TREINAMENTO RESISTIDO NA RETARDAÇÃO DO PROCESSO DE SARCOPENIA EM IDOSOS

Ana Paula Silva de Jesus, Paulo Henrique Brito Mota, Rita de Cássia Eliotério da Silva, André Ricardo da Luz Almeida, Jocarla Conceição Chagas, Rozangela Conceição Oliveira, Gustavo Marques Porto Cardoso, Wilton Nascimento Figueredo

Resumo


Introdução: Segundo a Organização Mundial de Saúde, a osteoporose tem se constituído um grave problema de saúde pública, acometendo pessoas idosas, principalmente mulheres, devido ao declínio natural das funções fisiológicas causado pelo envelhecimento. O método mais eficiente no tratamento e prevenção da osteoporose é a prática de atividades físicas. Objetivo: Analisar, a partir de literatura já publicada, os efeitos do treinamento resistido sobre a osteopenia e osteoporose em idosos. Materiais e Métodos: Através de uma revisão sistemática de literatura foi realizada uma pesquisa no banco de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BIREME) utilizando como descritores as palavras: osteoporose, treinamento de resistência e idosos. Foram selecionados apenas estudos originais e gratuitos que atendiam aos critérios de inclusão. Resultados: Foram selecionados 4 artigos que utilizaram programas de treinamento para analisar seus efeitos em indivíduos portadores da osteoporose que relataram aumento da densidade mineral óssea em áreas específicas e na área óssea total, além de melhora no conteúdo mineral ósseo e alterações em determinados componentes sanguíneos. Conclusão: O programa de treinamento resistido mostrou-se um eficaz método na prevenção e tratamento da osteoporose, por aumentar o estímulo da liberação de substâncias na corrente sanguínea que irão auxiliar na formação óssea, melhorando sua força máxima e, consequentemente, a qualidade de vida. Sinaliza-se a necessidade de mais estudos relacionados ao efeito do treinamento resistido em homens com osteoporose, uma vez que os estudos são direcionados para mulheres na pós-menopausa, por serem mais acometidas pela patologia.


Palavras-chave


Treinamento de resistência. Osteoporose. Saúde do Idoso. Atividade Física.

Texto completo:

PDF

Referências


Lucci EA, Branco AL, Mendonça C. Território e sociedade no mundo globalizado. 2° edição. São Paulo: Saraiva; 2013.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Lei 10.741, 01 de outubro de 2003. Dispõe do estatuto do idoso e dá outras providências [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2003 [acesso em 2015 ago 22]. Disponível em: http://ampg.xpg.uol.com.br/leis/idoso.pdf

World Health Organization. Health evidence network: what are the main risk factors for disability in old age and how can disability be prevented? Copenhagen: WHO Regional Office for Europe, 2004.

Gallahue DL, Ozmun JC. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3° edição. São Paulo: Phorte, 2005.

Netto MP. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo. Atheneu, 2005.

Moura ECC, Lima Y. O treinamento de força e seus possíveis benefícios em pacientes com osteoporose. EFDesportes. 2010;15:148, 2010 [acesso em 2015 ago 23]. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd148/o-treinamento-de-forca-em-pacientes-com-osteoporose.htm

Costa F, Pontes T. Efeitos do Treinamento de Força em Portadores da Osteoporose [internet]. São Paulo: Blog Educação Física; 2010 [acesso em 2016 abr 15]. Disponível em: http://fernandacosta2010.blogspot.com.br/2010/04/treinamento-de-forca-para-os-portadores.html Acesso em: 15 de abril 2016.

Nunes JF. Atividade física e osteoporose. Londrina: Midiograf, 2001.

Bianco R, Fraga CH. A atividade física e sua influência sobre a osteoporose. In Gorgatti M, Costa RF (org). A atividade física adaptada: Qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2 ed. Barueri: Manole, 2008.

Fleck SJ, Kraemer WJ. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 3° edição. São Paulo: Artmed, 2006.

Simão R. Fisiologia e prescrição de exercícios para grupos especiais. São Paulo: Phorte, 2001.

Bemben DA, Bemben MG. Dose–response effect of 40 weeks of resistance training on bone mineral density in older adults. Osteoporosis International. 2010;22(1):179-86.

Mosti MP, Kaehler N, Stunes AK, Hoff J, Syversen U. Maximal strength training in postmenopausal women with osteoporosis or osteopenia. J Strength Cond Res. 2013;27(10):2879-86.

Burke TN, França FJ, Meneses SR, Pereira R, Marques AP. Postural Control in Elderly Women with Osteoporosis: comparison of balance, strengthening and stretching exercises. A randomized controled Trial. Clinical Rehabilitation. 2012;26(11):1021-31.

TEIXEIRA, L. E. P. P.; SILVA, K. N. G.; IMOTO, A. M.; TEIXEIRA, T. J. P.; Kayo AH, Montenegro-Rodrigues R, Peccin MS, Trevisan VFM. Progressive load training for the quadriceps muscle associated with proprioception exercises for the prevention of falls in postmenopausal women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Osteoporosis International. 2010;21(4):589-96.

Hall J, Guyton A. Tratado de Fisiologia Médica. 11° edição. São Paulo: Elsevier, 2006.

Pereira RMR, Carvalho JFD, Paula AP, Zerbini C, Domiciano DS, Gonçalves H., Danowski JS, Marques Neto JF, Mendonça LMC, Bezerra MC, Terreri, MT, Imamura MT, Weingrill P, Plapler PG, Radominski S, Tourinho T, Szejnfeld VL, Andrada NC. Diretrizes para prevenção e tratamento da osteoporose induzida por glicocorticoide. Revista Brasileira de Reumatologia. 2012;52(4): 580-593.

Mazo GZ, Lopes MA, Benedetti TB. Atividade física e o idoso: concepção gerontológica. Porto Alegre: Sulina, 2004.

Gleeson PB, Protas EJ, LeBlanc AD, Schneider VS, Evans HJ. Effects of weight lifting on bone mineral density in premenopausal women. J. Bone Miner. Res. 1990;5(2):153-58.

Nicholson VP, McKean MR, Slater GJ, Kerr A, Burkett BJ. Low-Load Very High-Repetition Resistance Training Attenuates Bone Loss at the Lumbar Spine in Active Post-menopausal Women. Calcif Tissue Int. 2015;(60):490-99.

Jovine MS, Buchalla CM, Santarém EMM, Santarém JM, Aldrighi JM. Efeito do treinamento resistido sobre a osteoporose após a menopausa: estudo de atualização: estudo de atualização. Rev. Bras. Epidemiol. 2006;9(4):493-5.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5007