Condições de saúde e qualidade de vida de idosos participantes de um programa de responsabilidade social

Charliny Costa da Silva, Carlos Ariel Souza de Oliveira, Esdras Daniel de Sousa, Thiago Brasileiro de Vasconcelos, Geórgia Maria Lopes da Silva, Vasco Pinheiro Diógenes Bastos

Resumo


Introdução: A velhice não é doença. É uma etapa da vida com características e valores próprios, em que ocorrem modificações no indivíduo, tanto na estrutura orgânica – metabolismo, equilíbrio bioquímico, imunidade, nutrição, mecanismos funcionais – como nas características intelectuais e emocionais. Objetivo: Avaliar as condições de saúde e qualidade de vida de idosos participantes de um programa de responsabilidade social. Materiais e métodos: Trata-se de estudo de caráter descritivo e transversal com estratégia de análise quantitativa dos resultados, realizado no Programa de Responsabilidade Social do Instituto Senior, em Fortaleza (CE). A coleta de dados foi realizada de agosto a novembro de 2013, com aplicação de um questionário estruturado em que foram obtidos dados pessoais e informações sobre o ponto de vista de idosos acerca do projeto. Resultados: Em relação à avaliação dos serviços do projeto, foi evidenciada a necessidade de melhorias no espaço físico com intuito de aprimorar a qualidade do serviço. No tocante a benefícios e melhoria na qualidade de vida, 100% dos participantes (n=40) mostraram grande satisfação com o serviço e relataram que o projeto foi salutar e trouxe autonomia para sua vida diária, além de outros benefícios. Conclusão: Idosos sentem prazer em participar do projeto e das atividades propostas, e que têm pouco a criticar. O convívio com outros idosos nesse grupo de apoio auxilia emocionalmente o indivíduo, promovendo-lhe o bem-estar e melhor qualidade de vida.

 


Palavras-chave


Idoso, Socialização, Atividade motora, Qualidade de vida.

Texto completo:

PDF

Referências


Rodrigues RAP, Kusumota L, Marques S, Fabrício SCC,

Cruz IR, Lange C. Política nacional de atenção ao idoso

e a contribuição da enfermagem. Texto Contexto Enferm.

;16(3):536-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage

na Internet]. Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios

no Brasil: 2000. [citado em 2017 jun 26]. Disponível em:

https://goo.gl/MaZUCk

Souza GAJ, Iglesias GRCA. Trauma no idoso. Rev Assoc

Med Bras. 2002;48(1):79-86.

Andrews GA. Los desafíos del proceso de envejecimiento en

las sociedades de hoy e del futuro. In: Anais do Encuentro

Latinoamericano y Caribeño sobre las Personas de Edad; 1999

set. 8-10; Santiago, Chile. Santiago: Celade; 2000. p. 247-56.

Lara CJ. Atenção aos idosos. Aleluia [periódicos na

Internet]. Arapongas: IPRB; 2008 [citado em 2013

maio 11]. Disponível em: https://goo.gl/SQLqtH

Agostinho P. Perspectiva psicossomática do envelhecimento.

Rev Port Psicos. 2004;6(1):31-6.

Joia CL, Ruiz T, Donalisio MR. Condições associadas ao

grau de satisfação com a vida entre a população de idosos.

Rev Saúde Públ. 2007;41(1):131-38.

Freire SA. Envelhecimento bem-sucedido e bem-estar psicológico.

In: Neri AL, Freire SA, organizadoras. E por falar

em boa velhice. Campinas: Papirus; 2000. p. 21-31.

Papeléo-Netto M, Ponte JR. Envelhecimento: desafio na

transição do século. In: Papeléo-Netto M, Ponte JR, editores.

Gerontologia. São Paulo: Atheneu; 2002. p. 3-12.

Lima-Costa MF, Veras R. Saúde pública e envelhecimento.

Cad Saúde Pública. 2003;19(3):700-1.

Veras R. Em busca de uma assistência adequada à saúde do

idoso: revisão da literatura e aplicação de um instrumento

de detecção precoce e de previsibilidade de agravos. Cad

Saúde Pública. 2003;19(3):705-15.

Veras R, Caldas CP, Araújo DV, Kuschnir R, Mendes W.

Características demográficas dos idosos vinculados ao sistema

suplementar de saúde no Brasil. Rev Saúde Pública.

;42(3):497-502.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma

MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-

(Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50.

Nakagava BKC, Rabelo JR. Perfil da qualidade de vida de

mulheres idosas praticantes de hidroginástica. Movimentum

Rev Dig Ed Fis. 2007;2(1):1-14.

Domiciano BR, Braga DKAP, Silva PN, Santos MPA,

Vasconcelos TB, Macena RHM. Função cognitiva de idosas

residentes em instituições de longa permanência: efeitos

de um programa de fisioterapia. Rev Bras Geriatr Gerontol.

;19(1):57-70.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia

social. Petrópolis: Vozes; 2004.

Catalan-Matamoros D, Gomez-Conesa A, Stubbs B,

Vancampfort D. Exercise improves depressive symptoms in

older adults: an umbrella review of systematic reviews and

meta-analyses. Psychiatry Res. 2016;244:202-9.

Jerez-Roig J, Oliveira NPD, Lima Filho BF, Bezerra MAF,

Matias MGL, Ferreira LM, et al. Depressive symptoms and

associated factors in institutionalized elderly. Exp Aging

Res. 2016;42(5):479-91.

Mendes MRSSB, Gusmão JL, Faro ACM, Leite RCBO.

A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração.

Acta Paul Enferm. 2002;18(4):422-26.

Shephard RJ. Envelhecimento, atividade física e saúde. São

Paulo: Phorte; 2003.

Hazzard W, Brerman EL, Blass JP, Ettinger WH, Halter JB.

Principles of geriatric medicine and gerontology. 3rd ed.

New York: McGraw Hill; 1997.

Kelly SDM. Prevalent mental health disorders in the aging

population: issues of comorbidity and functional disability.

J Rehabil. 2003;69(2):19-25.

Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde

do idoso. Belo Horizonte: SAS/MG; 2006.

Carneiro LS, Fonseca AM, Vieira-Coelho MA, Mota MP,

Vasconcelos-Raposo J. Effects of structured exercise and

pharmacotherapy vs. pharmacotherapy for adults with depressive

symptoms: a randomized clinical trial. J Psychiatr

Res. 2015;71:48-55.

Neri AL. Qualidade de vida na velhice e atendimento

domiciliário. In: Duarte YAO, Diogo MJD, editoras.

Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São

Paulo: Atheneu; 2000. p. 33-47.

Silva MAD, De Marchi R. Saúde e qualidade de vida no

trabalho. São Paulo: Best Seller; 1997.

Zimerman GI. Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto

Alegre: Artes Médicas Sul; 2000.

Leite PF. Aptidão física, esporte e saúde. São Paulo: Robe; 2000.

Neri AL. Psicologia do envelhecimento: uma área emergente.

In: Neri AL, organizadora. Psicologia do envelhecimento.

Campinas: Papirus; 1995. p. 13-40.

Katz S. Busy bodies: activity, aging, and the management of

everyday life. J Aging Stud. 2000;14(2):135-52.

Moraes MPI, Sousa IAFC, Vasconcelos TB. Relação entre a

capacidade funcional e mobilidade com a prática de atividade

física em idosos participantes de uma associação. Ciênc

Saúde. 2016;9(2):90-95.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n52.4196