FATORES DE RISCO PARA O TRANSTORNO MENTAL RELACIONADO AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

Carolina Silva Munhoz, Talita Golçalves Moreira Dantas, Luz Alcira Ávila Ríncon, Silvana Tognini

Resumo


Introdução: O trabalho satisfaz as mais diversas necessidades humanas; por outro lado pode ser fontede adoecimento quando o trabalhador fica exposto aos riscos inerentes às suas atividades. O estresseno ambiente laboral pode desencadear transtornos mentais relacionados ao tempo de permanênciae a intensidade do serviço. A síndrome de Burnout é o distúrbio mais referido entre profissionais deenfermagem. Objetivo: Realizar revisão sistemática da literatura sobre os fatores de risco do transtornomental relacionado ao trabalho em profissionais da enfermagem. Materiais e métodos: Revisão daliteratura publicada no período de 2009 a 2017. Utilizaram-se as bases de dados LILACS, BDENF eSciELO, e o cruzamento dos descritores “enfermagem” e “esgotamento profissional”. Resultados: Foramevidenciados diversos fatores que alteram o nível de estresse do enfermeiro e da sua equipe relacionadosa pressão da carga de trabalho, esforço físico, acúmulo de funções, sobrecarga emocional, conflitos nasrelações interpessoais, entre outros agravantes que interferem negativamente na qualidade de vida dostrabalhadores, assim como foi citada na maior parte dos artigos de revisão a ocorrência da síndromede Burnout entre as consequências impostas no trabalho da classe trabalhadora estudada. Conclusão:Ressalta-se a importância de pesquisas sobre o tema a fim de contribuir para a construção de políticaspúblicas de saúde e o fortalecimento das ações em segurança e saúde do trabalhador da enfermagem.


Referências


Cavalheiro G, Tolfo SR. Trabalho e depressão: um estudo com profissionais afastados do ambiente laboral. Psico-USF, Itatiba, v. 16, n. 2, p. 241- 249, 2011.

Pereira L. O trabalho em causa na “epidemia depressiva”. Tempo Social, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 67- 95, jun. 2011.

Sêmen S, Garcez EMS. O Adoecimento Psíquico em Profissionais da Enfermagem. Rev. Saúde Pública. Santa Cat., Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 46- 71, maio/ago. 2012.

MPS - Ministério da Previdência Social, DATAPREV - Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social. Anuário Estatístico da Previdência Social: 2010. Brasília: MPS DATAPREV; 2011. 19V. Disponível em: Acesso em: 23 de maio de 2017.

Coren RS. Pesquisa aponta causas dos transtornos mentais provocados pelo ambiente de trabalho. Coren Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em: Acesso em: 25 de maio de 2017.

Rocha SV. et al. Prevalência de transtornos mentais comuns entre residentes de áreas urbanas de Feira de Santana, Bahia. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 13, n. 4, p. 630-640, 2010.

Brasil. Ministério da Previdência Social. Ministério do Trabalho e Emprego. Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho, Brasília: MTE, MPS, 2014.

Caetano VC, Cruz DT, Leite ICG. Perfil dos pacientes e características do tratamento fisioterapêutico aplicado aos trabalhadores com LER/DORT em Juiz de Fora, MG. Fisioter Mov. v.23, n.3, p. 451-460, 2010.

Lino MM et al. Enfermagem do Trabalho à Luz da Visão Interdisciplinar. Saúde Transform. Soc., Florianópolis, v. 3, n. 1, p. 85-91, jan. 2012.

Vasconcellos LCF, Gaze R. A integralidade e doenças dos trabalhadores. O método de Bernadino Ramazzini. In. Oficina de artigos da pós-graduação em Saúde Pública; 2009; Rio de Janeiro. [Acessado em 23 maio 2017]. Disponível em: http:// www.segurancaetrabalho.com.br/download/integral-fadel.pdf.

Sprada E. Toxicologia. Rede E-Tec Brasil. Instituto Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

Vasconcellos LCF de, Gaze R. Saúde, trabalho e ambiente na perspectiva da integralidade: o método de Bernardino Ramazzini. Em Pauta Revista da Faculdade de Serviços Social da UERJ. Rio de Janeiro: v.11, n.32, jul./dez. 2013. p.65-88.

Chibinski M. Como Surgiu o conceito de segurança do trabalho. Introdução à Segurança do Trabalho. Instituto Federal Paraná, Curitiba, 2011. http://proedu.ifce.edu.br/bitstream/handle/123456789/735/3a_Disciplina_Introducao_a_Seguranca_do_Trabalho.pdf?sequence=1

Andar Z. Trezentos anos depois- Questão Atual. Jornal da ANAMT. 2014. Disponível em: Acesso em: 25 de maio de 2017.

Versa GLGS. et al. Estresse ocupacional: avaliação de enfermeiros intensivistas que atu¬am no período noturno. Rev Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS), jun. 2012.

Trindade LL, Lautert L. Síndrome de burnout entre os trabalhadores da estratégia de saúde da família. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(2): 274-9.

Peres RS et al. Compartilhar para conviver: relato de uma intervenção baseada em grupos de encontro para abordagem de estressores ocupacionais. Rev. SPAGESP. Jan.¬-jun. 2011, v. 12.

Linch CGF, Guido LA. Estresse de enfermeiros em unidade de hemodinâmica no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2011, 32(1): 63-71.

Alves ACGC. Estresse e o trabalho do enfermeiro: uma revisão bibliográfica. 2011. Monografia (Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde) – Departamento de Saúde Coletiva, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2011.

Díaz-Rodriguez L et al. Uma sessão de Reiki em enfermeiras diagnosticadas com síndrome de Burnout tem efeitos benéficos sobre a concentração de IgA salivar e a pressão arterial. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.19, n.5, p.1132-1138, 2011.

Araújo IMS. Médica do trabalho diz que estatísticas previdenciárias mostram crescimento de doenças mentais. Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região Maranhão. 2016. Disponível em: Acesso em: 25 de maio de 2017.

Lorenz VR, Benatti MCC, Sabino MO. Burnout e estresse em enfermeiros de um hospital universitário de alta complexidade. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. nova-dez 2010 [acesso em: 23 de maio de 2017];18(6):[08 telas]. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n6/pt_07.

Ratochinski CMW, Powlowytsch PWM, Grzelczak MT, Souza WC, Mascarenhas LPG. O Estresse em Profissionais de Enfermagem: Uma Revisão Sistemática. R bras ci Saúde 20(4):341-346, 2016.

Silva FH. Estresse no trabalho de enfermeiros que atuam em hospitais privados segundo o modelo demanda-controle [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Enfermagem, 2015.

Mesquita KL, Gomes GPLA, Silva MJBF, Santos LF. A visão do Enfermeiro/Gestor sobre a necessidade de implementar apoio psicológico aos profissionais do serviço de atendimento móvel de Urgência. R. Enferm. Cent. O. Min. 2014 jan/abr; 4(1):1019-1028.

Oliveira EB, Costa SLT, Guimarães NSL. O Trabalho do Acadêmico de Enfermagem no Hospital Geral: Riscos Psicossociais. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2012 jul/set; 20(3):317-22.

França FM, Ferrari R. Síndrome de Burnout e os aspectos sócio-demográficos em profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2012;25(5):743-8.

Traesel ES, Merlo ÁRC. Trabalho imaterial no contexto da enfermagem hospitalar: vivências coletivas dos trabalhadores na perspectiva da Psicodinâmica do Trabalho. Rev. Bras. Saúde ocup., São Paulo, 36 (123): 40-55, 2011.

Ferreira REDS. A organização do trabalho na Unidade de Doenças Infecto-contagiosas e a ocorrência de Burnout nos trabalhadores de Enfermagem. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011.

Ezaias GM, Gouvea PB, Haddad MCL, Vannuchi MTO, Sardinha DSS. Síndrome de Burnout em trabalhadores de saúde em um Hospital de Média Complexidade. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):524-9.

Menzani G, Bianchi ERF. Stress dos enfermeiros de pronto socorro dos hospitais brasileiros. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009;11(2):327-33. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n2/v11n2a13.htm.

Dalmolin GL, Lunardi VL, Lunardi Filho WD. O Sofrimento moral dos profissionais de enfermagem no Exercício da Profissão. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 jan/mar; 17(1):35-0.

Valença CN, Azevêdo, LMN, Oliveira AG, Medeiros SSA, Malveira FAS, Germano RM. A produção científica sobre a saúde do trabalhador de enfermagem. R. pesq.: cuid. fundam. online 2013. dez., 5(5):52-60.

Neves MJAO, Branquinho NCSS, Paranaguá TTB, Barbosa MA, Siqueira KM. Influência do Trabalho Noturno na Qualidade de Vida do Enfermeiro. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 jan/mar; 18(1):42-47.

Coral-Mulato S, Bueno SMV. Docentes em Enfermagem e a Síndrome de Burnout: Educando para a Saúde. CuidArte, Enferm; 3(2): 99-104, jul.-dez. 2009.

Campos JF, David HMSL, Souza NVDO. Prazer e sofrimento: avaliação de enfermeiros intensivistas à luz da psicodinâmica do trabalho. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 18(1) Jan-Mar 2014.

Monte PF, Lima FE, Neves FM, Studart RM, Dantas RT. Estresse dos profissionais enfermeiros que atuam na unidade de terapia intensiva. Acta Paul Enferm. 2013; 26(5):421-7.

Tavares KF, Souza NV, Silva LD, Kestenberg CC. Ocorrência da síndrome de Burnout em enfermeiros residentes. Acta Paul Enferm. 2014; 27(3):260-5.

Oliveira JAS, Alchieri JC, Pessoa Júnior JM, Miranda FAN, Almeida MG. Representações sociais de enfermeiros acerca do estresse laboral em um serviço de urgência. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(4):984-9.

Rissardo MP, Gasparino RC. Exaustão emocional em enfermeiros de um hospital público. Esc Anna Nery (impr.)2013 jan -mar; 17 (1):128 - 132.

Hanzelmann RS, Passos JP. Imagens e representações da enfermagem acerca do stress e sua influência na atividade laboral. Rev Esc Enferm USP 2010; 44(3):694-701.

Silva CCS, Lira ALBC, Feijão AR, Costa IKF, Medeiros SM. Burnout and health technologies in the context of Primary Health Care nursing. Esc Anna Nery [Internet], 21(2) 2017[access on: November 2, 2017]. Available in: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452017000200203

Sousa KHJF. Fatores Associados aos Transtornos Mentais Comuns entre Trabalhadores de Enfermagem em um Hospital Psiquiátrico [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Enfermagem Ana Nery, 2017. Disponível em: http://objdig.ufrj.br/51/teses/856914.pdf


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .