SINTOMAS ENVOLVIDOS, CONSUMO ALIMENTAR E ESTADO NUTRICIONAL DE UNIVERSITÁRIAS DURANTE O PERÍODO MENSTRUAL

Andressa Cristina Geleski, Simone Carla Benincá, Daniele Gonçalves Vieira, Samarah Perszel de Freitas, Caryna Eurich Mazur

Resumo


Objetivo: Relacionar os sintomas presentes no período pré-menstrual com o estado nutricional e alimentarem universitárias de Guarapuava, Paraná. Métodos: Trata-se de estudo transversal, foram avaliadas 141mulheres entre 20 e 42 anos. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário contendo informaçõessociodemográficas, sintomas relacionados à síndrome pré-menstrual (frequência dos sintomas, período deduração e intensidade, sintomas que têm maior impacto no dia a dia da mulher), dados antropométricose de consumo alimentar. Os resultados foram expressos por estatística descritiva e testes. Resultados: Amédia de idade foi 23,74±4,76 anos, 65,2% (n=92) das participantes foram classificadas em eutrofia,e a maioria relatou apresentar alterações comportamentais durante o período pré-menstrual, sendoque cerca de 47% (n=67) relataram estar insatisfeitas com a imagem corporal, 89,3% (n=126) tinhaminsônia, 84,3% (n=119) apresentavam irritabilidade e 83,6% (n=118), instabilidade emocional. Emrelação ao comportamento alimentar, 62,4% (n=88) das participantes apresentaram aumento de apetite.Os alimentos consumidos diariamente no período menstrual foram cereais (92,2%), balas (41,1%) echocolate (35,5%). Conclusão: Diante dos sintomas pré-menstruais relatados pelas universitárias, épossível concluir que ocorrem alterações no seu consumo alimentar. Não houve mudanças no estadonutricional dessas universitárias, pois nem sempre as alterações no período pré-menstrual influenciam nasmodificações da composição corporal. Dessa forma, é necessário que os profissionais da área de nutriçãoestejam sempre atentos a essas alterações de consumo alimentar, visando orientá-las para que sigam umadieta saudável para garantir o estado nutricional adequado e a qualidade de vida das universitárias.


Referências


Approbato MS, Silva CDA, Perini GF, Miranda TG, Fonseca TD, Freitas VC. Síndrome pré-menstrual e desempenho escolar. Rev Bras Ginecol Obstet. 2001;23(7):459-62.

Montes RM, Vaz CE. Condições afetivo-emocionais em mulheres com síndrome pré-menstrual através do z-teste e do IDATE. Rev Pis: Teor e Pesq. 2003;19(3):261-7.

Valadares GC, Ferreira LV, Correa FH, Romano SMA. Transtorno disfórico pré-menstrual - revisão – conceito, história, epidemiologia e etiologia. Rev Psiquiatr Clín. 2006;33(3):117-23.

Maia Ms, Aguiar MIF, Chaves ES, Rolim ILTP. Qualidade de vida de mulheres com tensão pré-menstrual a partir da escala WHOQOL-BREF. Rev Cienc Cuid Saúde.2014;13(2);236-44.

Carvalho VCP, Cantilino A, Carreiro NMP, Sá LF, Sougey EB. Repercussões do transtorno disfório pré-menstrual entre universitárias. Rev Psiquiatr. 2009;31(2)105-11.

Sampaio HAC. Aspectos nutricionais relacionados ao ciclo menstrual. Rev Nutr. 2002;15(3):309-17.

Teixeira ALS, Oliveira ECM, Dias MRC. Relação entre o nível de atividade física e a incidência da síndrome pré-menstrual. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013;35(5):210-4.

Silva CML, Gigante DP, Carret MLV, Fassa ACG. Estudo populacional de síndrome pré-menstrual. Rev Saúde Pública.2006;40(1):47-56.

Azevedo MRD, Saito MI, Berenstein E, Viedas D. Síndrome pré-menstrual em adolescentes: um estudo transversal dos fatores biopsicossociais. Rev Arq Med ABC. 2006;31(1):12-7.

Paiva SPC, Paula LB, Nascimento LLO. Tensão pré-menstrual (TPM): uma revisão baseada em evidências científicas. Rev Fem. 2010;38(6):311-5.

Costa YR, Fagundes RLM, Cardoso RB. Ciclo menstrual e consumo de alimentos. Rev Bras Nutr Clin. 2007;22(3):203-9.

Rodrigues IC, Oliveira E. Prevalência e convivência de mulheres com síndrome pré-menstrual. Rev Arq Ciênc Saúde. 2006;13(3):XX-XX.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic; Report of a WHO consultation. World Health Organization Technical Report Series, 894:1-253, 2000.

Oliveira DR, Bicalho AH, Davis LG, Davis PS, Brito DAA, Santos LC. Síndrome pré-menstrual e aspectos relacionados à antropometria e ao comportamento alimentar. Rev O Mundo da Saúde. 2013;37(3):280-7.

Glaner, M. F. Composição corporal em diferentes períodos do ciclo menstrual e validade das técnicas antropométricas e de impedância. Rev, Paul Educ Fís. 2001;15(01):5-16.

Reed SC, Levin FR, Evans SM, Changes in mood, cognitive performance and follicular phases of the menstrual cycle in women wigh and without PMDD (premenstrual dysphoric disorder). Hormon Behav. 2008;54:185-93.

Santos AS, Soares C, Dias ACH, Penna N, Castro AOS, Azeredo VB. Estado nutricional e consumo alimentar de mulheres jovens na fase lútea e folicular do ciclo menstrual. Rev Nutr. 2011;24(2):323-31

Silva SMCS, Mura JDAP. Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. 2ed. São Paulo: Roca; 2010.

López LM. Aspectos nutricionais e metabólicos na tensão pré-menstrual [tese]. Rio Grande do Sul (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013.

Zanini RV, Muniz LC, Schneider BC, Tassitano RM, Feitosa WMN, Chica DAG. Consumo diário de refrigerantes, doces e frituras em adolescentes no Nordeste brasileiro. Rev Ciência & Saúde Coletiva. 2013;18(12):3739-3750.

Maramatsu CH, Vieira OCS, Simões CC, Katayama DA, Nakagava FH. Consequências da síndrome da tensão pré-menstrual na vida mulher. Rev Esc Enferm. 2001;35(1):205-13.

Chemim SM, Silva S, Fernanda B, Silva C, Farina BV, Spinoza ED et al., A influência da tensão pré-menstrual sobre os sintomas emocionais e o consumo alimentar. Rev Soc Bras Alim Nutr. 2012;37(1):13-21.

Tribess S, Junior JSV, Petroski EL. Estado nutricional e percepção da imagem corporal de mulheres idosas residentes no nordeste do Brasil. Rev Ciências & Saúde Coletiva. 2012;15(1):31-38.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .