DIABETES: ADESÃO AO TRATAMENTO E O PAPEL DA FAMÍLIA A ESSA NOVA REALIDADE

Maísa Mônica Flores Martins, Maina Lima Rodrigues

Resumo


Introdução: As limitações e mudanças de vida do diabético após o diagnóstico causa um choque emocional, interferindo na vida familiar. A presença da família durante o tratamento facilita a sua recuperação, garantindo um suporte no controle glicêmico e na qualidade de vida. Novos programas educacionais possibilitam o conhecimento na condução da diabetes, transformando suas atitudes durante o enfrentamento da doença. Objetivo: Compreender a participação dos familiares na adesão ao tratamento e qualidade de vida do indivíduo diabético. Material e Método: Trata-se de uma pesquisa de campo, de abordagem qualitativa, descritiva. Realizada na Unidade de Fisioterapia (UNAFISIO) da Universidade Católica do Salvador, no Campus Pituaçu, em Salvador, Bahia. Foram entrevistados os usuários diabéticos que fazem acompanhamento na referida unidade. Resultados: Os resultados encontrados neste estudo representam a ideia de que uma doença crônica como a Diabetes Mellítus traz consigo problemas afetivos, psicológicos, econômicos e sociais, afetando o cotidiano da estrutura familiar. Considerações Finais: Conclui-se que a Diabetes Mellitus requer mudanças e novas atitudes tanto por partes dos portadores quanto dos seus familiares, buscando assim uma relação familiar mais ampla na qual esse paciente vai transformar os hábitos de vida, tendo em vista a promoção da saúde e qualidade de vida.  


Palavras-chave


Cuidados de Saúde; Diabetes Mellitus; Educação Nutricional; Relações Familiares.

Texto completo:

PDF

Referências


Leal DT, Fialho FA, Dias IMAV, Nascimento L, Arruda WC. A vivência dos familiares de crianças e adolescentes portadores de diabetes mellitus tipo 1 Rev. Eletr. Enfermagem, 2012; 14(1):189-96.

American Diabetes Association. Diagnosis and Classification of Diabetes Mellitus. Diabetes Care. [Internet]. 2012 Jan; 35 (Supplement 1): S64-S71. Available from: http://care.diabetesjournals.org/content/35/Supplement_1/S64.

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). Disponível em: http://www.diabetes.org.br/profissionais/images/docs/diretrizes-sbd-2015-2016.pdf.

IBGE, Pesquisa Nacional de Saúde 2013: Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Brasil, grande regiões e unidades de federação. Rio de Janeiro, IBGE, 2014, 180p.

Chesla CA, Fisher L, Mullan JT, Skaff MM, Gardiner P, Chun K, et al. Family and Disease Managment in African-American Patients with type 2 Diabetes. Diabetes care, 2004; 27(17), dez.

Chesla CA, Chun KM. Accommodating type 2 diabetes in the chinese american Family. Rev. Qualitative Health Research, 2005; 15: 240-255, Feb. 2005.

Nascimento LC, Guedes MVC. Rede e apoio social no cuidado familiar da criança com diabetes. Rev Bras. Enferm, 2016, 69(5):912-9.

Miller D, Brown J. Marital in the Process of Dietary of type 2 diabetes. Journal of Nutrition Educacional na Bachavior, 2005; 37(5):226-234.

Dias ELF, Wanderley JS, Mendes RT. (orgs.) Orientações para cuidados informais na assistência domiciliar. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002, p.141.

Figueira, ALG, VillasBoas LCG, Freitas MCF, Foss MC, Pace AE. Percepção do apoio social pela pessoa com Diabetes mellitus e úlceras nos pés. Acta Paul Enferm. 2012; 25(número especial1):20-6.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde, 13ª Ed., Editora São Paulo: Hucitec, 2013.

Oliveira KCS, Zanetti ML. Conhecimento e atitude de usuários com diabetes mellitus em um Serviço de Atenção Básica à Saúde. Rev. esc. enferm. 2011; 45(4).

Policarpo NS, Moura JRA, Júnior EBM, Almeida PC, Macêdo SF, Silva RV. Conhecimento, atitudes e práticas de medidas preventivas sobre pé diabético. Rev Gaúcha Enferm set; 2014; 35(3): 36-42.

Gil GP, Haddad MCL, Guariente MHDM. Conhecimento sobre diabetes mellitus de pacientes atendidos em programa ambulatorial interdisciplinar de um hospital universitário público. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, 2008; 29 (2):141-154.

Pace AE, Ochoa-Vigo K, Caliri MHL, Fernandes, APM. O conhecimento sobre diabetes mellitus no processo de autocuidado. Rev Latino-am Enfermagem, 2006; 14(5).

Pereira DA, Costa NMSC, Sousa ALL, Jardim PCBV, Zanini CRO. Efeito de intervenção educativa sobre o conhecimento da doença em pacientes com diabetes mellitus. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2012; 20(3).

Grossi AS, Pascali PM. Cuidados de enfermagem em diabetes melittus. Sociedade Brasileira de Diabetes. Departamento de Enfermagem da Sociedade Brasileira de Diabetes. Rev de atenção à saúde, São Paulo, 2009.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. Ed. Científica: Clannad, São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes-sbd-2017-2018.pdf. Acesso em: 12 ago 2018.

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2014-2015). Como prescrever o exercício no tratamento do diabetes mellitus. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/profissionais/images/pdf/diabetes-tipo-2/005-Diretrizes-SBD-Como-Prescrever-pg42.pdf.

Pérez DS, Santos MA, Zanetti ML, Ferronato AA. Dificuldades dos pacientes diabéticos para o controle da doença: sentimentos e comportamentos. Rev Latino-am Enfermagem; 2007; 15(6).

American Diabetes Association. Standards of Medical Care in Diabetes. Diabetes Care, [Internet]. 2014 Jan; 37 (Supplement 1): S14-S80. Available from: https://doi.org/10.2337/dc14-S014.

Valentin AS, Haddad MCL, Rossaneis MA. Dificuldades vivenciadas pelo portador de diabetes mellitus residente em distrito rural. Rev enferm UFPE on line., Recife, 2015; 9(4):7330-7, abr.

Barreto MS, Marcon SS. Participação familiar no tratamento da hipertensão arterial na perspectiva do doente. Texto Contexto Enferm, 2014; 23(1):38-46.

Rossi VEC, Pace AE, Hayashida M. Apoio familiar no cuidado de pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Ciencia et Praxis, 2009 2(3):41-46.

Giacon BCC, Galera SAF. Ajustamento familiar após o surgimento da esquizofrenia. Rev. bras. enferm. 2013, 66(3):321-326.

Organização Mundial da Saúde (BR). Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação relatório mundial, Brasília, DF: OMS, 2003.

Rezende Neta DS, Silva ARV, Silva GRF. Adesão das pessoas com diabetes mellitus ao autocuidado com os pés. Rev Bras Enferm. 2015; 68(1):111-6.

Caixeta CC. Ajustamento familiar no contexto do diabetes tipo 2. 2010.11F. [Tese-Doutorado] – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010.

Mendes GF, Rezende ALG, Dullius J. Nogueira JAD. Barreiras e facilitadores da adesão a um programa de educação em diabetes: a visão do usuário. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2017;22(3):278-289.

Lewin AB, Heidgerken AD, Geffken GR, Williams LB, Storch EA, Gelfand KM, et al. The relation between family factors and metabolic control: the role of diabetes adherence. Journal of Pediatric Psychology, 2006; 31(2): 74–183.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5838