Admissão dos pacientes em crise psicótica na fase prodrômica

Leonardo Leão Kahey Fonseca, Leandro Martins Costa de Araújo, Emanuele de Freitas Manata Godoy, Nadja Cristiane Lappann Botti

Resumo


Introdução: A vivência da crise psicótica é um quadro psicopatológico responsável pela desarticulação de vários aspectos da vida do indivíduo, interferindo em suas funções e papéis. Objetivo: Conhecer os contextos presentes na vida dos pacientes psicóticos na admissão para tratamento na fase prodrômica da crise. Metodologia: Estudo de caso qualitativo a partir do referencial de Análise de Conteúdo Temático Categorial de 100 pacientes admitidos com sintomatologia prodrômica para tratamento da crise psicótica no Centro de Atenção Psicossocial de cidade do interior do Brasil. Resultados: Encontrados como contextos presentes na vida de pacientes na fase prodrômica da crise psicótica situações de ruptura de vínculos, identidade, tratamento psiquiátrico e ruptura emocional, como também situações de violência e abuso de drogas na crise psicótica. Conclusões: É importante conhecer os contextos na vida dos pacientes na fase prodrômica da crise psicótica, a fim de favorecer a intervenção precoce, e assim, melhor acesso ao tratamento e prognóstico.


Palavras-chave


Transtornos psicóticos, Admissão do paciente, Saúde mental, Pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho NR, Costa II. Primeiras crises psicóticas: identificação

de pródromos por pacientes e familiares. Psic. Clín.

;20(1):153-64.

Ferigato SH, Campos RTO, Ballarin MLGS. O atendimento

à crise em saúde mental: ampliando conceitos. Rev.

Psicol. UNESP. 2007;6(1):31-44.

McGorry PD, Killackey E, Yung AR. Early intervention in

psychosis: concepts, evidence and future directions. World

Psychiatry. 2008;7(3):148-56.

Costa II. Da psicose aos sofrimentos psíquicos graves: caminhos

para uma abordagem complexa. Brasília, DF: Kako;

Yung AR. Identification and treatment of the prodromal

phase of psychotic disorders: perspectives from the PACE

Clinic. Early Interv. Psychiatry. 2007;1(3):224-35.

Felício JL, Pessini L. Bioética da proteção: vulnerabilidade

e autonomia dos pacientes com transtornos mentais. Rev.

bioét (Impr.). 2009;17(2):203-20.

Carvalho IS, Costa II, Bucher-Maluschke JSNF. Psicose e

Sociedade: Interseções necessárias à compreensão da crise.

Rev. Mal-estar Subj. 2007;7(1):163-89.

Souza AC, Guljor APF, Silva JLL. Refletindo sobre os centros

de atenção psicossocial. Av. enferm. 2014;32(2):292-98.

Cavalcanti MT, Dahl CM, Carvalho MCA, Valencia E.

Critérios de admissão e continuidade de cuidados em centros

de atenção psicossocial, Rio de Janeiro (RJ). Rev. Saúde

Públ. 2009;43(1):23-8.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4.ed.

Porto Alegre: Bookman; 2010.

Oliveira DC. Análise de conteúdo temático-categorial:

uma proposta de sistematização. Rev. Enferm. UERJ.

;16(4):569-76.

Tanskanen S, Morant N, Hinton M, Lloyd-Evans B, Crosby

M, Killaspy H, et al. Service user and carer experiences of

seeking help for a first episode of psychosis: a UK qualitative

study. BMC Psychiatry. 2011;11(1):157.

Castro SA, Furegato ARF, Santos JLF. Características sociodemográficas

e clínicas em reinternações psiquiátricas. Rev.

Latino-Am. Enfermagem. 2010;18(4):800-8.

Ballarin MLGS, Miranda IMS, Carvalho CM. Centro de

atenção psicossocial do município de Campinas: estudo

sobre o perfil sociodemográfico e clínico de seus usuários.

Rev. Ciênc. Méd. (Campinas). 2011;20(3/4:59-67.

Mangualde AAS, Botelho CC, Soares MR, Costa JF,

Junqueira ACM, Vidal CEL. Perfil epidemiológico dos pacientes

atendidos em um Centro de Atenção Psicossocial.

Mental. 2013;10(19):235-48.

Zanetti ACG, Galera SAF. O impacto da esquizofrenia para

a família. Rev. Gaúch. Enferm. 2007;28(3):385-92.

Guedes DD, Monteiro-Leitner J, Machado KCR.

Rompimento amoroso, depressão e autoestima: estudo de

caso. Rev. Mal-estar Subj. 2008;8(3):603-43.

Vieira BD, Parizotto APAV. Alterações psicológicas decorrentes

do período gravídico. Unoesc Ciênc. ACBS.

;4(1):79-90.

Nascimento LTR, Souza J, Gaino LV. Relacionamento entre

familiar e usuário de álcool em tratamento em um centro

de atenção psicossocial especializado. Texto & Contexto

Enferm. 2015;24(3):834-41.

Ribeiro MA. Psicose e desemprego: um paralelo entre experiências

psicossociais de ruptura biográfica. Cad. Psicol.

Soc. Trab. 2007;10(1):75-91.

Day VP, Telles LEB, Zoratto PH, Azambuja MRF, Machado

DA, Silveira MB, et al. (2003). Violência doméstica e

suas diferentes manifestações. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul

;25(supl. 1):9-21.

Lima CH. Investigação psicanalítica dos determinantes psíquicos

do consumo abusivo de substâncias psicoativas. Rev.

Latinoam. Psicopatol. Fundam. 2014;17(1):39-50.

Pelisoli CL, Moreira AK. Caracterização epidemiológica dos

usuários do Centro de Atenção Psicossocial Casa Aberta.

Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul. 2005;27(3):270-77.

Melo APS, Guimarães MDC. Factors associated with psychiatric

treatment dropout in a mental health reference center,

Belo Horizonte. Rev. Bras. Psiquiatr. 2005;27(2):113-18.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n52.4426