QUEDA EM IDOSOS E FATORES DE RISCO ASSOCIADOS

Luiz Humberto Rodrigues Souza, Jaíne Castro da Silva Brandão, Anne Karina Cardoso Fernandes, Berta Leni Costa Cardoso

Resumo


Introdução: O envelhecimento está associado com a redução da massa muscular e óssea e com a perda de equilíbrio, o que pode aumentar o risco de quedas entre os idosos. Objetivo: Avaliar a propensão de quedas em idosos, bem como alguns fatores de risco associados. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo exploratório-descritivo de corte transversal. A amostra foi constituída por 22 idosos (feminino = 16; masculino = 6), com idade igual ou superior a 60 anos, cadastrados em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no município de Guanambi-BA. Os dados sociodemográficos e antropométricos, aspectos da saúde física e o desempenho no teste Time Up & Go (TUG) foram registrados em uma anamnese. Utilizou-se a estatística descritiva com a distribuição de frequência absoluta e relativa para variáveis categóricas e a média com desvio padrão para as variáveis contínuas. Foi utilizado o teste do Qui-Quadrado (X2) para se observar as possíveis associações entre as variáveis independentes e a dependente. Resultados: Observou-se prevalência do sexo feminino (72,3%). O desempenho médio no teste TUG foi de 15,32 ± 4,39 s. O risco de quedas não apresentou associação com o sexo, a faixa etária e a prática de atividade física (p > 0,05). Conclusão: As generalizações deste estudo devem ser feitas cautelosamente, pois a análise inferencial foi realizada em uma amostra pequena. Por outro lado, deve-se ratificar que as causas das quedas também são multifatoriais.


Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(3):507-19.

Brito F. Transição demográfica e desigualdades sociais no Brasil. Rev Bras Estud Popul. 2008;25(1):5-26.

Brasil. Ministério dos Direitos Humanos. Secretaria de Direitos Humanos. Dados sobre o envelhecimento no Brasil. 2013 [citado em 2017 jul 10]. Disponível em: https://goo.gl/y4vvuE

Brady AO, Straight CR, Evans EM. Body composition, muscle capacity, and physical function in older adults: an integrated conceptual model. J Aging Phys Act. 2014;22(3):441-52.

Gonçalves LHT, Alvarez AM, Sena ELS, Santana LWS, Vicente FR. Perfil da família cuidadora de idoso doente e ou fragilizado no contexto sociocultural de Florianópolis. Texto Contexto Enferm. 2006;15(4):570-7.

Brito MCC, Freitas CASL, Mesquita KO, Lima GK. Envelhecimento populacional e os desafios para a saúde pública: análise da produção científica. Rev Kairos. 2013;16(2):161-78.

Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, et al. Prevalência de quedas em idosos e fatores associados. Rev Saude Publica. 2007;41(5):749-56.

Fabrício SCC, Rodrigues RAP, Costa Júnior ML. Causas e consequências de quedas de idosos atendidos em hospital público. Rev Saude Publica. 2004;38(1):93-9.

Menezes RL, Bachion MM. Estudo da presença de fatores de riscos intrínsecos para quedas, em idosos institucionalizados. Cien Saude Coletiva. 2008;13(4):1209-18.

Tromp AM, Pluijm SMF, Smit JH, Deeg DJH, Bouter LM, Lips P. Fall-risk screening test: a prospective study on predictors for falls in community-dwelling elderly. J Clin Epidemiol. 2001;54(8):837-44.

Kron M, Loy S, Sturm E, Nikolaus T, Becker C. Risk indicators for fall in institutionalized frail elderly. Am J Epidemiol. 2003;158(7):645-53.

Barnett A, Smith B, Lord SR, Williams M, Baumand A. Community-based group exercise improves balance and reduces falls in at-risk older people: a randomised controlled trial. Age Ageing. 2003;32(4):407-14.

Sherrington C, Whitney JC, Lord SR, Herbert RD, Cumming RG, Close JC. Effective exercise for the prevention of falls: a systematic review and meta-analysis. J Am Geriatr Soc. 2008;56(12):2234-43.

Chalmers J, MacMahon S, Mancia G, Whitworth J, Beilin L, Hansson L, et al. 1999 World Health Organization-International Society of Hypertension Guidelines for the management of hypertension. Clin Exp Hypertens. 1999;21(5-6):1009-60.

Podsiadlo D, Richardson S. The timed “Up & Go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J Am Geriatr Soc. 1991;39(2):142-8.

Mathias S, Nayak US, Isaacs B. Balance in elderly patients: the “get-up and go” test. Arch Phys Med Rehabil. 1986;67(6):387-9.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília, DF; 2013.

Feliciano AB, Moraes SA, Freitas ICM. O papel do idoso de baixa renda no município de São Carlos, São Paulo, Brasil: um estudo epidemiológico. Cad Saude Publica. 2004;20(6):1575-85.

World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO Expert Committee. Genebra: WHO; 1995.

Soares LDA, Campos FACS, Araújo MGR, Falcão APST, Lima BRDA, Siqueira DF, et al. Análise do desempenho motor associado ao estado nutricional de idosos cadastrados no Programa Saúde da Família, no município de Vitória de Santo Antão. Cienc Saude Coletiva. 2012;17(5):1297-304.

Pinho TAM, Silva AO, Tura LFR, Moreira MASP, Gurgel SN, Smith AAF, et al. Avaliação do risco de quedas em idosos atendidos em unidades básicas de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2):320-7.

Maciel ACC, Guerra RO. Fatores associados à alteração da mobilidade residentes na comunidade. Rev Bras Fisioter. 2005;9(1):17-23.

Guimaraes LHCT, Galdino DCA, Martins FLM, Vitorino DFM, Pereira KL, Carvalho EM. Comparação da propensão de quedas entre idosos que praticam atividade física e idosos sedentários. Rev Neurocienc. 2004;12(2):68-72.

Silva TO, Freitas RS, Monteiro MR, Borges SM. Avaliação da capacidade física e quedas em idosos ativos e sedentários da comunidade. Rev Bras Clin Med. 2010;8(5):392-8.

Rubenstein LZ. Falls in older people: epidemiology, risk factors and strategies for prevention. Age Ageing. 2006;35(Supl 2):ii37-ii41.

Mazo GZ, Liposcki DB, Ananda C, Prevê D. Condições de saúde, incidência de quedas e nível de atividade física dos idosos. Rev Bras Fisioter. 2007;11(6):437-42.

Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões. Londrina: Midiograf; 2010. 318 p.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .