Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado humanizado em uma unidade de terapia intensiva neonatal

Maria Fernanda Pereira Gomes, Natália Santos da Silva, Verusca Kelly Capellini, Mariana Souza Santos

Resumo


Objetivo: Identificar o conhecimento dos profissionais de enfermagem que trabalham em uma unidade de terapia intensiva neonatal (Utin) sobre o cuidado humanizado ao recém-nascido. Método: Estudo quantitativo e descritivo, realizado em uma Utin de um hospital do interior do estado de São Paulo, Brasil. Os sujeitos do estudo foram 24 profissionais de enfermagem, dentre os quais seis enfermeiros, cinco técnicos e 13 auxiliares. Os dados foram coletados por meio de um questionário elaborado a partir do referencial teórico do Ministério da Saúde sobre humanização. Resultados: Por unanimidade, os profissionais de enfermagem consideram como cuidado humanizado a utilização de técnicas que amenizem a dor durante a realização de procedimentos dolorosos. Outras características apontadas por grande parte dos profissionais entrevistados foram higienizar e aquecer as mãos quando for tocar no bebê e minimizar os sons e ruídos para melhorar seu conforto. As características menos apontadas foram: permitir que todos os familiares toquem no bebê e a resolutividade. Conclusão: Os profissionais de enfermagem percebem o cuidado humanizado como prática importante a ser realizada todos os dias tanto com os recém-nascidos quanto com as famílias. No entanto, poucos responderam conhecer as competências e atribuições que devem ter em relação ao cuidado do recém-nascido e o nível de resolutividade que faz parte do cuidado humanizado.


Palavras-chave


Humanização da assistência, Unidades de terapia intensiva neonatal, Cuidados de enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Programa Humanização do

Parto: humanização no pré-natal e nascimento. Brasília,

DF: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do

nascimento. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Sá Neto JA, Rodrigues BMRD. Tecnologia como fundamento

do cuidar em Neonatologia. Texto Contexto Enferm.

;19(2):372-77.

Caetano JA, Soares E, Andrade LM, Ponte RM. Cuidado

humanizado em terapia intensiva: um estudo reflexivo. Esc

Anna Nery R Enferm. 2007;11(2):325-30.

Martins CF, Fialho FA, Dias IV, Amaral JAM, Freitas SC.

Unidade de terapia intensiva neonatal: o papel da enfermagem

na construção de um ambiente terapêutico. R Enferm

Cent O Min. 2011;1(2):268-76.

Cruvinel FG, Pauletti CM. Formas de atendimento humanizado

ao recém-nascido pré-termo ou de baixo peso

na unidade de terapia intensiva neonatal: uma revisão. Cad

Pós-Grad Distúrb Desenvolv. 2009;9(1):102-25.

Centa ML, Moreira EC, Pinto MNGHR. A experiência

vivida pelas famílias de crianças hospitalizadas em uma unidade

de terapia intensiva neonatal. Texto Contexto Enferm.

;13(3):444-51.

Rocha DKL, Ferreira HC. Estado da arte sobre o cuidar

em neonatologia: compromisso da enfermagem com a

humanização na unidade de terapia intensiva neonatal.

Enferm Foco (Brasília). 2013;4(1):24-8.

Reichert APS, Lins RNP, Collet N. Humanização do cuidado

da UTI neonatal. Rev Eletr Enf [Internet]. 2007 [citado

em 2014 jun 17];9(1):200-13. Disponível em: https://goo.

gl/6Rndbe

Vancini A, Luz IP, Fonseca IAC, Barros MMA. Higienização

das mãos na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev

Intertexto. 2014;1:1-14.

Weich TM, Ourique AC, Tochetto TM, Franceschi CM.

Eficácia de um programa para redução de ruído em unidade

de terapia intensiva neonatal. Rev Bras Ter Intensiva. 2011;

(3):327-34.

Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do

Adolescente. Resolução Conanda nº 41, de 13 de outubro

de 1995. Aprova em sua íntegra o texto oriundo da

Sociedade Brasileira de Pediatria, relativo aos Direitos da

Criança e do Adolescente Hospitalizados. Diário Oficial da

União. Brasília, DF; 17 out 1995. Seção 1, p. 16319-20.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 930, de 10 de

maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização

da atenção integral e humanizada ao recém-nascido

grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação

e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do

Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União.

Brasília, DF; 11 maio 2012. Seção 1, p. 138-40.

Santos LM, Ribeiro IS, Santana RCB. Identificação e tratamento

da dor no recém-nascido prematuro na Unidade de

Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. 2012;65(2):269-75.

Brasil. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política

Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política

Nacional de Humanização. Brasília, DF: Ministério da

Saúde; 2004.

Baptista SS, Alves VH, Souza RMP, Rodrigues DP, Cruz

AFN, Branco MBLR. Manejo clínico da amamentação:

atuação do enfermeiro na unidade de terapia intensiva neonatal.

Rev Enferm UFSM. 2015;5(1):23-31.

Oliveira B, Riegel F, Siqueira DS, Predebon CM.

Humanização da assistência de enfermagem em unidade

de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFPI.

;3(2):98-102.

Rocha MCP, Carvalho MSM, Fossa AM, Rossato LM.

Assistência humanizada na terapia intensiva neonatal: ações

e limitações do enfermeiro. Saúde Rev. 2015;15(40):67-84.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n52.4434