MENSURAÇÃO DE CONSTRUCTOS PSICOEMOCIONAIS E DE AUTOGESTÃO EM SAÚDE EM PACIENTES COM DOENÇAS METABÓLICAS

Cristiane Martins Cunha, Omar Pereira de Almeida-Neto, Camila Morais de Rodrigues

Resumo


Introdução: O diabetes mellitus (DM) e a obesidade (OB) são doenças crônicas que repercutem negativamente em diversos aspectos da vida, sendo fundamental que o paciente adote comportamentos saudáveis para autogerir a saúde. Objetivos: Mensurar as variáveis psicoemocionais e de ativação de indivíduos com doenças metabólicas, comparar essas variáveis segundo o tipo de doença e verificar a influência de variáveis sociodemográficas e clínicas na autogestão em saúde. Método: Estudo transversal, de abordagem quantitativa, realizado em um hospital público. Pacientes adultos, com diagnóstico de DM ou OB, no mínimo 6 meses, responderam os instrumentos avaliativos (constructos psicoemocionais e ativação). Resultados: Participaram do estudo 80 indivíduos, com idade média de 48,39 (DP=14,59) anos e 65% eram mulheres. Os escores médios foram: 30,81 (DP=5,08) para autoestima, 65,05 (DP=17,69) para estado de saúde, 8,53 (DP=4,75) para ansiedade, 6,53 (DP=4,42) para depressão e 64,61 (15,54) para ativação. Indivíduos com DM apresentaram melhor autoestima e ativação, no entanto tiveram mais sintomas de ansiedade que os OB (p<0,05). Os indivíduos OB referiram melhor estado de saúde, apesar de apresentarem índices maiores de sintomas depressivos (p<0,05). Quanto às correlações, verificou-se que a variável comorbidades correlacionou com todas as medidas (p<0,05), exceto com a ativação. A variável idade correlacionou apenas com a ansiedade. Conclusões: Nossa amostra apresentou níveis elevados de autoestima, de estado de saúde e de ativação e baixos níveis de ansiedade e depressão. Indivíduos com DM apresentaram melhor autoestima e mais sintomas de ansiedade que os OB; e os OB apresentaram melhor estado de saúde e mais sintomas depressivos.


Palavras-chave


Autocuidado. Diabetes mellitus. Obesidade. Depressão. Autoimagem.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Brasília; 2014. 212 p.

Malta DC, Silva Junior JB. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiol. Serv. Saúde 2013; 22(1): 151-164.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Documento de diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília; 2013.

Porcu M, Franzin R, Abreu PB, Previdelli ITS, Astolfi, M. Prevalência de transtornos depressivos e de ansiedade em pacientes obesos submetidos à cirurgia bariátrica. Acta sci., Health sci 2011; 33 (2): 165-171, 2011.

Silva SMB, Sintomas de ansiedade, depressão, compulsão alimentar e qualidade de vida em mulheres com obesidade, [Dissertação de Mestrado]. Salvador: Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública; 2015. 59 p.

Lima ACR, Oliveira, A. B. Fatores psicológicos da obesidade e alguns apontamentos sobre a terapia cognitivo-comportamental. Mudanças 2016; 24(1): 16 p.

Rocha C, Costa E. Aspectos psicológicos na obesidade mórbida: Avaliação dos níveis de ansiedade, depressão e do auto-conceito em obesos que vão ser submetidos à cirurgia bariátrica. Anál. psicol 2012; 4: 451-466.

Botrel TA, Costa RD, Costa MD, Costa AMD. Doenças cardiovasculares: causas e prevenção. Rev. bras. clín 2000: 26(3): 87-90.

Pace AE, Ochoa-Vigo K, Caliri MHL, Fernandes APM. O conhecimento sobre diabetes mellitus no processo de autocuidado. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2006; 14(5): 728-734.

Fuscaldi FS, Balsanelli ACS, Grossi SAA. Lócus de controle em saúde e autoestima em portadores de diabetes mellitus tipo 2. Rev. Esc. Enferm. USP 2011; 45(4): 855-861.

Gomes MB, Netoll DG, Medonça E, Tambascia MA, Fonseca RM, Réa RR et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em pacientes com diabetes mellitus do tipo 2 no Brasil: estudo multicêntrico nacional. Arq Bras Endocrinol Metab 2006; 50(1): 136-144.

Starkstein SE, Davis WA, Dragovic M, Cetrullo V, Davis TME, Bruce DG. Diagnostic Criteria for Depression in Type 2 Diabetes: A Data-Driven Approach. Plos One. 2014; 9.

Francioni FF, Compreendendo o processo de viver com diabetes mellitus em uma comunidade de Florianópolis, Santa Catarina: das práticas de autoatenção ao apoio social, [Tese de Doutorado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2010. 186 p.

Johnston-Brooks CH, Lewis MA, Garg S. Self-efficacy impacts self-care and HbA1c in young adults with Type I diabetes. Psychol Med 2002; 64: 43–51.

Svenningsson I, Björkelund C, Marklund B, Gedda B. Anxiety and depression in obese and normal-weight individuals with diabetes type 2: A gender perspective. Scand J Caring Sci 2012;26(2): 349-54.

Vasques F, Martins FC, Azevedo AP. Aspectos psiquiátricos do tratamento da obesidade. Rev. psiquiatr. clín 2004; 31( 4 ): 195-198.

Mayberry R, Willock RJ, Boone L, Lopez P, Qin H, Nicewander D. A High Level of Patient Activation Is Observed But Unrelated to Glycemic Control Among Adults With Type 2 Diabetes. Diabetes Spectr 2010; 23(3): 171–176.

Rask KJ, Ziemer DC, Kohler SA, Hawley JN, Arinde FJ, Barnes CS. Patient Activation Is Associated With Healthy Behaviors and Ease in Managing Diabetes in na Indigent Population. Diabetes Educ 2009; 35(4): 622-30.

Robert. A. Bailey RA, Pfeifer M, Shillington AC, Harshaw Q, Funnell MM, VanWingen J et al. Effect of a patient decision aid (PDA) for type 2 diabetes on knowledge, decisional self-efficacy, and decisional conflict. BMC Health Serv Res 2016; 16: 14p.

Rojas C, Brante M, Miranda E, Pérez-Luco R. Descripción de manifestaciones ansiosas, depresivas y autoconcepto en pacientes obesos mórbidos, sometidos a cirugía bariátrica. Rev. méd. Chile 2011; 139(5): 571-578.

Olson, EA, McAuley, E. Impact of a brief intervention on self-regulation, self-efficacy and physical activity in older adults with type 2 diabetes. J Behav Med 2015;38(6): 886-98.

Brown DW, Balluz LS, Giles WH, Beckles GL, Moriarty DG, Ford ES et al. Diabetes mellitus and health-related quality of life among older adults. Findings from the behavioral risk factor surveillance system (BRFSS). Diabetes Res Clin Pract 2004; 65(2): 105-15.

Gask L, Macdonald W, Bower P. What is the relationship between diabetes and depression? A qualitative meta-synthesis of patient experience of co-morbidity. Chronic Illness 2011; 7 (3): 239–252.

Gomes-Villas Boas LC, Foss MC, Freitas MCF, Pace AE. Relação entre apoio social, adesão aos tratamentos e controle metabólico de pessoas com diabetes mellitus. Rev. Latino-Am. Enfermage. 2012; 20(1): 52-58.

Wichit N, Mnatzaganian G, Courtney M, Schulz P, Johnson M. Randomized controlled trial of a Family-oriented self-management program to improve self-efficacy, glycemic control and quality of life among Thai individuals with Type 2 diabetes. Diabetes Res Clin Pract 2017; 123: 37-48.

Jung MJ, Jeong Y. Motivation and Self-Management Behavior of the Individuals With Chronic Low Back Pain Orthopaedic. Nursing 2016; 35(5): 330-337.

Vargas V, Elementos para pensar a obesidade, a depressão e a ansiedade [Trabalho de conclusão de curso – Pós-Graduação Lato Sensu]. Ijuí: Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul; 2012. 17 p.

MANETTI ML, Estudo de aspectos profissionais e psicossociais no trabalho e a depressão em enfermeiros atuantes em ambiente hospitalar [Tese de Doutorado]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n57.5104