QUALIDADE DE VIDA DE MÉDICOS INTENSIVISTAS: UM ESTUDO TRANSVERSAL

Kelly Jéssica Trindade Costa, Denison Santos Silva, Alline Oliveira da Silva Porto, Fernanda Gomes de Magalhães Soares Pinheiro, Gustavo Melo Rios Souza, Natália Sampaio Carvalho Bonfim, Eduardo Enrico Ferrari Nogueira, Damião da Conceição Araújo

Resumo


Introdução: O ambiente da unidade de terapia intensiva desencadeia estresse nos profissionais médicos, afetando a qualidade de vida desses profissionais. Objetivo: Verificar a qualidade de vida dos médicos que trabalham em unidades de terapia intensiva no município de Aracaju, Sergipe. Métodos: Estudo observacional do tipo transversal, realizado em doze unidades de terapia intensiva do município de Aracaju, Sergipe, com uma amostra de 131 médicos. Foi aplicado um questionário para caracterização do perfil sociodemográfico e o World Health Organization’s quality of life-bref (WHOQOL-bref). Os dados foram armazenados e analisados com o auxílio do programa Statistical Package for Social Science versão 21.0. Resultados: A qualidade de vida (QV) dos médicos foi considerada ruim (68,9%). As alterações nos domínios físicos, psicológicos, das relações sociais e do meio ambiente do WHOQOL-bref demonstraram influência distinta na QV dos médicos. Outras variáveis como tempo de formação, carga horária de trabalho e faixa etária também se associaram com o desfecho. Conclusão: Os médicos que trabalham nas unidades de terapia intensiva do munícipio de Aracaju possuem qualidade de vida ruim. Este estudo suscita a necessidade de que mais pesquisas sejam realizadas com essa temática.


Referências


Lacerda JC, Barbosa AP, Cunha AJLA. Perfil profissional do intensivista pediátrico no estado do Rio de Janeiro, sudeste do Brasil. Rev bras ter intensiva. 2011;23(4):462-9.

Kirchhof ALC, Magnago TSBS, Camponogara S, Griep RH, Tavares JP, Prestes FC, et al. Condições de trabalho e características sócio-demográficas relacionadas à presença de distúrbios psíquicos menores em trabalhadores de enfermagem. Texto & contexto enferm. 2009;18(2):215-23.

Acioli Neto ACF, Araújo RC, Pitangui ACR, Menezes LC, França EET, Costa EC, et al. Qualidade de vida e nível de atividade física de profissionais de saúde de unidades de terapia intensiva. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(6):711-9.

Baasch D, Laner AS. Os significados do trabalho em unidades de terapia intensiva de dois hospitais brasileiros. Ciênc saúde coletiva. 2011;16(Supl 1):1097-1105.

World Health Organization. Global status report on road safety 2013: supporting a decade of action. Luxembourg: WHO; 2013.

Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Medicina intensiva: contribuições formuladas pela AMIB e submetidas à apreciação do Fórum Permanente Mercosul para o Trabalho em Saúde. [Internet]. São Paulo: AMIB; 2007 [citado em 2017 nov 1]. Disponível em: https://goo.gl/Cm6EM2

Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciênc saúde coletiva. 2000;5(1):33-8.

Sintaxe SPSS. WHOQOL-bref Questionnaire. [citado em 2017 mar 12]. Disponível em: https://goo.gl/83LYp6

Barros DS, Tironi MOS, Nascimento CL, Neves FS, Bitencourt AGV, Almeida AM, et al. Intensive care unit physicians: socio-demographic profile, working conditions and factors associated with burnout syndrome. Rev bras ter intensiva. 2008;20(3):235-40.

Bezerra GKA. Unidade de terapia intensiva – perfil das admissões: Hospital Regional de Guarabira, Paraíba, Brasil. Rev Bras Ciên Saúde. 2012;16(4):491-6.

Barros MMS, Almeida SP, Barreto ALP, Faro SRS, Araújo MRM, Faro A. Síndrome de Burnout em médicos intensivistas: estudo em UTIs de Sergipe. Temas psicol. 2016;24(1):377-89.

Lourenção LG, Moscardini AC, Soler ZASG. Health and quality of life of medical residents. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(1):81-91.

Lourenção LG, Moscardini AC, Soler ZASG. Qualidade de vida de residentes não médicos. Rev enferm UFPE on line. 2013;7(11):6336-45.

Torres AR, Ruiz T, Müller SS, Lima MCP. Quality of life, physical and mental health of physicians: a self-evaluation by graduates from the Botucatu Medical School – UNESP. Rev bras epidemiol. 2011;14(2):264-75.

Barbosa FT, Eloi RJ, Santos LM, Leão BA, Lima FJC, Sousa-Rodrigues CF. Correlation between weekly working time and burnout syndrome among anesthesiologists of Maceió-AL. Rev Bras Anestesiol. 2017;67(2):115-21.

Monteiro JK, Oliveira ALL, Ribeiro CS, Grisa GH, Agostini N. Adoecimento psíquico de trabalhadores de unidades de terapia intensiva. Psicol Ciênc Prof. 2013;33(2):366-79.

Fogaça MC, Carvalho WB, Nogueira-Martins LA. Preliminary study about qualify of life of physicians and nurses working in pediatric and neonatal intensive care units. Rev esc enferm USP. 2010;44(3):708-12.

Azevedo ALS, Silva RA, Tomasi E, Quevedo LA. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29(9):1774-82.

Zortéa K. Quality of life in chronic diseases. Arq Bras Cardiol. 2010;94(5):703.

Freire MN, Costa ER. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem no ambiente de trabalho. Rev Enferm Contemp. 2016;5(1):151-8.

Maciel MED, Oliveira FN. Qualidade de vida do profissional técnico de enfermagem: a realidade de um hospital filantrópico em Dourados-MS. Rev Psicol Saúde. 2014;6(1):83-9.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .