CUIDADO COM PACIENTES E FAMÍLIAS QUE VIVENCIAM O PROCESSO DE MORTE: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ENFERMEIRO

Amanda Regina da Silva Gois, Fatima Maria da Silva Abrão, Inacia SatiroXavier França

Resumo


Introdução: Enfermeiros cuidam da pessoa, família e coletividade, sendo assim, quando o sujeito inicia a vivencia do processo de morte a família também passa a ser alvo cuidar desses profissionais. Objetivo: Compreender e analisar as representações sociais dos enfermeiros sobre o cuidado com pacientes e famílias que vivenciam o processo de morte. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo de campo, exploratório, qualitativo de representações sociais. Realizado em unidades oncológicas de um hospital universitário, vinte um enfermeiros foram entrevistados, estas passaram por análise de conteúdo temático-categorial. Resultados: Emergiram da análise das falas, as seguintes unidades temáticas: 1) Cuidando do paciente em processo de morte; 2) Cuidando da família do paciente em processo de morte; 3) As relações e estratégias entre o enfermeiro, paciente e família diante do processo de morte; 4) Quando ou se é o seu familiar em processo de morte. Conclusão: O cuidado com a família do paciente em processo de morte é um desafio pelos diversos aspectos que envolvem. Destacando-se que a conversa, o diálogo, o respeito e o olhar introspectivo, podem mediar estas relações.


Palavras-chave


Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. Geneva. 2002; Suppl:12-46.

Rockembach JV, Casarin ST, Siqueira CHC. Morte pediátrica no cotidiano de trabalho do enfermeiro: sentimentos e estratégias de enfrentamento. Rev RENE. 2012; 11(2):20-32.

Kubler-Ross E. A roda da vida: memórias do viver e do morrer. 2. ed. Rio de Janeiro: Sextante; 1998

Silva AF, Issi HB, Motta MGB. A família da criança oncológica em cuidados paliativos: o olhar da equipe de enfermagem. Ciênc cuid saúde. 2012; 10(4): 820-27.

Benedetti G, Santos M. Significado do processo morte/morrer para os acadêmicos ingressantes no curso de enfermagem. Rev gaúch enferm. 2013; 34(1):173-79.

Oliveira, DC. Pontuando idéias sobre o desenvolvimento metodológico das representações sociais nas pesquisas brasileiras. Rev bras enferm [online]. 2005 [cited 2015 jun 12]; 58(1):86-90. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003471672005000100017&script=sci_arttext.

Bardin L. Análise de Conteúdo procedimentos metodológicos. 70. ed. Lisboa: Edições 70; 2007.

Baliza MF et al. Cuidados paliativos no domicílio: percepção de enfermeiras da Estratégia Saúde da Família. Acta paul enferm [online]. 2012 [cited 2015 jan 28];25(2):13-8. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010321002012000900003&script=sci_arttext&tlng=pt.

Jodelet D. As representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj; 2001. p.17-44

Miliorini JP et al. A família no contexto hospitalar: apreendendo os anseios e expectativas relacionadas com doença crônica. Rev RENE. 2012; 9(3): 34-6.

Abrão FMS, Góis ARS, Souza MSB, Araujo RA, Cartaxo CMB, Oliveira DC. Representações sociais de enfermeiros sobre a religiosidade ao cuidar de pacientes em processo de morte. Rev bras enferm. [Internet]. 2013 Oct [cited 2015 July 14] ; 66( 5 ): 730-737. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S00371672013000500014&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000500014.

Machado JH et al. Paciente que requer cuidados paliativos: percepção de enfermeiras. Enferm foco. 2015; 4(2):15-23.

Silveira RA, Oliveira ICS. O cotidiano do familiar/acompanhante junto da criança com doença oncológica durante a hospitalização. Rev Rene; 2012; 12(3):134-46.

Ferreira NML, Andrade CS, Stuchi Z. Cuidados paliativos e família. Rev ciênc méd. 2012; 17(1):237-45.

Fernandes MFP, Komessu JH. Desafios do enfermeiro diante da dor e do sofrimento da família de pacientes fora de possibilidades terapêuticas. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(1):250-7

Claudia L. Epelman. End-of-Life Management in Pediatric Cancer. Curr onco rep. 2012; 14(2): 191-6.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5772