AÇÕES DESENVOLVIDAS PARA PROMOVER A QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Elon Saúde Caires, Claudete Rempel, Cássia Regina Gotler Medeiros

Resumo


Introdução: A hipertensão arterial sistêmica é uma doença crônica que causa impactos negativos na qualidade de vida das pessoas acometidas. Objetivos: Analisar as ações desenvolvidas para promover a qualidade de vida de pessoas com hipertensão arterial sistêmica descritas nas teses e dissertações. Materiais e métodos: Trata-se de uma revisão de literatura, realizada na biblioteca digital brasileira de teses e dissertações, todas produzidas no período de 2007 a 2016, com as palavras-chave: “hipertensão arterial sistêmica” e “qualidade de vida”. Resultados: Foram analisadas 11 produções científicas que se enquadraram no critério de seleção e que foram capazes de contribuir para a resposta da questão norteadora, sendo sete dissertações e quatro teses. Quanto aos sujeitos participantes, um trabalhou com pessoas com mais de 18 anos, seis com pessoas com HAS, um com pessoas com HAS em tratamento medicamentoso, dois com idosos e um trabalhou com pessoas hipertensas e coronariopatas. Conclusão: Verificou-se com a pesquisa que a qualidade de vida de pessoas com hipertensão arterial sistêmica é influenciada pelos efeitos adversos dos medicamentos utilizados no tratamento, sintomas, sedentarismo ou sequelas (comprometimento de órgãos-alvo). Além disso, o aumento da pressão arterial, histórico de acidente vascular encefálico e índice de massa corporal acima dos padrões de normalidade são preditores negativos para a manutenção da qualidade de vida.


Palavras-chave


Hipertensão arterial sistêmica. Qualidade de vida. Atenção básica à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Hipertensão arterial sistêmica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Malachias MVB. et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2016; 107(3): 1-103.

Brandão AA et al. Conceituação, epidemiologia e prevenção primária. J. Bras. Nefrol. 2010; 32(1): 1-4.

Brito DMS et al. Qualidade de vida e percepção da doença entre portadores de hipertensão arterial. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(4): 933-940.

Lopes HF. Genética e hipertensão arterial. Rev Bras Hipertens. 2014; 21(2): 87-91.

Minayo MCS. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 2010.

Monteiro MF, Sobral Filho DC. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Rev Bras Med Esporte. 2004; 10(6): 513-516.

Schulz RB et al. Validation of the short form of Spanish hypertension quality of life questionnaire (MINICHAL) for Portuguese (Brasil). Arq Bras Cardiol. 2008; 30(2): 127-131.

Carvalho MN. Qualidade de Vida de Pacientes Hipertensos e Comparação entre dois Instrumentos de Medida de QVRS. Arq. Bras. Cardiol. 2012; 98(5): 442-451.

The whoqol group. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med. 1995; 41: 1403-10.

Souza ACC, Borges JWP, Moreira TMM. Qualidade de vida e adesão ao tratamento em hipertensão: revisão sistemática com metanálise. Rev. Saúde Pública. 2016; 50(71): 1-14.

Fleck MPA et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev. Saúde Pública. 2000; 34(2): 178-183.

Menezes Júnior JE et al. Educação em saúde como estratégia para melhoria da qualidade de vida dos usuários hipertensos. Rev Rene, Fortaleza. 2011; 12: 1045-51.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5415

Indexadores: