Avaliação dos fatores relacionados à não adesão à segunda dose da vacina H1N1 em um centro de saúde-escola

Lucas de Paiva Dias, Marcos de Paiva Dias

Resumo


Introdução: Vacinar crianças a partir dos primeiros meses de idade é uma ação de proteção específica contra doenças graves, incluindo a H1N1, responsável por elevadas taxas de morbimortalidade infantil. Objetivo: O propósito desta pesquisa foi analisar os fatores que levam as mães/acompanhantes de crianças de 0 a 2 anos a não manterem o cartão de vacina das crianças em dia na sala de vacinação, mostrar as influências dos aspectos sociais e epidemiológicos, evidenciar as questões culturais e caracterizar o perfil dos pais em relação à vacina H1N1. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo descritivo-exploratório sobre os fatores da não adesão à 2ª dose da vacina contra a H1N1 em um centro de saúde-escola. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de campo, utilizando um formulário com 8 perguntas fechadas e 1 pergunta aberta. A coleta de dados aconteceu em local agendado pelo sujeito da pesquisa, após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEP). Resultados: Entre os participantes, a mulher é a personagem principal no trato de questões de saúde, correspondendo a 85% dos entrevistados. Ficou claro que 54% gastaram até 10 minutos para chegar à unidade de saúde. Observou-se que 46% da população pesquisada não terminou o segundo grau. Conclusões: Os dados socioepidemiológicos e culturais não influenciaram a não adesão à 2ª dose da vacina contra H1N1. Após a análise das entrevistas, foi possível observar que existem fatores como: ausência de informação quanto à necessidade do retorno à unidade de saúde para completar o esquema de vacinação; descompasso entre a informação da ficha de registro na unidade de saúde e o que estava anotado no cartão da criança; e falta de vacina na unidade, o que interfere a atualização do cartão das crianças. Portanto, ressalta-se a importância da busca ativa dos faltosos para se obter dados fidedignos quanto à cobertura vacinal. Essa temática poderá ser mais explorada em pesquisas futuras, pois há muitas questões complexas relacionadas à não adesão à vacina H1N1.


Palavras-chave


Criança, H1N1, Influenza, Vacina, Adesão

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza 2011. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunização. Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza 2012. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Machado AA. Infecção pelo vírus Influenza A (H1N1) de origem suína: como reconhecer, diagnosticar e prevenir. J Bras Pneumol. 2009;35(5):464-9.

Pinhati HMS. Influenza A (H1N1): há motivos para preocupação? Bras Med. 2009;46(1):6-9.

Andrade CR, Ibiapina CC, Champs NS, Toledo Junior ACC, Picinin IFM. Gripe aviária: a ameaça do século XXI. J Bras Pneumol. 2009;35(5):470-9.

Rezende MS. Gripe aviária, aves migratórias e o controle sanitário na criação de aves comerciais e de subsistência no município de Uberlândia – Minas Gerais [dissertação]. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia; 2009.

Greco DB, Tupinambás U, Fonseca M. Influenza A (H1N1): histórico, estado atual no Brasil e no mundo, perspectivas. Rev Méd Minas Gerais. 2009;19(2):132-9.

Verrastro CGY, Abreu Junior L, Hitomi DZ, Antonio EP, Neves AR, D’Ipollito G. Manifestações da infecção pelo novo vírus influenza A (H1N1) na tomografia computadorizada de tórax. Radiol Bras. 2009;42(6):343-8.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Protocolo de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010.

Gatti MAN, Oliveira LR. Crianças faltosas à vacinação, condições de vida da família e concepção sobre vacina: um inquérito domiciliar. Rev Salusvita. 2005;24(3):427-45.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2002.

Santos ZMSA, Albuquerque VLM, Sampaio FHS. Vacinação: o que o usuário sabe? Rev Bras Promoç Saúde. 2005;18(1):23-30.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações [Internet]. [atualizado em 2017; citado em 2015 jan 1]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php

Temporão JGO. Programa Nacional de Imunizações (PNI): origens e desenvolvimento. História, Ciências, Saúde. 2003;2(10):601-17.

Homma A, Martins RM, Leal FML, Freire MS, Couto AR. Atualização em vacinas, imunizações e inovação tecnológica. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(2):445-58.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégia nacional de vacinação contra o vírus influenza pandêmico (H1N1) 2009. Brasília, DF: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2010.

Duarte PAD, Venazzi A. Pacientes com infecção por vírus A (H1N1) admitidos em unidades de terapia intensiva do Estado do Paraná, Brasil. Rev Bras Ter Intensiva. 2009;21(3):231-6.

Vranjac A. Características dos casos notificados de Influenza A/H1N1. Rev Saúde Públ. 2009;43(5):900-4.

Cintra OAL, Rey LC. Segurança, imunogenicidade e eficácia da vacina contra o vírus influenza em crianças. J Pediatr. 2006;82(3):83-90.

Donalisio MR. Política brasileira de vacinação contra a influenza e seu impacto sobre a saúde do idoso. Cad Saúde Públ. 2007;23(3):494-5.

Castilho SG, Bercini LO. Acompanhamento de saúde da criança: concepções das famílias do município de Cambira, Paraná. Ciênc Cuid Saúde. 2005;4(2):129-38.

Gutierrez DMD, Minayo MCS. Produção de conhecimento sobre cuidados da saúde no âmbito da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):1497-508.

Rocha R, Sampaio MJ, Pereira CL, Liberal I. Factores associados ao não cumprimento do Programa Nacional de Vacinação e das vacinas pneumocócica conjugada heptavalente e contra o rotavírus. Acta Pediátr Portug. 2010;41(5):195-200.

Moscon N, Kruger TR. O serviço social na atenção básica e o acesso aos serviços de saúde. Rev Saúde Pública Santa Catarina. 2010;3(2):88-98.

Figueiredo GLA, Pina JC, Tonete VLP, Lima RAG, Mello DF. Experiências de famílias na imunização de crianças brasileiras menores de dois anos. Rev Latin Amer Enferm. 2011;19(3):8.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Orçamento e Gestão. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento; 2010.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Censo demográfico 2010: características da população e dos domicílios. Resultados do Universo. Rio de Janeiro; 2010.

Adorno RCF, Alvarenga AT, Vasconcellos MP. Quesito cor no sistema de informação em saúde. Est Av. 2004;18(50):119-23.

Raymundi SD. Aspectos da não adesão de idosos à campanha de vacinação da gripe no bairro córrego grande [monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2004.

Carvalho KM, Araújo TME, Silva GRF, Luz MHBA. A cultura de imunização no Brasil: reflexões a partir da Teoria do Cuidado Transcultural. Rev Enferm UFPI. 2012;1(3):226-9.

Silva ZP, Ribeiro MCSA, Barata RB, Almeida MF. Perfil sociodemográfico e padrão de utilização dos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), 2003-2008. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3807-16.

Peixoto AR, Torquato RS. Razões que levam os pais ao incumprimento do esquema vacinal recomendado para os seus filhos [monografia]. Barcarena: Escola Superior de Saúde Atlântica; 2009.

Silva V, Borges GC. Levantamento da cobertura vacinal de crianças de 0 a 1 ano cadastradas em um esf da cidade de Dourados/MS. Interbio. 2011;5(1):37-43.

Brasil. Ministério da Saúde. Painel de Indicadores do SUS nº 7. Brasília, DF: Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa; 2010.

Ruaro GCG, Johnson GA, Ramos F. Participação política feminina em cargos públicos decisórios municipais: um estudo de caso. Cad Espaço Fem. 2009;22(2):241-65.

Corral T. Agenda de desenvolvimento humano e sustentável par o Brasil do século XXI. Brasília, DF: PNUD; 2000.

Silva AAM, Gomes AU, Tonial SR, Silva RA. Cobertura vacinal e fatores de risco associados à não-vacinação em localidade urbana do Nordeste brasileiro, 1994. Rev Saúde Públ. 1999;33(2):147-56.

Tertuliano GC, Stein AT. Atraso vacinal e seus determinantes: um estudo em localidade atendida pela estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(2):523-30.

Silva ET, Botti NCL. Depressão puerperal. Rev Eletr Enferm. 2005;7(2):231-8.

Pastore APW, Prates CS, Gutierrez LLP. Conhecimento sobre a influenza A (H1N1) pdm09 entre indivíduos vacinados no Centro Universitário Metodista IPA, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Scientia Medica. 2012;22(4):197-202.

Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Rev Saúde Coletiva. 2007;17(1)77-93.

Brasil. Ministério da Saúde. Inquérito de cobertura vacinal nas áreas urbanas das capitais. Brasília, DF: Centro de Estudos Augusto Leopoldo Ayrosa Galvão; 2007.

Colombe RM. Oportunidades perdidas para a vacinação de menores de 1 ano. In: Anais da 9ª Mostra Acadêmica Unimep; 2011, Piracicaba: Unimep; 2011. p. 328-33.

Souza EP, Teixeira MS. Cobertura vacinal para influenza A/H1N1, reações adversas e motivos para a não aceitação da vacina entre os estudantes de medicina no Brasil. Rev Inst Med Trop S Paulo. 2012;54(2):77-82.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4244

Indexadores: