ANÁLISE DO DESEMPENHO MOTOR E DO EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS ATIVOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES TIPO 2

Camila Monteiro Agostini, Vinícius Santos Rodrigues, Andrea Carmen Guimarães, Laila Cristina Moreira Damázio, Nathália Nascimento Vasconcelos

Resumo


Introdução: O Brasil está em processo de envelhecimento populacional. Os idosos apresentam alterações neuromusculares e prevalência de doenças crônicas. A prática de exercícios físicos pode minimizar alterações e patologias associadas ao envelhecimento. Objetivo: Avaliar o equilíbrio corporal e o desempenho motor de idosos hipertensos e com diabetes tipo 2. Métodos: Estudo transversal realizado com 54 pacientes (48 mulheres e 6 homens), sendo 51 hipertensos, 16 diabéticos e 13 hipertensos e diabéticos. Utilizou-se a Escala de Berg para avaliação do equilíbrio corporal, e o teste manual de força muscular (TMF) para avaliação da força muscular. Para avaliar amplitude de movimento articular (ADM), utilizou-se o goniômetro manual. Os testes de Thomas, de isquiotibiais e de reto femoral foram utilizados para avaliação de encurtamentos musculares, e o protocolo de Cerny, para avaliação da velocidade e cadência da marcha. Resultados: O equilíbrio dos pacientes diabéticos, em média, foi de 49,31+10,85 pontos, e o dos pacientes hipertensos, 53,13+6,21 pontos. Os valores da cadência da marcha demonstraram diferença significativa entre os grupos, sendo 119,44 passos/minuto para pacientes hipertensos e 108,5 passos/ minuto para diabéticos. As diferenças de tempo e velocidade da marcha não foram significativas. Os dados da força muscular demonstraram valores acima de 3 pontos no TMF. Conclusões: Pacientes diabéticos apresentaram pior desempenho na marcha e equilíbrio corporal, numa comparação com hipertensos. Um programa de atividade física é estratégia eficaz para aumento da força muscular e para melhora do equilíbrio corporal e de parâmetros da marcha.


Palavras-chave


Idoso; equilíbrio postural; hipertensão arterial; diabetes mellitus; condicionamento físico humano

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: Rio de Janeiro; 2013 [citado em 2016 jun 10]. Disponível em: .

Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros Neto TL, Araújo TL. Evolução do perfil neuromotor e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de acordo com a idade cronológica. Rev Bras Med Esporte. 2003 [citado em 2016 maio 24];9(6):365-76. Disponível em: .

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro, 2013 [citado em 2016 jun 10]. Disponível em: .

World Health Organization. United Nations high-level meeting on noncommunicable disease prevention and control. New York, 2011 [citado em 2015 set 6]. Disponível em: .

Diniz AB, Guerra ERFM, Soares RM, Mariz JVB, Cattuzzo MT. Avaliação da cognição, atividade física e aptidão física de idosos: uma revisão crítica. Estud Psicol. 2013 [citado em 2016 jun 12];18(2):315-24. Disponível em: .

Matsudo SMM. Envelhecimento & atividade física. Londrina: Midiograf; 2001. 195p.

Pitanga FJG, Almeida LAB, Freitas MM, Pitanga CPS, Beck CC. Padrões de atividade física em diferentes domínios e ausência de diabetes em adultos. Motricidade. 2010 [citado em 2016 abr 12];6(1):5-17. Disponível em: .

Coelho CF, Burini RC. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Rev Nutr. 2009 [citado em 2016 jul 13];22(6):937-46. Disponível em: .

Pedro EM, Bernardes-Amorim D. Análise comparativa da massa e força muscular e do equilíbrio entre indivíduos idosos praticantes e não praticantes de musculação. Conexões. 2008 [citado em 2016 jun 19];6:174-83. Disponível em: .

Böhme MTS. Relações entre aptidão física, esporte e treinamento esportivo. Rev Bras Ci e Mov. 2003 [citado em 2016 set 17];11(3):97-104. Disponível em: .

Franchi KMB, Montenegro Junior RM. Atividade física: uma necessidade para a boa saúde na terceira idade. Rev Bras Promoç Saúde. 2005 [citado em 2016 ago 16];18(3):152-6. Disponível em: .

Mcardle WD, Katch FI, Katch VL. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

Cordeiro J, Del Castillo BL, Freitas CS, Gonçalves MP. Efeitos da atividade física na memória declarativa, capacidade funcional e qualidade de vida em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014 [citado em 2016 jul 12];17(3):541-52. Disponível em: .

Jenovesi JF, Bracco MM, Colugnati FAB, Taddei JAAC. Evolução no nível de atividade física de escolares observados pelo período de 1 ano. Rev Bras Ci e Mov. 2004 [citado em 2016 maio 13];12(1):19-24. Disponível em: .

Venturini C, Ituassú NT, Teixeira LM, Deus CVO. Confiabilidade intra e interexaminadores de dois métodos de medida da amplitude ativa de dorsiflexão do tornozelo em indivíduos saudáveis. Rev Bras Fisioter. 2006 [citado em 2016 jun 13];10(4):407-11. Disponível em: .

Junqueira RT, Ribeiro AMB, Scianni AA. Efeitos do fortalecimento muscular e sua relação com a atividade funcional e a espasticidade em indivíduos hemiparéticos. Rev Bras Fisioter. 2004;8(3):247-52. 17. Ferrantin AC, Borges CF, Morelli JGS, Rebelatto JR. A execução de AVDS e mobilidade funcional em idosos institucionalizados e não-institucionalizados. Fisioter Mov. 2007 [citado em 2016 set 22];20(3):115-21. Disponível em: .

Hoppenfeld S. Propedêutica ortopédica: coluna e extremidades. São Paulo: Atheneu; 1987.

Cerny K. A clinical method of quantitative gait analysis: suggestion from the field. Phys Ther. 1983 [citado em 2015 ago 15];63(7):1125-26. Disponível em: .

Silva NA, Menezes TN, Melo RLP, Pedraza DF. Força de preensão manual e flexibilidade e suas relações com variáveis antropométricas em idosos. Rev Assoc Med Bras 2013 [citado em 2016 jul 13];59(2):128-35. Disponível em: .

Jarek C, Oliveira MH, Nantes WR, Ulbricht L, Mascarenhas LPG. Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação. Rev Bras Cienc Envelhecimento Hum. 2010 [citado em 2016 maio 24];7(2):173-80. Disponível em: .

Roberts SB, Young VR, Fuss P, Heyman MB, Fiatarone M, Dallal GE, et al. What are the dietary energy needs of elderly adults? Int. J. Obes Relat Metab Disord. 1992 [citado em 2016 mar 18];16(12):969-74. Disponível em: .

Martinelli AR, Mantovani AM, Nozabieli AJL, Ferreira DMA, Fregonesi CEPT. Alterações dos parâmetros da marcha e déficit sensório-motor associado à neuropatia diabética periférica. Acta Fisiatr. 2014 [citado em 2016 mar 29];21(1):36-40. Disponível em: .

Shepard R.J. Aging and exercise. In: Encyclopedia of Sports Medicine and Science. [S.l.]: Internet Society for Sport Science, 1998 [citado em 2016 maio 24]. Disponível em: .

Pickles B, Compton A, Cott C, Simpson J, Vandervoort A. Fisioterapia na terceira idade. São Paulo: Santos; 2002.

Sales KLS, Souza LA, Cardoso VS. Equilíbrio estático de indivíduos com neuropatia periférica diabética. Fisioter. Pesqui. 2012 [citado em 2015 maio 15];19(2):122-7. Disponível em: .

Novaes RD, Miranda AS, Dourado VZ. Velocidade usual da marcha em brasileiros de meia idade e idosos. Rev Bras Fisioter. 2011 [citado em 2016 jul 12];15(2):117-22. Disponível em: .

Fregonesi CEPT, Camargo MR. Parâmetros da marcha em portadores de diabetes mellitus. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010 [citado em 2016 maio 15];12(2):155-63. Disponível em: .




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n55.4690