INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES DA CORRENTE SANGUÍNEA EM PACIENTES NEFROPATAS

Patrícia Alves Paiva, Bruno Pereira de Paula, Maria de Fátima Fernandes Santos, Beatriz Rezende Marinho da Silveira

Resumo


Objetivo: Identificar a incidência de infecções da corrente sanguínea em pacientes portadores de insuficiência renal crônica em tratamento hemodialítico e traçar o perfil dos agentes etiológicos encontrados com maior frequência nas hemoculturas realizadas para diagnóstico quanto à sensibilidade ao antimicrobiano. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, documental, descritivo, exploratório e do tipo transversal, desenvolvido em um serviço de referência em nefrologia no município de Montes Claros, Minas Gerais. As informações foram coletadas entre agosto e dezembro de 2013, por meio de documentos institucionais, tais como livros de ocorrências, prontuários de pacientes e resultados de exames microbiológicos de hemoculturas. Para avaliar o perfil de sensibilidade das bactérias isoladas nas hemoculturas, utilizou-se o protocolo do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do hospital em estudo. Resultados: Durante o período foram incluídos na pesquisa 100 pacientes que realizaram hemocultura, sendo que 60% eram do sexo masculino e 40% do sexo feminino. Do total, 54,5% dos pacientes tinham idade superior a 60 anos. Foram analisadas 152 hemoculturas, das quais 74 deram positivas (58,9%). A bactéria mais predominante nas infecções da corrente sanguínea foi o Staphylococcus aureus (57,6%). Conclusão: Pode-se concluir que a incidência de infecção por bactérias multirresistentes é alta e tem como destaque o Staphylococcus aureus. O isolamento destas bactérias multirresistentes é preocupante, haja vista as limitações de opções terapêuticas e o aumento da letalidade.


Palavras-chave


Infecção hospitalar; insuficiência renal crônica; diálise renal

Texto completo:

PDF

Referências


Jha V, Garcia-Garcia G, Iseki K, Li Z, Naicker S, Plattner B, et al. Chronic kidney disease: global dimension and perspectives. Lancet. 2013;382(9888):260-72.

Santos BP, Oliveira VA, Soares MC, Schwartz E. Doença renal e relação com a hemodiálise. ABCS Health Sci. 2017;42(1):8-14.

Sociedade Brasileira de Nefrologia. Hemodiálise [Internet]. 2017 [citado em 2017 set 17]. Disponível em: https://goo.gl/EpUYxa

Menezes FG, Barreto DV, Abreu RM, Roveda F, Pecoits Filho RFS. Panorama do tratamento hemodialítico financiado pelo Sistema Único de Saúde: uma perspectiva econômica. J Bras Nefrol. 2015; 37(3):367-78.

Ribeiro LC, Arreguy-Sena C, Souza LC, Oliveira DV. Significados atribuídos à fístula arteriovenosa pela pessoa em hemodiálise. HU Rev. 2013;39(1-2):45-52.

Danski MTR, Pontes L, Schwanke AA, Lind J. Infecção da corrente sanguínea relacionada a cateter venoso central para hemodiálise: revisão integrativa. Rev Baiana Enferm. 2017; 31(1):1-10.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Critérios diagnósticos de infecção relacionada à assistência à saúde [Internet]. 2ª ed. Brasília, DF; 2017 [citado em 2017 set 17]. Disponível em: https://goo.gl/cD4aQs

Fram DS, Taminato M, Ferreira D, Neves L, Belasco AG, Barbosa DA. Prevention of catheter-related bloodstream infections in patients on hemodialysis. Acta Paul Enferm. 2009; 22(Spec 1):564-8.

Rosado V, Romanelli RMC, Camargos PAM. Risk factors and preventive measures for catheter-related bloodstream infections. J Pediatr (Rio J). 2011;87(6):469-77.

Rossi F, Andreazzi DB. Resistência bacteriana: interpretando o antibiograma. São Paulo: Atheneu; 2005.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Corrente sanguínea: critérios nacionais de infecções relacionados à assistência à saúde [Internet]. [S.l.]; 2009 [citado em 2017 set 17]. Disponível em: https://goo.gl/t8GHvY

Grothe C, Belasco AGS, Bittencourt ARC, Vianna LA, Sesso RCC, Barbosa DA. Incidence of bloodstream infection among patients on hemodialysis by central venous catheter. Rev Lat Am Enfermagem. 2010;18(1):73-80.

Solano LC, Bezerra MAC, Medeiros RS, Carlos EF, Carvalho FP, Miranda FAN. O acesso do homem ao serviço de saúde na atenção primária. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2017;9(2):302-8.

Izaias EM, Dellaroza MSG, Rossaneis MA, Belei RA. Custo e caracterização de infecção hospitalar em idosos. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3395-402.

Sesso RCC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Watanabe Y, Santos DR. Diálise crônica no Brasil: relatório do Censo Brasileiro de Diálise, 2011. J Bras Nefrol. 2012;34(3):272-7.

Henrique DM, Tadeu CN, Alves FH, Trindade LPC, Fernandes MSR, Macedo ML, et al. Fatores de risco e recomendações atuais para prevenção de infecção associada a cateteres venosos centrais: uma revisão de literatura. Rev Epidemiol Control Infect. 2013;3(4):134-8

Bevilacqua JL, Gomes JG, Santos VFB, Canziani MEF. Comparação entre citrato trissódico e heparina como solução para selo de cateter em pacientes em hemodiálise. J Bras Nefrol. 2011;33(1):86-92.

Leão LSNO, Passos XS, Reis C, Valadão LMA, Silva MRR, Pimenta FC. Fenotipagem de bactérias isoladas em hemoculturas de pacientes críticos. Rev Soc Bras Med Trop. 2007;40(5):537-40.

Machado GM, Lago A, Fuentefria SRR, Fuentefria DB. Ocurrence and the susceptibility to antimicrobial agents in Pseudomonas aeruginosa and Acinetobacter sp. at a tertiary hospital in southern Brazil. Rev Soc Bras Med Trop 2011;44:168-72.

Rodrigues LS, Gioia TSRD, Rossi F. Stenotrophomonas maltophilia: resistência emergente ao SMX-TMP em isolados brasileiros. uma realidade? J Bras Patol Med Lab. 2011;47(5):511-7.

Esmanhoto CG, Taminato M, Fram DS, Belasco AGS, Barbosa DA. Microrganismos isolados de pacientes em hemodiálise por cateter venoso central e evolução clínica relacionada. Acta Paul Enferm. 2013;26(5):413-20.

Naves KSC, Trindade NV, Gontijo Filho PP. Methicillin-resistant Staphylococcus aureus bloodstream infection: risk factors and clinical outcome in non-intensive-care units. Rev Soc Bras Med Trop. 2012;45(2):189-93.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n55.4934