PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS IDOSOS DIABÉTICOS CADASTRADOS NO PROGRAMA HIPERDIA NO ESTADO DO PIAUÍ, BRASIL

Gleyson Moura dos Santos, Paulo Víctor de Lima Sousa, Nara Vanessa dos Anjos Barros

Resumo


Introdução: O envelhecimento é um processo inerente ao curso natural da vida e no qual ocorremodificações biológicas, psicológicas e sociais no indivíduo, deixando-o mais vulnerável à ocorrência deenfermidades. Dentre as doenças mais prevalentes, destaca-se o diabetes mellitus. O Ministério da Saúdelançou o Hiperdia com objetivo de monitorar a distribuição de medicamentos. Objetivo: Descrever o perfilde idosos diabéticos cadastrados no programa Hiperdia no estado do Piauí entre os anos de 2005 e 2012.Métodos: Estudo transversal descritivo/retrospectivo de base populacional, utilizando dados secundáriossobre informações de idosos com diabetes mellitus registrados no Hiperdia e disponibilizadas no site doDatasus. As variáveis foram categorizadas em três grupos: 1) caracterização dos idosos: sexo e idade; 2)complicações: acidente vascular cerebral, infarto agudo do miocárdio, outras cardiopatias, doença renal, pédiabético e amputação por diabete; 3) fatores de risco: tabagismo, sobrepeso e sedentarismo. Resultados:Verificou-se maior prevalência de idosos com diabetes mellitus do tipo 2 (76,1%). A presença de diabetesmellitus 1 e 2 foi predominante nos idosos do sexo feminino (61,9% e 61,2%, respectivamente) e na faixaetária dos sessenta a 64 anos (31,5% e 35,1%). No ano de 2007 houve mais casos de diabetes mellitus 1em idosos do sexo feminino; já em 2009 a maior prevalência foi em idosos do sexo masculino. A diferençaestatística foi mais significativa nas variáveis amputação por diabetes, sobrepeso e obesidade. Conclusão:Maior prevalência de idosos com diabetes mellitus 2, principalmente, na população feminina, destacandosea presença de sobrepeso e o sedentarismo como os principais fatores de risco.


Referências


Araújo I, Paúl C, Martins M. Viver com mais idade em contexto familiar: dependência no auto cuidado. Rev. esc. enferm. USP. 2011; 45(4): 869-75.

Gottlieb MGV, Schwanke CHA, Gomes I, Da Cruz IBM. Envelhecimento e longevidade no Rio Grande do Sul: um perfil histórico, étnico e de morbi-mortalisade dos idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2011; 14(2): 365-80

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Síntese de Indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2016

Cabrera MAS, Andrade SM, Wajngarten M. Causas de mortalidade em idosos: Estudo de seguimento de nove anos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2007; 1(1): 14-20.

Pedroni GAM, Rosa, JÁ, Almeida, MEF, Guedes, HM. Assistência de enfermagem prestada à pessoa idosa com hipertensão arterial. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 2013; 3(2): 662-669.

Miranzi SSC, Ferreira FS, Iwamoto HH, Pereira GA, Miranzi MAS. Qualidade de vida de indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4)672-9.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção a hipertensão arterial e ao diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Ramos V.KS, Noronha FMF, Rodrigues CN, Santiago LCP, Nunes DS. Caracterização dos usuários do HiperDia em uma unidade básica de saúde em um município do estado do Maranhão. Rev. Investig. Bioméd. 2014,6(1): 82-91.

Ministério da Saúde (BR), Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação: Piauí. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012, Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Lima LM, Schwartz E, Muniz RM, Zillmer JGV, Ludtke I. Perfil dos usuários do Hiperdia de três unidades básicas de saúde do sul do Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(2): 323-9.

Vitoi NC, Fogal AS, Nascimento CM, Franceschini SCC, Ribeiro AQ. Prevalência e fatores associados ao diabetes em idosos no município de Viçosa, Minas Gerais. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18(4): 953-965.

Araujo Filho ACA, Almeida, PD, Araújo, AKL; Sales, IMM, Araújo, TME, Rocha, SS. Perfil epidemiológico do diabetes mellitus em um estado do nordeste brasileiro. Rev. pesqui. cuid. fundam. 2017; 9(3): 641-647.

Silva AB, Engroff P, Sgnaolin V, Ely LS, Gomes I. Prevalência de diabetes mellitus e adesão medicamentosa em idosos da Estratégia Saúde da Família de Porto Alegre/RS. Cad. Saúde Colet. 2016; 24(3): 308-316.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Foletto CK. Perfil epidemiológico, estado nutricional e fatores associados à hipertensão e diabetes mellitus em idosos cadastrados no HIPERDIA no município de Caxias do Sul (RS). 2009. 46f. Dissertação. Programa de Pós-graduação lato sensu em Saúde Pública. Universidade Federal do Rios Grande do Sul – UFRGS, 2009.

Cortez DN, Reis IA, Souza DAS, Macedo MML, Torres HC. Complicações e o tempo de diagnóstico do diabetes mellitus na atenção primária. Acta paul. Enferm. 2015; 28(3): 250-5.

Moreira T, Silva EA, Oliveira CJ, Abreu RNDC, Vasconcelos FF. Caracterização dos pacientes acompanhados pelo programa HiperDia em uma unidade básica de saúde da família em Fortaleza. Nursing. 2009;11(130): 137-142.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2015: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2015. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Ministério da Saúde (BR). Vigitel: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Francisco PMSB, Belon AP, Barros MBA, Carandina L, Alves MCGP, Goldbaum M, et al. Diabetes autoreferido em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle. Cad. Saud. Publ. 2010; 26(1): 175-84.

Kim C. Does menopause increase diabetes risk? Strategies for diabetes prevention in midlife women. Womens Health. 2012; 8(2): 155-67.

Ockene IS, Tellez TL, Rosal MC, Reed GW, Mordes J, Merriam PA, et al. Outcomes of a Latino community-based intervention for the prevention of diabetes: the Lawrence Latino Diabetes Prevention Project. Am J Public Health. 2012; 102(2): 336-42.

Milech, A, Oliveira, JEP, Vencio, S. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. 3 ed. Itapevi; 2009.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .