MULHERES EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO: QUALIDADE DE VIDA E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

Lágila Cristina Nogueira Martins, Patrícia Magnabosco, Maria Elizabeth Roza Pereira

Resumo


Introdução: A Doença Renal Crônica (DRC) é um problema de saúde pública e sua evolução relaciona-se a altas taxas de morbimortalidade no Brasil e no mundo, sendo necessário, muitas vezes, Terapia Renal Substitutiva. O trabalho visa avaliar a qualidade de vida (QV) e a assistência de enfermagem de mulheres portadoras de DRC submetidas ao tratamento hemodialítico. Materiais e métodos: pesquisa descritiva, transversal com abordagem quantitativa realizada no setor de hemodiálise de um Hospital Universitário do Triângulo Mineiro. Para a coleta de dados foi utilizado um instrumento sociodemográfico semi-estruturado, SF-36 acrescido de questões referentes à assistência de enfermagem e para análise dos dados foi utilizado o programa SPSS. Resultados: das mulheres entrevistadas, 26,31% apresentaram entre 51 e 60 anos e 57,89% apresentaram hipertensão como doença de base da DRC.  Em relação ao instrumento SF-36, os domínios aspectos físicos, aspectos emocionais e dor foram os que receberam menores escores. Quanto a assistência de enfermagem, 94,74% das mulheres avaliaram a assistência recebida no referido local como satisfatória. Discussão: A DRC afeta principalmente pessoas em idade economicamente ativa e o tratamento debilitante interfere no desenvolvimento de atividades diárias e de lazer, gerando prejuízo psicológico, entretanto percebe-se que os escores referentes à saúde física do SF-36 afetaram mais a QV dessas mulheres do que os escores de saúde mental. Conclusão: A QV é prejudicada nesses pacientes, sendo agravada por algumas variáveis sociodemográficas, clínicas e hábitos de vida. Já a assistência de enfermagem é indispensável para o enfrentamento das dificuldades e adesão ao tratamento.

 


Palavras-chave


Qualidade de vida; Unidades Hospitalares de Hemodiálise; Cuidados de Enfermagem; Enfermagem em Nefrologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Bastos MG, Bregman R, Kirsztajn GM. Doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável. Rev. Assoc. Med. Bras. 2009 [citado 2016 Mar 26]; 56(2): 248-253.

United States Renal Data System. 2014 USRDS Annual Data Report. National Institutes of Health, National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. Bethesda; 2014.

Higa K, Kost MT, Soares DM, Morais MC, Polins BRG. Quality of life of patients with chronic renal insufficiency undergoing dyalisis treatment. Acta Paul. Enferm. 2008 [cited 2016 apr 22]; 21(número especial): 203-206.

Crestani Filho VJ, Rodrigues RAC. Progression of chronic kidney disease: ambulatory experience in Santarém - Pará. J. Bras. Nefrol. 2013 [cited 2016 Mar 17]; 35(2): 99-106.

Bastos MG, Kirsztajn GM. Chronic kidney disease: importance of early diagnosis, immediate referral and structured interdisciplinary approach to improve outcomes in patients not yet on dialysis. J. Bras. Nefrol. 2011 [cited 2016 Mar 03]; 33(1): 93-108.

Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Martins CT. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica 2014. J Bras Nefrol. 2014 [citado 09 ago 2017]; 38 (1):54-61.

Ribeiro IP, Pinheiro ALS, Soares ALA, Santos NFM. Perfil epidemiológico dos portadores de insuficiência renal crônica submetidos à terapia hemodialítica. Enferm. Foco. 2014. 5 (3/4): 65-69.

Valcanti CC, Chaves ECL, Mesquita AC, Nogueira DA, Carvalho EC. Religious/spiritual coping in people with chronic kidney disease undergoing hemodialysis. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012 [citado 2016 Apr 24]; 46(8): 838-845.

Soares KTA, Viesser MV, Rzniski TAB, Brum EP. Eficácia de um protocolo de exercícios físicos em pacientes com insuficiência renal crônica, durante o tratamento de hemodiálise, avaliada pelo SF-36. Fisioter. Mov. 2011 [citado 2016 Mar 09]; 24(1): 133-140.

Orlandi FS, Pepino BG, Pavarini SCL, Santos DA, Mendiondo MSZ. The evaluation of the level of hope of elderly chronic kidney disease patients undergoing hemodialysis. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011[cited 2016 Apr 24]; 46(4): 900-905.

Pabon-Varela Y, Paez-Hernandez KS, Paez-Hernandez KD, Medina-Atencio EC, López-Tavera M, Salcedo-Quintero LV. Calidad de vida del adulto con insuficiencia renal crónica, una mirada bibliográfica. Duazary. 2015 [cited 2017 Aug 26]; 12 (2):157-163.

Cabral AS. Carta da nefrologia. Sociedade Brasileira de Nefrologia. 2017 [citado 2017 Jul 02].

Angarita OMV. Percepción del apoyo social funcional en cuidadores familiares de enfermos crónicos. Aquichan. 2011 [citado 08 ago 2017]; 11(3): 274-286.

Pereira ÉF, Teixeira, CS, Santos A. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte. 2012, [citado 2018 Mar. 15]; 26(2): 241-250.

Alvares J, Almeida AM, Szuster DAC, Gomes IC, Andrade EIG, Acurcio FA, et al. Fatores associados à qualidade de vida de pacientes em terapia renal substitutiva no Brasil. Ciên. Saúde Coletiva. 2013[citado 2016 mar 09]; 18(7): 1903-1910.

Ravagnani LMB, Domingos NAM, Miyazaki MCOS. Qualidade de vida e estratégias de enfrentamento em pacientes submetidos a transplante renal. Estud. Psicol. 2007 [citado 2016 Mai 04]; 12(2): 177-184.

Santos I, Rocha RPF, Berardinelli LMM. Necessidades de orientação de enfermagem para o autocuidado de clientes em terapia de hemodiálise. Rev. Bras. Enferm. 2011 [citado 2016 apr 18]; 64(2): 335-342.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF - 36 (Brasil SF-36). Rev. Bras. Reumatol. 1999 [citado 2016 mai. 26]; 39(3): 143-150.

Takemoto AY, Okubo P, Bedendo J, Carreira L. Avaliação da qualidade de vida em idosos submetidos ao tratamento hemodialítico. Rev. Gaúcha Enferm. 2011[citado 2016 Mar 28]; 32(2): 256-262.

Guerra V, Sanhueza O, Cáceres M. Calidad de vida de personas en hemodiálisis crónica: relación con variables sociodemográficas, médico-clínicas y de laboratorio. Revista. Latino-Am. Enfermagem. 2012 [cited 2017 Aug 26]; 20(5): 838-846.

Pérez-García R, Martín-Malo A, Fort J, Cuevas X, Lladós F, Lozano J. Baseline characteristics of an incident haemodialysis population in Spain: results from ANSWER--a multicentre, prospective, observational cohort study. Nephrol Dial Transplant. 2009 [cited 2017 Aug 24];24:578-88

Santos TMB, Frazão IS. Qualidade de vida dos trabalhadores que realizam hemodiálise. Rev Ciênc. Méd. 2012[citado 2016 Mai 24]; 21(1-6): 5-14.

Silva AS, Silveira RS, Fernandes GFM, Lunardi VL, Backes VMS. Percepções e mudanças na qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev. Bras. Enferm. 2011[citado 2016 Jun 02]; 64(5): 839-844.

Terra FS, Costa AMDD. Avaliação da qualidade de vida de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise. Rev. Enferm. Uerj, Alfenas. 2007; 15(3): 430-436.

Escobar LMV. Intervención educativa para enfermería: cuidado espiritual durante la enfermedad crónic. Aquichan. 2016 [Citado 08 ago 2017]; 17 (1):30-41.

Moura RMF, Silva FCR, Ribeiro GM, Sousa LA. Efeitos do exercício físico durante a hemodiálise em indiví¬duos com insuficiência renal crônica: uma revisão. Fisioter. Pesqui. 2008[citado 2016 Mai 06]; 15(1): 86-91.

Tavares TB, Nunes SM, Santos MO. Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. Rev. Med. Minas Gerais. 2010[citado 2016 Jun 09]; 20(3): 359-366.

Caetano ERP, Praxedes JN. Lesão renal na hipertensão essencial. HiperAtivo. 1998[citado 2016 Jun 02]; 5(4): 234-241.

Valle LS, Souza VF, Ribeiro AM. Estresse e ansiedade em pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise. Estud.Psicol. 2013[citado 2016 Abr 29]; 30 (1): 131-138.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5790

Indexadores: