A Fonoaudiologia nas práticas de humanização: discurso do sujeito coletivo

Marlos Suenney de Mendonça Noronha, Vanúbia Maria Rodrigues Santos

Resumo


Introdução: A humanização compreende aspectos fundamentais no que diz respeito à convicção de que é dever dos serviços de saúde receber com dignidade a mulher, seus familiares e o recém-nascido, além de prevenir e diminuir consideravelmente o aparecimento de diversas patologias que podem levar à mortalidade e morbidade infantil, dentre elas as relacionadas com a Fonoaudiologia. Objetivo: analisar a adoção, pelo fonoaudiólogo, de práticas embasadas nas políticas de humanização em sua atuação em maternidades no Estado de Sergipe. Métodos: trata-se de uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa que traduz a percepção da assistência, na ótica de usuárias da maternidade. Definiu-se como sujeitos da pesquisa as usuárias que utilizaram os serviços realizados na assistência ao parto e nascimento. Os dados resultantes das entrevistas foram transcritos e, posteriormente, avaliados, considerando-se a abordagem do Discurso do Sujeito Coletivo. Resultados: fizeram parte do estudo 28 participantes. Na avaliação qualitativa, as expressões-chaves (ECHs) e as ideias centrais (ICs) contemplaram aspectos referentes ao acolhimento, realização da triagem auditiva neonatal, orientações sobre amamentação e triagem auditiva neonatal, a assistência à saúde. Conclusão: espera-se que os resultados alcançados no estudo proposto possam contribuir nas reflexões sobre as boas práticas da Política Nacional de Humanização e apontar caminhos para a melhor efetividade de sua implementação, desenvolvimento e/ou continuidade de ações relacionadas à Fonoaudiologia na assistência ao parto e nascimento e os distúrbios da comunicação humana em maternidade.


Palavras-chave


Humanização da Assistência, Fonoaudiologia, Neonatologia

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnhah01.pdf. Acesso em 17/08/2016.

Goulart BNG, Chiari BM. Humanização das práticas do profissional de saúde: contribuições para reflexão. Ciênc. saúde coletiva [periódico na Internet]. 2010 Jan [acesso em 17/09/2016]; 15(1):255-268. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000100031&lng=en.

Maynart WHC, Albuquerque MCS, Brêda MZ, Jorge JS. A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta paul. enferm. [periódico da Internet]. 2014 Ago [acesso em 17/09/2016]; 27(4): 300-304. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002014000400003&lng=en.

Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [periódico da Internet]. 2002 Abr [acesso em 17/09/2016]; 2(1): 69-71. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292002000100011&lng=en.

Farias AS. Assistência ao parto humanizado: Sensibilização da equipe de enfermagem [Monografia]. Fortaleza (CE): Escola de Saúde Publica do Ceará; 2010.

Girardi ALFN. Intervenção precoce e a clínica fonoaudiológica. Estilos clin. [periódico da Internet]. 2010 jan [acesso em 17/09/2016]; 15(1): 144-163. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282010000100010&lng=pt&nrm=iso.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Diário Oficial da União, 12 dez. 2012.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 9ª edição revista e aprimorada. São Paulo (SP): Hucitec; 2006. 406 p.

Lefevre F, Lefevre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul (RS): Educs, 2003.

World Health Organization. Young people's health ¬ a challenge for society. Geneva: World Health Organization; 1986. (WHO Technical Report Series, 731).

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Suppl.3):3615-24.

Duarte Elysângela Dittz, Sena Roseni Rosângela de, Xavier César Coelho. Processo de trabalho na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: construção de uma atenção orientada pela integralidade. Rev. esc. enferm. USP [periódico da Internet]. 2009 Set [acesso em 17/09/2016]; 43(3): 647-654. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000300021&lng=en.

Maestri E, Nascimento ERP, Bertoncello KCG, Martins JJ. Estratégias para o acolhimento dos familiares dos pacientes na unidade de terapia intensiva. Rev. enferm. UERJ. 2012;20(1):73-8.

Oliveira NES, Oliveira LMAC, Lucchese R, Alvarenga GC, Brasil VV. Humanização na teoria e na prática: a construção do agir de uma equipe de enfermeiros. Rev Eletr Enf [periódico da internet]. 2013 abr/jun [Acesso em 17/08/2016]; 15(2): 334-343. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/fen_revista/v15/n2/pdf/v15n2a04.pdf

Pinheiro JVL, Oliveira NM, Júnior HVM. Procedimentos fonoaudiológicos em recém-nascido de alto risco. Rev. Bras. Prom. Saúde. 2010; 23(2):175-80.

Hoga LAK. A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência à saúde: uma reflexão. Rev. esc. enferm. USP [periódico da Internet]. 2004 Mar [acesso em 17/09/2016]; 38(1): 13-20. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342004000100002&lng=en.

Lopes GVDO, Menezes TMO, Miranda AC, Araújo KL, Guimarães ELP. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev. bras. enferm. [periódico da Internet]. 2014 Fev [acesso em 28/09/2016]; 67(1): 104-110. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672014000100104&lng=pt

Brasil. Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada a mulher. Brasília (DF): 2001.

Brasil. Presidência da República. Lei nº. 12.303/2010 (Lei Ordinária) 02/08/2010 [Acessado em 15/08/2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12303.htm.

Hilú MRPB, Zeigelboim BS. O conhecimento, a valorização da triagem auditiva neonatal e a intervenção precoce da perda auditiva. Rev. CEFAC [periódico da Internet]. 2007 Dez [acesso em 18/08/2016]; 9(4): 563-570. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462007000400017&lng=en.

Garcez LW. Possibilidades e limites da atuação fonoaudiológica em berçários [Monografia]. Porto Alegre (RS): Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica; 1999.

Kemp AAT, Delecrode CR, Silva GC, Martins F, Frizzo ACF, Cardoso ACV. Triagem auditiva neonatal em uma maternidade de baixo risco do interior paulista. Braz. j. otorhinolaryngol. [periódico da Internet]. 2015 Out [acesso em 20/09/2016]; 81(5): 505-513. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942015000500505&lng=pt.

Campos ACM, Shirane HY, Takemoto PVA, Lourenço EA. Triagem auditiva neonatal universal: conhecimento dos pediatras e neonatologistas em Jundiaí, São Paulo, Brasil . Braz. j. otorhinolaryngol. [periódico da Internet]. 2014 Out [acesso em 28/09/2016]; 80(5): 379-385. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942014000500379&lng=en.

Lewis DR, Marone SAM, Mendes BCA, Cruz OLM, Nóbrega M. Comitê multiprofissional em saúde auditiva: COMUSA. Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.) [periódico de Internet]. 2010 Fev [acesso em 29/09/2016]; 76(1): 121-128. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942010000100020&lng=en.

Yoshinaga-Itano C, Sedey A. Language, speech and social-emotional development of children who are deaf or hard of hearing: the early years. Volta Rev. 2000;100(5):213-34.

Tschiedel RS, Bandini HHM, Bevilacqua MC. Diagnóstico da deficiência auditiva na infância: uma avaliação do nível de conhecimento dos pediatras de uma cidade da região Centro-Oeste paulista. Pediatr Mod. 2000;36(9):607:610:614:617:passim-607-612-615-618.

Rogério AFH, Almeida EOC, Hidaka MTU, Amado BCT. Triagem auditiva neonatal: caracterização da demanda/ território e exames auditivos. Rev. CEFAC [periódico de internet]. 2014 Aug [acesso 02/04/2017]; 16(4): 1060-1068. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462014000401060&lng=en.

Soares JPO, Novaes LFG, Araújo CT, Vieira ACC. Amamentação natural de recém-nascidos pré-termo sob a ótica materna: uma revisão integrativa. Rev. CEFAC [periódico de internet]. 2016 Fev [acesso em 02/04/2017]; 18(1): 232-241. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462016000100232&lng=en.

Calado DFB, Souza R. Intervenção fonoaudiológica em recém-nascido pré-termo: estimulação oromotora e sucção não-nutritiva. Rev. CEFAC [periódico da Internet]. 2012 Fev [acesso 29/09/2016]; 14(1): 176-181. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462012000100021&lng=en.

Tenório RMSA. Avaliação do Grau de Implantação do Dispositivo Acolhimento nas Unidades de Saúde da Família da Cidade do Recife. [Dissertação] Recife (PE): Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira; 2011.

Maia RM, Silva MAM, Tavares PMB. Saúde auditiva dos recém-nascidos: atuação da fonoaudiologia na Estratégia Saúde da Família. Rev. CEFAC [periódico da Internet]. 2012 Abr [acesso em 29/09/2016]; 14(2): 206-214. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462012000200003&lng=en.

Penna LM, Lemos SMA, Alves CRL. Habilidades linguísticas e auditivas de crianças usuárias de aparelho auditivo. Braz. j. otorhinolaryngol. [periódico da Internet]. 2015 Abr [acesso em 29/09/2016]; 81(2): 148-157. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942015000200148&lng=en.

Campos Ana Carolina Moreno de, Shirane Henrique Yassuhiro, Takemoto Paulo Vitor Atsushi, Lourenço Edmir Américo. Triagem auditiva neonatal universal: conhecimento dos pediatras e neonatologistas em Jundiaí, São Paulo, Brasil . Braz. j. otorhinolaryngol. [periódico da Internet]. 2014 Out [acesso em 29/09/2016]; 80(5): 379-385. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942014000500379&lng=en.

Brasil. Ministério da Saúde . Humaniza SUS: acolhimento com avaliação e classificação de risco. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2004. 44 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento.pdf.

Caparroz SC. O resgate do parto normal: contribuições de uma tecnologia apropriada. Joinville: Univille. 2003.

Barros AJD, Santos IS, Matijasevich A, Domingues MR, Silveira M, Barros FC et al . Patterns of deliveries in a Brazilian birth cohort: almost universal cesarean sections for the better-off. Rev. Saúde Pública [periódico da Internet]. 2011 Ago [acesso em 29/09/2016]; 45(4): 635-643. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000400001&lng=en.

Rattner D. Sobre a hipótese de estabilização das taxas de cesárea do Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública [periódico da Internet]. 1996 Fev [acesso 29/09/2016]; 30(1): 19-33. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101996000100004&lng=en.

Faúndes A, Pádua KS, Osis MJD, Cecatti JG, Sousa MH. Opinião de mulheres e médicos brasileiros sobre a preferência pela via de parto. Rev. Saúde Pública [periódico da Internet]. 2004 Ago [acesso em 29/09/2016]; 38(4): 488-494. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102004000400002&lng=en.

Mandarino NR, Chein MBC, Monteiro Júnior FC, Brito LMO, Lamy ZC, Nina VJS et al. Aspectos relacionados à escolha do tipo de parto: um estudo comparativo entre uma maternidade pública e outra privada, em São Luís, Maranhão, Brasil. Cad. Saúde Pública [periódico da Internet]. 2009 Jul [acesso em 29/09/2016]; 25(7): 1587-1596. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009000700017&lng=en.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n57.5271