A UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA POR PROFISSIONAIS DE SAÚDE: REVISÃO INTEGRATIVA

FERNANDA FERREIRA DE SOUSA, Isabele Alves De Sousa, Luciane Marta Neiva De Oliveira

Resumo


A transmissão de agentes infecciosos é um crítico agravante à saúde pública. As medidas de precaução-padrão são consideradas um conjunto de medidas adotadas como forma eficiente de redução dos riscos de infecção, incluindo a lavagem de mãos, o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) e de proteção coletiva (EPC), manuseio apropriado de resíduos dos serviços de saúde e imunização. Objetivo: investigar através de uma revisão de literatura a utilização de EPI e EPC por profissionais de saúde, e o reconhecimento da importância desta pratica pelos mesmos, dentro do âmbito das medidas de precaução padrão para controle de infecções hospitalares. Metodologia: Esta pesquisa trata-se de uma revisão integrativa realizada nos meses de outubro e novembro de 2017, através das bases eletrônicas, LILACS, MEDLINE e SciELO, por meio do portal regional da biblioteca virtual em saúde (BVS). Resultados: foram selecionados 5 artigos de caráter transversal com base nos critérios de inclusão e exclusão, os  quais serviram de base para a coleta de informações relevantes para os resultados,e foram tabelados e expostos. Conclusão: o presente estudo estabelece que o uso de equipamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva por trabalhadores da área de saúde não é adotada de maneira eficaz, sugerindo à falta de adesão e conhecimento sobre as medidas de proteção padrão.

Palavras-chave


Fisioterapia

Texto completo:

PDF

Referências


Capelletti RV, Moraes AM. Waterborne Mcroorganisms and Biofilms Related to Hospital Infections: Strategies for Prevention and Control in Healthcare Facilities. J of Water and H 2015 Aug;14(1):52-67.

Padoveze MC, Fortaleza CMCB. Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde: dDesafios para a Saúde Pública no Brasil. Rev Saúde Pública 2014 Jun;48(6):995-1001.

Valle ARMC, Moura MEB, Nunes BMVT, Figueiredo MLF. A Biossegurança sob o Olhar de Enfermeiros. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2012 jul-set;20(3):361-7.

Cordeiro TMSC, Neto JNC, Cardoso MCB, Mattos AIS, Santos KOB, Araújo TM. Acidentes de trabalho com exposição à material biológico: Descrição dos casos na Bahia. R Epidemiol Control Infec, Santa Cruz do Sul, 2016 Abr; 6(2): 50-56.

Silva GS, Almeida AJ, Paula VS, Villar LM. Conhecimento e Utilização de Medidas de Precaução Padrão por Profissionais de Saúde. Esc Anna Nery 2012 jan-mar;16(1):103-10.

Rezende KCAD,Tipple AFV, Siqueira KM, Alves SB, Salgado TA,Pereira MV. Adesão à Higienização das Mãos e ao uso de Equipamentos de Proteção Pessoal por Profissionais de Enfermagem na Atenção Básica em Saúde. Cienc Cuid Saude 2012 Abr-Jun;11(2): 343-51.

Menegueti MG, Silvia RMC, Rodrigues FB , Laus AM. Avaliação dos Programas de Controle de Infecção Nosocomial em serviços de saúde. Rev Lat Am Enfermagem 2015 Jan-Fev; 23 (1): 98-105.

Oliveira AC, Paula AO. A percepção dos Profissionais de Saúde em Relação à Higienização das Mãos. J. res fundam care online 2017. Abr-jun; 9(2): 321-26.

Rodrigues PS, Sousa AFL, Magro MCS, Denise de Andrade D, Hermann PRS. Acidente Ocupacional entre Profissionais de Enfermagem Atuantes em Setores Críticos de um Pronto-Socorro. Esc Anna Nery 2017 Fev;21(2):1-6.

Nouetchognou JS ,Ateudjieu J , Jemea B , Mbanya D. Exposição acidental ao sangue e aos fluidos corporais entre os profissionais de saúde em um Hospital de Referência dos Camarões. BMC Res Notes 2016 Fev; 9: 94-103.

Stanganelli, NC, Perfeito RR, Vieira CC, Trevisan MJ, Vivan RPH; Gonçalves ARB. A Utilização de Equipamentos de Proteção Individual entre Trabalhadores de Enfermagem de um Hospital Público. Cogitare Enferm 2015 Abr-Jun; 20(2): 345-51.

La-Rotta EIG, Garcia CS, Barbosa F, Santos AF, Vieira GMM, Carneiro M. Avaliação do Nível de Conhecimento e Conformidade com as Precauções Padronizadas e o Padrão de Segurança (NR32) Entre Médicos de um Hospital Universitário Público, Brasil. Rev. bras. epidemiol São Paulo 2013 Set; 16(3): 786-97.

Figueiredo DA, Vianna RPT, Nascimento JA. Epidemiologia da Infecção Hospitalar em umaUnidade de Terapia Intensiva de um Hospital Público Municipal de João Pessoa-PB. R bras ci Saúde 2013; 17(3): 233-240.

Delage DGA , Silva GA. Prevenção e controle das infecções hospitalares: um desafio em instituições de saúde de juiz de fora. Ver Baiana de S Pública 2011 Dez; 35(4): 984-1000.

Souza ELV, Jennara Nascimento JC, Caetano JA, Ribeiro RCV. Uso dos equipamentos de proteção individual em unidade de terapia intensiva. Rev de Enf Ref 2011Jul; 1(4): 125-133.

Furlong M , Tanner MC , Goldman SM , Bhudhikanok GS, Blair A , Chade A, et al. O uso de luvas protectoras e hábitos de higiene modificam as associações de pesticidas específicos com doença de Parkinson. Environ Int 2015 Fev; (0): 144-150.

Arnoldo L, Cattani G, Fabbro E, Cookson B, Gallagher R, Hartemann R et al. Harmonizando e apoiando o treinamento de controle de infecção na Europa. 2015 Ags; 89(4): 351-56.

Puccini PT. Perspectivas do controle da infecção hospitalar e as novas forças sociais em defesa da saúde. Ciênc. saúde coletiva 2011 Jul;16 (7): 3043-49.

Ribeiro G, Pires DEP, Scherer MDA. Práticas de Biossegurança no Ensino Técnico de Enfermagem. Trab. Educ Saúde Rio de Janeiro 2016 Dez ;14(3): 871-88




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5667