QUALIDADE DE VIDA E RESILIÊNCIA EM PACIENTES PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

Davisson Gonçalves Giaretta, Evelyn Soledad Reyes Vigueras, Patricia Pereira Ruschel, Camila Souza

Resumo


Em âmbito mundial, as doenças crônicas não transmissíveis são responsáveis pelas principais causas de morte e incapacidade. Entre essas, encontram-se as de maior importância para a saúde pública, as doenças cardiovasculares. Tendo em vista que a capacidade de resiliência e a Qualidade de Vida são construtos relevantes a serem considerados em pacientes internados em ambiente hospitalar, o presente estudo objetiva verificar como se apresentam esses conceitos em indivíduos que realizaram cirurgia de revascularização do miocárdio e/ou cirurgia de válvula em uma instituição hospitalar. Para tanto, foi realizada uma pesquisa transversal na qual foram  aplicados um questionário sociodemográfico, o questionário de qualidade de vida SF-12 e uma escala de resiliência. Participaram desse estudo 37 pacientes, maioria do sexo masculino, submetidos à primeira intervenção cirúrgica. Observou-se uma média de 37,3 pontos (dp ±4,4) e 43,3 (dp±7,6) nos componentes físico e mental da escala de Qualidade de Vida SF-12, respectivamente. Já a escala de Resiliência aplicada revelou média de 131 (dp±31). Verificou-se uma correlação direta fraca entre o componente físico da qualidade de vida com o escore de resiliência (r=0,386, p=0,02), o que sugere tendência positiva entre tais conceitos.


Palavras-chave


Psicologia; Psicologia da Saúde; Psicologia Hospitalar

Texto completo:

PDF

Referências


Rocha L, Maia TF, Silva LF. Diagnósticos de enfermagem em pacientes submetidos a cirurgias cardíaca. Acta Paul Enferm 2006; 59(3):321-326.

Tarasoutchi F, Montera MW, Grinberg M, Barbosa MR, Piñeiro DJ, Sánchez CRM, Barbosa MM, Barbosa GV et al. Diretriz Brasileira de Valvopatias - SBC 2011 / I Diretriz Interamericana de Valvopatias - SIAC 2011. Arq Bras Cardiol 2011; 97(5 supl. 1): 1-67

Minayo MC. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva 2000; 5(1):7-18.

Alvares FBL. Qualidade de Vida em Crianças Portadoras de Cardiopatia Congênita [Dissertação de Mestrado]. Campo Grande (MS): Universidade Católica Dom Bosco; 2012.

Minayo MdS, Hartz Z, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência saúde coletiva 2000;5(1):7-18

Noronha MGRCS, Cardoso PS, Moraes TNP, Centa ML. Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família? Ciência e Saúde Coletiva 2009;14(2):497-506.

Castro EK, Moreno-Jiménez B. Resiliencia en niños enfermos crônicos: aspectos teóricos. Psicologia em Estudo 2007;12: 81-86.

Pesce R. et all. Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cad. Saúde Pública 2005;21(2):436-448.

Rutter M. Resilience: Some conceptual considerations. Journal of Adolescent health 1993;14:626-631.

Yunes MAM, Szymanski H. Resiliência: Noção, conceitos afins e considerações críticas. In: Tavares, organizador. Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez; 2001. P. 13-42.

Morais, NA, Koller, SH. Abordagem ecológica do desenvlvimento humano, psicologia positiva e resiliência: Ênfase na saúde. In: Koller SH, organizador. Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisas e Intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004. P. 91-107.

Santana JJRA, Fernandes LFB, Zanin CR, Waeteman CM, Soares M. Grupo educativo de cirurgia cardíaca em um hospital universitário: impacto psicológico. Estudos de Psicologia 2010; 27(1):31-39.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2009: uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Polanczyk, CA. Fatores de risco cardiovascular no Brasil: os próximos 50 anos! Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2005; 84(3):199-201.

Gus I, Fischmann A, Medina C. Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2002; 78(5):478-483.

Amorim LdFP. Prevalência das cardiopatias congênitas diagnosticadas ao nascimento no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais [Dissertação de Mestrado]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2007.

Sampalis J, Boukas S, Liberman M, Reid T, Dupuis G. Impact of waiting time on the quality of life of patients awaiting coronary artery bypass grafting. MAJ 2001;165:429-33.

Favarato, MECS, Favarato D, Hueb WA, Aldrighi JM. Qualidade de vida em portadores de doença arterial coronária: comparação entre gêneros. Rev Assoc Med Bras 2006; 52(4):236-41.

Takiuti ME, Hueb W, Hiscock SB, Nogueira CRSdaR, Girardi P, Fernandes F et al . Qualidade de vida após revascularização cirúrgica do miocárdio, angioplastia ou tratamento clínico. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2007; 88( 5 ): 537-544.

Nogueira CRSR, Hueb W, Takiuti ME, Girard PBMA, Nakano T, Fernandes F et al. Qualidade de vida após revascularização cirúrgica do miocárdio com e sem circulação extracorpórea. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2008; 91(4):238-44.

Bianchini DCS, Dell'Aglio DD. Processos de resiliência no contexto de hospitalização: um estudo de caso. Paideia 2006; 16(35):427-36.

Grings CO, Vigueras ESR. Superando as adversidades: resiliência diante da doença arterial coronariana. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 2012;10(32):55-61.

Meister RE, Weber T, Princip M, Schnyder U, Barth J, Znoj H, Schmid JP, Känel R. Resilience as a correlate of acuate stress disorder symptoms in patients with acuate myocardial infarction. Opem Heart 2015; 2(7):116-28.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5399