A HORTA ESCOLAR NUM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA

Kelly Cristiane Michalichen, Cláudia Brauna, Rosângela Aparecida Ribas Fernandes, Mariana Abe Vicente Cavagnari

Resumo


Introdução: As hortas escolares fazem parte das estratégias para melhorar a qualidade alimentar e nutricional dos escolares. Materiais e métodos: Foram realizadas atividades de educação alimentar e nutricional (EAN) no contexto de consumo e cultivo de hortaliças. Durante as ações de EAN, foram aplicados dois questionários para avaliar o consumo de hortaliças, sendo um pregresso à ação e outro posterior à atividade para verificar o conhecimento adquirido segundo os conteúdos expostos. Resultados: Participaram do estudo 30 alunos, com média de 7,4 anos de idade, sendo 14 (46,6%) do gênero feminino e 16 (53,3%) do gênero masculino. Com relação às hortaliças mais consumidas, destacaram-se a alface, o repolho, o tomate e o brócolis. Quanto à frequência de consumo, verificou-se que 46,6% dos alunos consomem diariamente alguma hortaliça. Não foram identificadas associações entre frequência do consumo de hortaliças e estado nutricional. Conclusões: As crianças apresentaram bom conhecimento sobre EAN no contexto do consumo de hortaliças, porém apresentaram baixo consumo delas. Assim, sugere-se mais estratégias nutricionais a fim de incentivar e acompanhar o consumo de hortaliças, visto que a escola pode auxiliar na otimização do consumo desse importante grupo de alimentos para o desenvolvimento de escolares.


Referências


Cruz CS, Silva CH. Obesidade infantil: análise sobre a produção científica brasileira no Scielo. Anais do 16º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação; 2015, João Pessoa, Brasil. João Pessoa: UFPB; 2015.

Institute of Medicine. School meals: building blocks for healthy children. Washington, DC: National Academies; 2010.

Bere E, Klepp KI. Correlates of fruit and vegetable intake among Norwegian schoolchildren: parental and self-reports. Public Health Nutr. 2004;7(8):991-8.

Baranowski T, Cullen KW, Baranowski J. Psychosocial correlates of dietary intake: advancing dietary intervention. Annu Rev Nutr. 1999;19(1):17-40.

Pearson N, Biddle SJ, Gorely T. Family correlates of fruit and vegetable consumption in children and adolescents: a systematic review. Public Health Nutr. 2009;12(2):267-83.

World Health Organization. WHO fruit and vegetable promotion initiative: report of the meeting, Geneva, 25-27 August 2003. Geneva: WHO; 2003.

Hill J, Peters J, 1998. Environmental contributions to the obesity epidemic. Science. 1998;280(5368):1371-4.

Wells NM, Ashdown S, Davies E, Cowett F, Yang Y. Environment, design and obesity. Environ Behav. 2007;39(1):6-33.

Krølner R, Rasmussen M, Brug J, Klepp, KI, Wind M, Due P. Determinants of fruit and vegetable consumption among children and adolescents: a review of the literature. Part II: qualitative studies. Int J Behav Nutr Phys Act. 2011;8:1-38.

Lynch C, Kristjansdottir AG, Te Velde SJ, Lien N, Roos E, Thorsdottir I, et al. Fruit and vegetable consumption in a sample of 11-year-old children in ten European countries: the Pro Greens cross-sectional survey. Public Health Nutr. 2014;17(11):2436-44.

Blissett J, Fogel A. Intrinsic and extrinsic influences on children’s acceptance of new foods. Physiol Behav. 2013;121:89-95.

Cooke L, Carnell S, Wardle J. Food neophobia and mealtime food consumption in 4-5 year old children. Int J Behav Nutr Phys Act. 2006;3:1-6.

Reed DR, Tanaka T, McDaniel AH. Diverse tastes: genetics of sweet and bitter perception. Physiol Behav. 2006;88(3):215-26.

Hutchinson J, Christian MS, Evans CEL, Nykjaer C, Hancock N, Cade JE. Evaluation of the impact of school gardening interventions on children’s knowledge of and attitudes towards fruit and vegetables: a cluster randomised controlled trial. Appetite. 2015;91:405-14.

Bertin RL, Malkowski J, Zutter LCI, Ulbrich AZ. Estado nutricional, hábitos alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev Paul Pediatr. 2010;28(3):303-8.

Eckert RG, Silva JMP, Rodrigues VC. Avaliação antropométrica e dietética de professores, funcionários e colaboradores de uma escola privada de Cascavel, Paraná. Anais do 1º Seminário Internacional de Ciência, Tecnologia e Ambiente; 2009, Cascavel, Brasil. Cascavel: Unioeste; 2009.

World Health Organization. Growth reference 5-19 years [Internet]. 2007 [citado em 2017 maio 13]. Disponível em: .

Costa MCD, Cordoni Júnior LC, Matsuo T. Hábito alimentar de escolares adolescentes de um município do oeste do Paraná. Rev Nutr. 2007;20(5):461-71.

Naves MLA. O impacto da educação alimentar e nutricional no reconhecimento e consume de frutas e hortaliças entre alunos de uma escola pública do Distrito Federal [monografia]. Brasília, DF: Universidade de Brasília; 2014.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .