TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA: CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA DE FAMÍLIAS DE CRIANÇAS RENAIS

Grasiele Cristina Lucietto, Rosa Lucia Rocha Ribeiro, Rondinele Amaral da Silva, Vagner Ferreira do Nascimento

Resumo


Introdução: A Terapia Comunitária Integrativa (TCI) é uma metodologia de cuidado que possibilita aos participantes partilhar experiências e tecer redes sociais, minimizando o sofrimento psíquico. Objetivo: Conhecer as repercussões da TCI para familiares de crianças e adolescentes renais crônicos. Materiais e Métodos: O estudo foi realizado no Ambulatório de Nefrologia Pediátrica de um Hospital Universitário, no município de Cuiabá, Mato Grosso. O material empírico é composto da transcrição das rodas, que foram filmadas, e das anotações da observação participante. Resultados: evidenciaram a TCI como um espaço privilegiado para compartilhar experiências e elevar a autoestima. A TCI tem demonstrado que a troca, a fala, o conhecimento dos sofrimentos alheios tem sido fonte de construção da resiliência. Essa prática viabiliza a formação de redes solidárias e promoção da autonomia. Conclusão: A TCI se mostrou efetiva como cuidado complementar a atenção integral dessas famílias.


Palavras-chave


Terapia, Comunidade, Enfermagem Pediátrica, Doença Crônica, Nefrologia

Texto completo:

PDF

Referências


Barreto AP, Lazarte R. Uma Introdução à Terapia Comunitária Integrativa: conceito, bases teóricas e método. In: Ferreira Filha MO, Lazarte R, Dias MD. Terapia comunitária integrativa: uma construção coletiva do conhecimento. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2013.

Carvalho MAP, Dias MD, Miranda FAN, Ferreira Filha MO. Contribuições da terapia comunitária integrativa para usuários dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): do isolamento à sociabilidade libertadora. Cad. Saúde Pública. 2013 out [acesso em: 12 dez 2016]; 29(10):2028-2038. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v29n10/a19v29n10.pdf

Silva GT, Costa ALRC, Buzzeli CP, Maruyama SA, Ribeiro RLR. Significados da participação em roda de terapia comunitária para os estudantes de uma universidade pública. Cienc Cuid Saúde. 2012 Jul/Set [acesso em: 12 nov 2016]; 11(3):445-453. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/14967/pdf

Carício MR et al. Terapia Comunitária: um encontro que transforma o jeito de ver e conduzir a vida. In: Ferreira Filha MO, Lazarte R, Dias MD. Terapia comunitária integrativa: uma construção coletiva do conhecimento. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2013.

Braga LAV et al. Terapia Comunitária e Resiliência: história de mulheres. In: Ferreira Filha MO, Lazarte R, Dias MD. Terapia comunitária integrativa: uma construção coletiva do conhecimento. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2013.

Melo OS, Ribeiro LRR, Costa ALRC, Urel DR. Repercussões da terapia comunitária integrativa nas pessoas doentes renais durante sessão de hemodiálise. J. res.: fundam. Care [Internet]. 2015 abr/jun [acesso em: 10 jan 2017]; 7(2):2200-2214. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/5057/505750946002.pdf

Gondim KM, Carvalho ZMF. Sentimentos das mães de crianças com paralisia cerebral à luz da teoria de Mishel. Esc Anna Nery. 2012 jan/mar [acesso em: 12 nov 2016]; 16(1): 11-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-81452012000100002&lng=e&tlng=e

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. v. 5, n. 7, p. 01-12, 2017.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Huatec, 2015.

Afonso SBC, Gomes R, Mitre RMA. Narrativas da experiência de pais de crianças com fibrose cística. Interface [Internet]. 2015 [acesso em: 14 dez 2017]; 19(55):1077-88. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v19n55/1807-5762-icse-1807-576220140569.pdf

Nóbrega VM, Reichert APS, Silva KL, Coutinho SED, Collet, N. Imposições e conflitos no cotidiano das famílias de crianças com doença crônica. Esc. Anna Nery. 2012 [acesso em: 10 nov 2016]; 16(4): 781-788. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-81452012000400020&lng=p&tlng=pt

Baltor MRR, Matos APK, Wernet M, Ferreira NMLA, Dupas G. Percepções da família da criança com doença crônica frente às relações com profissionais da saúde. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2013 [acesso em: 10 nov 2017]; 47(4):808-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n4/0080-6234-reeusp-47-4-0808.pdf

Costa EAO, Dupas G, Sousa EFR, Wernet M. Doença crônica da criança: necessidades familiares e a relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2013 [acesso em: 10 jul 2017];34(3):72-78. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n3/a09v34n3.pdf

Nóbrega VM, Reichert APS, Viera CS, Collet N. Longitudinalidade e continuidade do cuidado à criança e ao adolescente com doença crônica. Esc Anna Nery. 2015 [acesso em: 15 out 2017];19(4):656-663. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n4/1414-8145-ean-19-04-0656.pdf

Camarotti MH. Resiliência: o poder da autotransformação da neurociência à evolução humana. Brasília: Editora Kiron, 2013.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5448

Indexadores: