ESTADO NUTRICIONAL, PRÁTICAS ALIMENTARES E CONHECIMENTOS EM NUTRIÇÃO DE ESCOLARES

Mayara Carvalho Costa, Artemizia Francisca de Sousa, Jarlan Ted do Nascimento Lima, Sabrina Delany Frota de Sousa, Francisco Valdicélio Ferreira, Aline Rocha de Azevedo Marques

Resumo


Introdução: O aumento no número de casos de obesidade infantil tem sido cada vez mais frequente em diversos países do mundo, inclusive no Brasil, o que está fortemente relacionado a mudanças no estilo de vida e hábitos alimentares inadequados. Objetivo: Avaliar o estado nutricional, as práticas alimentares e os conhecimentos em nutrição de escolares de 8 a 10 anos de uma escola de rede privada de ensino do município de Picos (PI). Metodologia: Estudo de corte transversal realizado com 49 escolares de 8 a 10 anos de uma escola privada do município de Picos. Foram coletadas medidas antropométricas para avaliação do estado nutricional usando como indicador o Índice de Massa Corporal para idade, classificado segundo a Organização Mundial da Saúde. Para caracterização das práticas alimentares e determinação dos conhecimentos em nutrição dos escolares, utilizaram-se formulários padronizados autoaplicáveis. Resultados: Entre os 49 escolares avaliados, 73,5% eram eutróficos, 59,2% apresentavam boas práticas alimentares e 57,1%, bons conhecimentos em nutrição. O estado nutricional associou-se significativamente às práticas alimentares, havendo uma maior ocorrência de alunos eutróficos com boas práticas alimentares. Os eutróficos, além de terem bons hábitos alimentares, tinham bons conhecimentos em nutrição. Conclusão: Os resultados apontam a necessidade de estratégias de intervenções que devem ir além de promover conhecimentos nutricionais, sendo importante buscar a adoção de uma alimentação e um estilo de vida saudáveis desde a infância, visando a promoção da saúde e a prevenção de doenças associadas ao excesso de peso.

Referências


Enes CC, Slater B. Obesidade na adolescencia e seus principais fatores determinantes. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(1):163-171.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus.PDF Acesso em: 10 jun 2017

Laus MF, Nascimento PCBD, Almeida SS, Braga Costa TM. Determinantes ambientais do comportamento alimentar. In: Diez-Garcia RW, Cervato-Mancuso AM (Coords.). Mudanças alimentares e educação nutricional. Série nutrição e metabolismo (Ed. Helio Vannucchi). Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Kogan, 2011:118-138.

Oliveira AS, Silva VAP, Alves JJ, Fagundes D, Pires ISC, Miranda LS. Mães e amamentação versus hábitos alimentares de pré-escolares. Alim Nutr. 2012;23(3):377-386.

Santos LSF, Silva SCM, Ramos EMLS. Perfil nutricional de crianças de uma escola em Belém, PA. Rev Aten. Saúde. 2017;15(51):69-74.

Yokota RTC. Projeto “a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. Rev Nutr. 2010;23(1):37-47.

Fernandes PS, Bernardo CO, Campos RMMB, Vasconcelos FAG. Avaliação do efeito da educação nutricional na prevalência de sobrepeso/obesidade e no consumo alimentar de escolares do ensino fundamental. J Ped. 2009;85(4):315-321.

Bertin RL, Malkowski J, Zutter LC, Ulbrich AZ. Estado nutricional, hábitos alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares, Rev Paul Pediatr. 2010;28(3):303-308.

Triches RM, Giugliani ER. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev Saúde Publica. 2005;39(4):541-547.

Brasil. Ministério da Saúde. Incorporação das curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/curvas_oms_2006_2007.pdf Acesso em: 10 jun. 2017

Tôrres SC, Costa C, Faltin JRK. Estudo da posição natural da cabeça em relação ao plano horizontal de Frankfurt na avaliação mandibular de indivíduos com padrão facial de Classe I e Classe II. R Dental Press Ortodon Ortop Facial. 2006;11(1):84-98.

World Health Organization. WHO. Physical Status: The Use and Interpretation of Anthropometry. Technical Report Series 854. Geneva, 1995. Disponivel em: http://www.who.int/childgrowth/publications/physical_status/en/ Acesso em: 10 jun 2017.

Oliveira JS, Lira PIC, Veras ICL, Maia SR, Lemos MCC, Andrade SLLS, et al. Estado nutricional e insegurança alimentar de adolescentes e adultos em duas localidades de abaixo índice de desenvolvimento humano. Rev Nutr. 2009;22(4):453-465.

Gilglioni EH, Ferreira TV, Bennemman RM. Estado nutricional dos alunos das escolas de ensino municipal de Maringá, Estado do Paraná, Brasil. Acta Scientiarum. Health Sciences. 2011;33(1):83-88.

Tavares BM, Veiga GV, Yuyama LK, Bueno MB, Fisberg RM, Fisberg M. Estado nutricional e consumo de energia e nutrientes de pré-escolares que frequentam creches no município de Manaus, Amazonas: existem diferenças entre creches públicas e privadas? Rev Paul Pediatr. 2012;30(1):42-50.

Zanirati VF, Lopes ACS, Santos LC. Contribuição do turno escolar estendido para o perfil alimentar e de atividade física entre escolares. Rev Panam Salud Publica. 2014;35(1):38-45.

Marques MS, Silva JR, Lima CAG, Maia EMGC. Prevalência de sobrepeso e obesidade entre crianças de 7 a 10 anos atendidas em unidade de Estratégia Saúde da Família – ESF. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(37):1-9.

Menezes RCE, Lira PIC, Oliveira JS, Leal VS, Santana SCS, Andrade SLLS, et al. Prevalência e determinantes do excesso de peso em pré-escolares. J Ped. 2011;87(3):231-237.

Pedraza DF. Saúde e nutrição das crianças assistidas em creches públicas do munícipio de Campina Grande, Paraíba. Cad Saúde Colet. 2016;24(2):200-208.

Ramires EKNM, Menezes RCE, Oliveira JS, Oliveira MAA, Temoteo TL, Silva GL, et al. Estado nutricional de crianças e adolescentes de um município do seminário do Nordeste Brasileiro. Rev Paul Pediatr. 2014;32(3):200-207.

Silva JB, Silva FG, Medeiros HJ, Roncalli AG, Knackfuss MI. Estado nutricional de escolares do semi-árido do Nordeste Brasileiro. Revista de Salud Pública. 2009;11(1).62-71.

Polla SF, Scherer F. Perfil alimentar e nutricional de escolares da rede municipal de ensino de um município do interior do Rio Grande do Sul. Cad Saúde Colet. 2016;19(1):111-116.

Kneipp C, Habitzreuter F, Mezadri T, Hofelmann DA. Excesso de peso e variáveis associadas em escolares de Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Ciências & Saúde Coletiva. 2015;20(8):2411-2422.

Venâncio PEM, Teixeira CGO, Silva FM. Excesso de peso, nível de atividade física e hábitos alimentares em escolares da cidade de Anápolis-GO. Rev Bras Ciênc Esporte. 2013;35(2):441-453.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .