AVALIAÇÃO DO USO DE FITOTERÁPICOS EM DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS

Michely Glenda Pereira da Silva, Micaely Monize Pereira da Silva

Resumo


Introdução: Distúrbios psiquiátricos causam diversos agravos à vida do paciente, como desconforto emocional, distúrbios de conduta, alteração em sua rotina habitual, sofrimento ou comprometimento de ordem psicológica, mental ou cognitiva. Objetivo: Analisar a literatura específica sobre os principais fitoterápicos utilizados em distúrbios psiquiátricos entre os anos de 2008 a 2014. Método: Trata-se de uma revisão integrativa de literatura. Os dados foram coletados nas bases eletrônicas de dados Lilacs e SciELO, utilizando os descritores: Kawa kawa; Valeriana; Passiflora incarnata; Hipericun; Matricaria; Ginkgo biloba. Um total de oito artigos preencheu os critérios de elegibilidade e, portanto, foram selecionados e analisados. Resultado: Piper methysticum foi a espécie de fitoterápico com maior número de pesquisas controladas envolvendo pacientes com vários transtornos, principalmente o da ansiedade. O Kawa kawa (Piper methysticum) é o único fitoterápico que indica efeito ansiolítico. O distúrbio psiquiátrico mais apontado foi o transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e transtornos mentais. Conclusão: Os medicamentos fitoterápicos ainda necessitam de maior esforço regulatório e preparação por parte dos profissionais de saúde tanto na prescrição quanto na informação aos pacientes.


Referências


Andrade LHSG, Gorestein C. Aspectos gerais das escalas de avaliação de ansiedade. Rev. psiquiatr. clín, 1998; 25 (6): 285-290.

Andreatine R. Uso de fitoterápicos em psiquiatria. Rev. Bras. Psiquiatr. 2000; 22(3): 104-5.

Andreatini R, Faustino TT, Almeida RB. Plantas medicinais no tratamento do transtorno de ansiedade generalizada: uma revisão dos estudos clínicos controlados. Rev. Bras. Psiquiatr. 2010; 32(4): 429-436.

Brasil. Consulta Pública nº 95, de 28 de setembro de 2010. Dispõe sobre Propostas relativas à padronização dos textos de bula para os medicamentos fitoterápicos: Aesculus hippocastanum, Glycine max, Piper methysticum, Rhamnus purshiana e Senna alexandrina nas formas dos anexos I, II, III, IV e V respectivamente. Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2010; 28 set.

Rodrigues AG, De Simoni C. Plantas Medicinais no contexto de políticas públicas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, 2010; 31(255):7-12.

Mello FB, Langeloh A, Mello JRB. Estudo de Toxicidade e Eficácia em Ratos Wistar de Produto Fitoterápico Usado como Sedativo e/ou Hipnótico. Lat Am J Pharm, 2006; 26(1): 38-44.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão Integrativa: o que é e como fazer. Einstein 2008; 8(1):102-106.

Alexandre RF, Bagatini F, Simões CMO. Potenciais interações entre fármacos e produtos à base de valeriana ou alho. Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn 2008; 18(3): 455-463.

Justo SC, Silva CM. Piper methysticum G. Forster (Kava-Kava): uma abordagem geral. Rev Eletr Farm. 2008; 5(1):73-82.

Nascimento DF, Santana APM, Leite IO, Viana FAC, Leite ALAS, Moraes RA, Jamacaru FVF, Bezerra FAF, Moraes MO, Moraes MEA. et al. Estudo de toxicologia clínica de um fitoterápico contendo Passiflora incarnata L., Crataegus oxyacantha L., Salix alba L. em voluntários saudáveis. Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn. 2009; 19(1B): 261-68.

Tabach R, Mattei R, Carlini ELA. Pharmacological evaluation of a phytotherapeutic product - CPV (dry extract of Crataegus oxyacantha L., Passiflora incarnata L. and Valeriana officinalis L.) in laboratory animals. Rev. bras. farmacogn. 2009; 19(1b): 255-260.

Faustino TT, Almeida RB, Andreatini R. Plantas medicinais no tratamento do transtorno de ansiedade generalizada: uma revisão dos estudos clínicos controlados. Rev Bras Psiquiatr. 2010; 32(4): 429-436.

Secchi P, Virtuoso S. O efeito da valeriana no tratamento da insônia. Visão Acadêmica, 2012. 13(1):85-107.

Barbosa DR, Lenardon L, Partata AK. Kava-kava (Piper methysticum): uma revisão geral. Rev Científica ITPAC, 2013; 6(3):1-19.

Alves ACS, Moraes DC, de Freitas GBL, Almeida DJ. Aspectos botânicos, químicos, farmacológicos e terapêuticos do Hypericum perforatum L. Rev. Bras. Pl. Med. 2014; 16(3): 593-606.

Andreatini R, Lacerda RB, Filho DZ. Tratamento farmacológico do transtorno de ansiedade generalizada: perspectivas futuras. Rev. Bras. Psiquiatr. 2001; 23(4): 233-42.

World Health Organization. Draft Guidelines for Herbal ATC Classification. Uppsala Monitoring Centre. Geneva: WHO, 2002.

Capasso RL, Izzo AA, Pinto L, Bifulco T, Vitobello C, Mascolo N. Phytotherapy and quality ofherbal medicines. Fitoterapia. 2000; 71 (Supl 1): S58-S65.

Veiga Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2008; 18(2):308-313.

World Health Organization.WHO guidelines on safety monitoring of herbal medicines in pharmacovigilance systems. Geneva: WHO, 2004.

Machado HLI, Moura VL, Gouveia NMI, Costa GA, Espindola FSI, Botelho FV. et al. Pesquisa e atividades de extensão em fitoterapia desenvolvidas pela Rede FitoCerrado: uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos por idosos em Uberlândia-MG. Rev. Bras. Pl. Med., 2014; 16(3):527-33.

Moura LC. Fitoterapia aplicada em farmácias: Estudo dos fitoterápicos ansiolíticos, sedativos e antidepressivos. Ceará. Monografia. [Especialização em Assistência Farmacêutica] - Escola de Saúde Pública do Ceará. 2006.

Yuan CS, Dey L, Wang A, Mehendale S, Xie JT, Aung HH, Ang-Lee MK. et al. Kavalactones and Dihidrokavain Modulate GABAergic Activity in a Rat Gastric-Brainstem Preparation. Planta Médica, Planta Med. 2002 Dec; 68(12):1092-6.

Justo SC, Silva CM. Piper methysticum G. Forster (Kava-Kava): uma abordagem geral. Revista Eletrônica de Farmácia. 2008; 5(1):73-82.

Schultz V, Hansel R, Tyler VE. Fitoterapia Racional, São Paulo: Editora Manore; 2002, p.30-5.

Fernández-San-Martín MI, Masa-Font R, Palacios-Soler L, Sancho-Gómez P, Calbó-Caldentey C, Flores-Mateo G. et al. Effectivenes of Valerian on insomnia: A meta-analysis of randomized placebo-controlled trials. Sleep Medicine. 2000; 11(6): 505-511.

Bergner P. Passionflower. Medical Herbalism, 1995; 7(1):13-14.

Dhawan K, Kumar S, Sharma A. Anti-anxiety studies on extracts of Passiflora incarnate Linneaus. J Ethnopharmacol, 2001; 78:165-170, 2001.

Dhawan K, Dhawan S, Sharma A. Passiflora: a review update. J Ethnopharmacol. 2004; 94:1-23.

Sousa FCF, Melo CTV, Citó MCO, Félix CFH, Vasconcelos SMM, Fonteles MMF, Filho Barbosa JM, Viana GSB. et al. Plantas medicinais e seus constituintes bioativos: Uma revisão da bioatividade e potenciais benefícios nos distúrbios da ansiedade em modelos animais. Revista Brasileira Farmacognosia. 2008; 18(4):642-654.

Bach-Rojecky L, Kalodera Z, Samarzija I. The antidepressant activity of Hypericum perforatum L. measured by two experimental methods on mice. Acta Pharm. 2004; 54(2):157-162.

Blumenthal, M.; Ferrier, G. K. L.; Cavaliere, C.; Total sales of herbal supplements in United States show steady growth. Herbal Gram, 2006; 71:64-66.

Van den Bout-van den Beukel CJ, Koopmans PP, van der Ven AJ, De Smet PA, Burger DM. et al. Possible drug-metabolism interactions of medicinal herbs with antiretroviral agents. Drug Metab Rev, Drug Metab Rev. 2006;38(3):477-514.

Cordeiro CHG, Chung MC, Sacramento LVS. Interações medicamentosas de fitoterápicos e fármacos: Hypericumperforatume Piper methysticum. Rev. bras. farmacogn. [online]. 2005; 15(3): 272-278.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .