. O comportamento expresso pela parturiente

durante o trabalho de parto: reflexos da assistência do

pré-natal. J Res Fundam Care. 2013;6(3):1007-20.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.

Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Portaria

nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do

Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Brasília:

Ministério da Saúde; 2011.

Cabral FB, Hirt LM, Van der Sand ICP. Atendimento pré-

-natal na ótica de puérperas: da medicalização à fragmentação

do cuidado. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(2):281-7.

Cardoso LSM, Mendes LL, Velasquez-Melendez G.

Diferenças na atenção pré-natal nas áreas urbanas e rurais

do Brasil: estudo transversal de base populacional. REME

Rev Min Enferm. 2013;17(1):85-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa

de Humanização do Parto e Nascimento. Brasília: Ministério

da Saúde; 2002.

Leal MC, Theme-Filha MM, Moura EC, Cecatti JG, Santos

LMP. Atenção ao pré-natal e parto em mulheres usuárias

do sistema público de saúde, SUS, residentes na Amazônia

Legal e no Nordeste, Brasil 2010. Rev Bras Saúde Matern

Infant. 2015;15(1):91-104.

Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde.

As causas sociais das iniqüidades em saúde no Brasil. Rio de

Janeiro: Fiocruz; 2008.

Alves GJ, Leandro SS. Abordagem a populações em situação

de vulnerabilidade na Atenção Primária à Saúde. In:

Kalinowski CE, Figueiredo KC, Fonseca RMGS, organizadores.

PROENF Programa de Atualização em Enfermagem:

Atenção Primária e Saúde da Família: Ciclo 2. Porto Alegre:

Artmed Panamericana; 2014. p. 93-124. (Sistema de

Educação Continuada a Distância, v. 4).

Paris GF, Pelloso SM, Martins PM. Qualidade da assistência

pré-natal nos serviços públicos e privados. Rev Bras Ginecol

Obstet. 2013;35(10):447-52.

Cesar JA, Mano PS, Carlotto K, Gonzalez-Chica DA,

Mendoza-Sassi RA. Público versus privado: avaliando a assistência

à gestação e ao parto no extremo sul do Brasil. Rev

Bras Saúde Matern Infant. 2011;11(3):257-63.

Santos IS, Ugá MAD, Porto SM. O mix público-privado no

Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento, oferta e utilização

de serviços de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(5):1431-40.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência,

Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de

Ciência e Tecnologia. Avaliação da atenção ao pré-natal, ao

parto e aos menores de um ano na Amazônia Legal e no

Nordeste, Brasil, 2010. Brasília; Ministério da Saúde; 2013.

Porto SM, Ugá MAD, Moreira RS. Uma análise da utilização

de serviços de saúde por sistema de financiamento: Brasil

-2008. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(9):3795-806.

Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA,

Theme-Filha MM, Gama SGN, et al. Adequação da assistência

pré-natal segundo as características maternas no

Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2015;37(3):140-7.

Cesar JA, Sutil AT, Santos GB, Cunha CF, Mendoza-Sassi

RA. Assistência pré-natal nos serviços públicos e privados

de saúde: estudo transversal de base populacional em Rio

Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública.

;28(11):2106-14.

Osorio AM, Tovar LM, Rathmann K. Individual and local

level factors and antenatal care use in Colombia: a multilevel

analysis. Cad Saúde Pública. 2014;30(5):1079-92.

García FM. Los determinantes de la calidad de la atención

en salud: el caso del control prenatal. Coyunt Econ.

;34(2):61-97.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n52.4018

Indexadores: