CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM NO MANEJO DA DOR DE PACIENTES ONCOLÓGICOS

Hellen Cristina Almeida Abreu de Lara, Elizete Aparecida Rubira, Samira Reschetti Marcon, José Roberto Temponi de Oliveira, Alyne Silva Britto, Roselma Marcele da Silva Alexandre

Resumo


Introdução: O controle da dor é um dos desafios para o câncer, dentre os profissionais envolvidos nesse manuseio é a equipe de enfermagem. Dessa forma, nota-se a necessidade de avaliações do conhecimento de enfermagem em relação à dor dos pacientes em tratamento oncológico.

Objetivo: identificar o conhecimento dos profissionais de enfermagem no manejo da dor de pacientes portadores de neoplasias malignas em tratamento clínico e cirúrgico.

Método: Estudo transversal, realizado com os profissionais de enfermagem das clínicas médico e cirúrgica. Foram utilizados 2 questionários: 1º composto por questões abertas e subjetivas, e o 2º questões fechadas e objetivas.

Resultados: Entre os profissionais, 60 % conheciam os tipos de dor. Quanto ao conhecimento sobre as escalas existentes, no questionário 1, relataram que conhece as escalas de dor existentes, e 63,6% disseram que não conhecem. No entanto, no questionário 2 36,1% relataram que não conhecem. O grau de concordância entre os questionários, tornou claro a falta de conhecimento no manejo da dor em ambos questionários, pois tanto as respostas subjetivas como as objetivas mostraram baixo conhecimento no manejo e tratamento da dor.

Conclusão: Evidenciou que a equipe de enfermagem deve ser treinada no que se refere ao manejo da dor, para que seja possível atrelar conhecimento e ação.

 


Palavras-chave


Enfermagem; Neoplasias; Dor; Equipe de enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Morete MC, Minson FP. Instrumentos para a avaliação da dor em pacientes oncológicos. Rev dor. 2010; 11(1): 74-80.

Alves VS, Santos TS, Trezza MCSF, Santos RM, Monteiro FS. Conhecimento de Profissionais da Enfermagem sobre Fatores que Agravam e Aliviam a Dor Oncológica. Revista Brasileira de Cancerologia 2011; 57(2):199-206.

Rheingans JI. A systematic review of nonpharnmacologic adjunctive therapies for symptom management in children with câncer. J Ped Oncol Nurs 2007; 24 (2): 81-94.

Magalhães PAP, Mota FA, Saleh CMR, Dal Secco LM, Fusco SRG, Gouvêa AL. Percepção dos profissionais de enfermagem frente à identificação, quantificação e tratamento da dor em pacientes de uma unidade de terapia intensiva de trauma. Rev. dor. 2011; 12(3): 221-225.

Fellowes D, Barnes K, Wilkinson S. Aromaterapia y masajes para el alivio sintomático de los pacientes oncológicos (Cochrane Review). In: La Biblioteca Cochrane Plus, Issue 3, 2008.

Abreu MAV, Reis PED, Gomes IP, Rocha PRS. Manejo não farmacológico da dor em pacientes com câncer: revisão sistemática / Non pharmacologic pain management on oncologic patients: systematic review. Online braz. j. nurs. (Online); 8(1)2009.

Pedroso RA, Celich KLS. Dor: quinto sinal vital, um desafio para o cuidar em enfermagem. Texto contexto - enferm. 2006; 15(2): 270-276.

Xue Y1, Schulman-Green D, Czaplinski C, Harris D, McCorkle R. Pain Attitudes and Knowledge Among RNs, Pharmacists, and Physicians on an Inpatient Oncology Service. Clinical Journal of Oncology Nursing; 11(5): 687-95, 2007.

Alves VS, Santos TS, Trezza MCSF, Santos RM, Monteiro FS. Conhecimento de profissionais da Enfermagem sobre fatores que agravam e aliviam a Dor Oncológica. Rev. bras. cancerol; 57(2): 199-206, abr./jun. 2011.

Chotolli MR, Luize PB. Métodos não farmacológicos no controle da dor oncológica pediátrica: visão da equipe de enfermagem. Rev. dor. 2015; 16(2): 109-113.

Waterkemper R, Reibnitz KS. Cuidados paliativos: a avaliação da dor na percepção de enfermeiras. Rev Gaucha Enferm Porto Alegre. 2010; 31(1):84-91.

Francischinelli AGB, Modena T, Morete MC. Conhecimento dos profissionais de enfermagem quanto às medidas não farmacológicas para o alívio da dor nos pacientes pediátricos. Revista Dor. 2009; 10(1):19-24.

Kulkamp IC, Barbosa CG, Bianchini KC. Percepção de profissionais da saúde sobre aspectos relacionados à dor e utilização de opióides: um estudo qualitativo. Ciênc Saúde Colet; 2008, 13 (1): 721-31.

Ribeiro MCO, Pereira CU, Sallum AMC, Alves JAB, Albuquerque MF, Fujishima PA. Conhecimento de médicos e enfermeiros sobre dor em pacientes submetidos à craniotomia. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012; 20(6): 1057-1063.

Nascimento LA, Santos MR, Aroni P, Martins MB, Kreling MCGD. Manejo da dor e dificuldades relatadas pela equipe de enfermagem na administração de opióides. Rev. Eletr. Enf. 2011;13(4):714-20.

Oliveira A L, Palma SN, CBAS. Manuseio da dor crônica em pacientes oncológicos pela equipe de enfermagem. Rev. dor. 2016; 17(3): 219-222.

Cunha FF, Rêgo LP. Enfermagem diante da dor oncológica. Rev. dor. 2015; 16(2): 142-145.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5436