ANÁLISE DA CONDIÇÃO DE SAÚDE BUCAL DE MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA NO NORTE DO BRASIL

Jessica Miranda da Silva, Kelly Lene Lopes Calderaro Euclides, Izadora Virgolino do Nascimento Borborem, Paulla Iáddia Zarpellon Barbosa, Flávia Sirotheau Corrêa Pontes, Liliane Silva do Nascimento

Resumo


A violência de gênero é um problema de saúde pública que requer estratégias para o seu enfrentamento, prevenção e reparação de danos. Quando há ocorrência de violência física em mulheres, a cabeça e pescoço despontam como regiões frequentemente afetadas. Também, o sistema estomatognático sofre com agravos de ordem crônica e silenciosa. Este estudo analisou a condição de saúde bucal de 120 mulheres em situação de violência atendidas na Delegacia de Atendimento Especializado em Belém do Pará/Brasil no ano de 2017 e 2018. Identificou-se as características sociodemográficas e quanto a sua saúde bucal. Os resultados mostraram que 40 (33%) apresentavam entre 26 e 35 anos, 74 (61,67%) se autodeclararam pardas, 50 (41,67%) eram donas de casa/desempregadas, e) 56 (46,67%) possuíam o ensino médio completo. A análise de correspondência indicou que o tipo de violência e as categorias relacionadas à satisfação com as condições dos seus dentes e boca, sensibilidade dentinária e índice CPO-D são dependentes, apresentando um nível de significância de 0,05 (5%) e do critério Beta (?) maior ou igual a 3. Assim percebe-se que a alta prevalência de agravos bucais associada à situação de violência corrobora para a insatisfação e autoimagem feminina.


Palavras-chave


Violência doméstica. Saúde da mulher. Saúde bucal

Texto completo:

PDF

Referências


Dourado, S. M. & Noronha, C. V. (2015). A face marcada: as múltiplas implicações da vitimização feminina nas relações amorosas. Ciência & Saúde Coletiva, 20(9):2911-2920.

Castro, T. L. (2011). Lesões craniofaciais em mulheres vítimas de violência doméstica e familiar: registros do Departamento Médico Legal de Vitória (ES), entre 2004 e 2008. Dissertação de Mestrado. Unicamp. Piracicaba. São Paulo.

Miranda, M. P. M., de Paula C. S. &Bordin I. A. (2010). Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Revista Panamericana de Salud Publica, 27(4):300–8.

Silva, E. B., Padoin, S. M. M. & Vianna, L. A. C. (2015). Violência contra a mulher e a prática assistencial na percepção dos profissionais da saúde. Texto Contexto Enfermagem, 24(1): 229-37.

Souza L T. Da expectativa à realidade: Aplicação das sanções na Lei Maria da Penha. 1ed.Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016

Santos C M. (2010) Da delegacia da mulher à lei Maria da Penha: Absorção / tradução de demandas feministas pelo Estado. Revista Crítica de Ciências Sociais. 89,153-170.

Nascimento, L. S., Hage, C. A., Nakano, A. M. S., Azevedo, P. S. B. &Lettiere, A. (2012) Violence against Women and its Consequences to Women’s Oral Health. Gênero na Amazônia, 2.

Silva, A. F., Lima, V. L. A., Sena, L. X., Gomes, V. R., Santos, A. C. B. & Augusto, A. O. (2014). A versão da mídia e os danos potenciais de vida perdidos (APVP) de mulheres vítimas de violência. Revista do Laboratório de Estudo da Violência, 14.

Arboit J, Padoin SMM, Vieira LB, Paula CC, Costa MC, Cortes LF. (2017) Health care for women in situations of violence: discoordination of network professionals.Rev.Esc.Enferm.USP.2017;51:e03207.DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2016013603207

Garbin C A S, Dias I A, Rovida T A S, Garbin A J I, Challenges facing health professionals in the notification of violence: mandatory implementation and follow-up procedures. Ciênc. saúde coletiva vol.20 n.6 Rio de Janeiro Jun. 2015 (http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.13442014 )

Carvalho L M F, Galo R, Siva R H A, Dentist and domestic violence: knowledge of professionals in the public and private sectors. Medicina (Ribeirão Preto) 2013;46(3): 297-304 (http://revista.fmrp.usp.br/ )

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes – norma técnica. 3ª ed.

Fernandes, M. M., Bouchardet, F. C. H., Tavares, G. S. V., Daruge Junior, E., Paranhos, L. R. (2012). Aspectos odontolegais relacionados ao dano estético nos processos julgados pelo TJ/RS. Odonto. 20(40): 7-12

Halpern, L. R. (2010). Orofacial injuries as markers for intimate partner violence. Oral Maxillofacial Surgery Clinic North American., 22; 239-246.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística (IBGE). (2014). Área Territorial Oficial - Consulta Por Unidade Da Federação.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística (IBGE). (2015). Estimativas Da População Residente No Brasil E Unidades Da Federação Com Data De Referência Em 1º De Julho De 2015.

Luz, R. M. C. A. (2013). Disfunção temporomandibular e qualidade de vida em mulheres em situação de violência doméstica.

Miranda, M. P. M., de Paula C. S. & Bordin I. A. (2010). Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Revista Panamericana de Salud Publica, 27(4):300–8.

Garbin C A S, Queiroz A D G, Rovida T A S, Garbin A J I, Occurrence of Traumatic Dental Injury in Cases of Domestic Violence, Braz Dent J (2012) 23(1): 72-76, UNESP - Univ Estadual Paulista, Araçatuba Dental School, Araçatuba, SP, Brazil

Fávero L; Belfiore P; Silva F; Chan B. Análise dos Dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

Lopes H A M; Lopes I R M.; Santos A R J; Ramos E M L S; Almeida S S Espaço urbano e mobilidade das pessoas como construções sociais na BR-316 no estado do Pará. In: Almeida S S ; Araújo A R.; Ramos, E M L S (Org.). Segurança Pública: Gestão, Conflitos, Criminalidade e Tecnologia da Informação. 1.ed., Praia: Uni-CV, v. 1, p. 29-48, 2016.

Ramos E M L S; Almeida S S ; Araújo , A R (Orgs.). Segurança Pública: Uma abordagem Estatística e Computacional. Belém: Editora Universitária EDUFPA, v.1, p.101, 2008

Santi, L.N., Nakano, A. M. S. & Lettiere, A. (2010). Percepção de mulheres em situação de violência sobre o suporte e apoio recebido em seu contexto social. Texto e Contexto Enfermagem, 19(3):417-24.

Santi, L. N. (2007). Estudo com mulheres vítimas de violência doméstica com lesões no complexo maxilomandibular e problemas associados. Tese de Doutorado. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, USP, São Paulo.

Secretaria do Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (SEGUP PA). Disponível em: ( http://www.segup.pa.gov.br/ ) acesso em 20/02/2018

Silva, R. F., Prado, M. M., Garcia, R. R., Daruge Júnior, E. & Daruge, E. (2010). Atuação profissional do cirurgião-dentista diante da Lei Maria da Penha. Revista Sul-Brasileira de Odontologia, 7(1):110-6.

Schraiber L B , Barros C R S .(2017). Intimate partner violence reported by female and male users of healthcare units. Rev. Saúde Pública. 51.26 (https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006385 )

Oliveira MCA, Vieira ELR, Penha MRC, Melo EH, Caldas-Júnior AF. Characterization of women victims of violent death in a metropolitan area of Northeast Brazil. RGO, Rev Gaúch Odontol. 2015;63(4):439-45. (https://doi.org/10.1590/1981-863720150003000102883 )

Griebler C N, Borges J L. Violência contra a mulher: perfil dos envolvidos em boletins de ocorrência da Lei Maria da Penha. Psico. 2013;44(2):215-225.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n60.5670

Indexadores: