ANÁLISE DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS PARA PROMOVER A QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Elon Saúde Caires, Claudete Rempel, Cássia Regina Gotler Medeiros

Resumo


Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma patologia crônica multifatorial que afeta diretamente a qualidade de vida (QV) das pessoas. Objetivo: Analisar na literatura científica as produções relacionadas as ações desenvolvidas para promover a QV de pessoas com HAS. Materiais e métodos: Foi realizada uma revisão integrativa, tendo como categoria textual artigos científicos disponíveis nos agregadores de base de dados EBSCO e Portal de Periódicos CAPES, utilizando-se os descritores em português “hipertensão arterial sistêmica” e “qualidade de vida”, e em inglês “arterial hypertension” and “quality of life”. Resultados: Foram analisados 13 artigos, sendo 04 da EBSCO e 09 do Portal de Periódicos CAPES. Quanto aos locais de coleta de dados, um estudo foi realizado na zona rural, sete em unidades básicas de saúde (UBS) / estratégia saúde da família (ESF), um em farmácia comunitária, um na zona urbana, um no Paquistão, um na China e um na Europa Oriental e Centro-Oeste da Europa. Conclusões: O estudo permitiu identificar que a prática de atividade física, o HIPERDIA, a educação em saúde e a terapia medicamentosa parecem ser determinantes no nível de todas as dimensões da QV de pessoas com HAS. Ações destinadas a sua promoção tem grande potencial de sucesso quando forem realizadas por uma equipe multiprofissional, especialmente na ESF. Portanto, este estudo sugere que mais pesquisas sejam realizadas pelos cientistas, com o intuito de conhecer quais ações estão sendo desenvolvidas pelas ESF para promover a QV de pessoas com HAS, pois a HAS é uma patologia crônica que pode causar a depreciação da QV dos acometidos.


Palavras-chave


Qualidade de vida. Hipertensão arterial sistêmica. Atenção básica à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Hipertensão arterial sistêmica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013.

Malachias MVB. et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2016; 107(3): 1-103.

Weber D, Oliveira KR, Colet CF. Adesão ao tratamento medicamentoso e não medicamentoso de hipertensos em Unidade Básica de Saúde. Rev Bras Hipertens. 2014; 21(2): 114-121.

Weber MA et al. Clinical practice guidelines for the management of hypertension in the community a statement by the American Society of Hypertension and the International Society of Hypertension. Off J Am SocHypertens. 2014; 16(1): 14-26.

Kearney PM et al. Global burden of hypertension: analysis of worldwide data. Lancet. 2005; 365(9455): 217-223.

Chobanian AV (Org). The seventh report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure. Washington D.C.: National Institutes of health: 2004. 88 p.

Grandi AM et al. Longitudinal study on hypertension control in primary care: the Insubria study. American Journal Hypertension. 2006; 19(2): 140-145.

Marquez Contreras E et al. Are hypertensive patients managed in primary care well evaluated and controlled? HICAPstudy Na Med Interna. 2007; 24(7): 312-316.

Sharma AM et al. High prevalence and poor control of hypertension in primary care: crosssectional study. J. Hypertension. 2004, 22(3): 479-486.

Ngomane AY, Abreu RM, Ciolac EG. Effects of heated water-based exercise on blood pressure: a systematic review. Fisioter. mov. 2018; 31: e003105 .

Pires NF. Estudo da superposição de mecanismos fisiopatológicos como modelo de hipertensão arterial com repercussões cardíacas graves. Rev Bras Hipertens. 2014; 21(2): 104-113.

Bhandari N. Quality of life of patient with hypertension in Kathmandu. International Journal of Nursing Sciences. 2016; 3: 379-384.

Who. Development of the World Health Organization WHOQOL-BREF quality of life assessment, The WHOQOL Group. Psychol Med. 1998; 28: 551-558.

Tavares DMS et al. Socio-demographic characteristics and quality of life of elderly patients with systemic arterial hypertension who live in rural areas: the importance of nurses' role. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(2): 515-522.

Minayo MCS. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 2010.

Freitas Filho GA. Avaliação do nível de atividade física em indivíduos portadores de hipertensão arterial sistêmica da unidade de estratégia de saúde da família do município de Acreúna-GO. Revista Univap. 2016; 22 (40): 589-594.

Kneubuehler PA, Mueller D. Aplicação e análise dos efeitos de sessões de exercício físico aeróbico e de resistência aplicada na academia ao ar livre no controle da hipertensão arterial. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2016; 10(61): 663-669.

Pescatelo LS et al. American College of Sports Medicine Position Stand. Exercise and hypertension. Med. Sci. Sports Exerc. 2004; 36(3): 533-53.

Halliwill JR. Mechanisms and clinical implications of post-exercise hypotension in humans. Exerc. Sports. Sci. Rev., 2001; 29(2): 65-70.

Fagard, RH. Exercise is good for your blood pressure: effects of endurance training and resistance training. Clin. Exp. Pharmacol. Physiol. 2006; 36(9): 853-6.

Myers J et al. Exercise capacity and mortality among men referred for exercise testing. N. Engl. J.Med., 2002; 346: 793-801.

Nogueira IC. Efeitos do exercício físico no controle da hipertensão arterial em idosos: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2012; 15(3): 587-601.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria e vigilância em saúde. Departamento de análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011.

Assis LC, Somões MOS, Cavalcanti AL. Políticas públicas para monitoramento de hipertensos e diabéticos na atenção básica, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde. 2012; 14(2): 65-70.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas Públicas. Plano de reorganização da atenção à hipertensão e diabetes mellitus. Brasília DF: Ministério da Saúde, 2002.

Ramos JS, Carvalho Silva FSS, Silva RNA. Avaliação da adesão ao tratamento por idosos cadastrados no programa do HIPERDIA. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. 2015; 4(1): 29-39.

Negreiros RV. Importância do programa HIPERDIA na adesão ao tratamento medicamentoso e dietético em uma Unidade de Saúde da Família (USF). Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2016; 14 (2): 403-411.

Braz MM, Santos SBA, PIVETTA HMF. Qualidade de vida em diabéticos e hipertensos: estudo de casos em abordagem fisioterapeutica.CINERGS. 2014; 15(1): 24-29.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Glossário temático: gestão do trabalho e da educação na saúde. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2009.

Silva PCS et al. Nutrition and health-related quality of life among people with hypertension. Rev Rene. 2014; 15(6): 1016-23.

Souza ACC et al. Effectiveness of Educational Technology in Promoting Quality of Life and Treatment Adherence in Hypertensive People. Plos One. 2016; 11(11): e0165311.

Einloft ABN. Influência de intervenções educativas em perfis antropométricos, clínicos e bioquímicos e na percepção de saúde e doença de portadores de hipertensão arterial no contexto da Saúde da Família. Rev. Nutr. 2016; 29(4): 529-541.

Fernandes MCP, Backes VMS. Educação em saúde: perspectivas de uma equipe da estratégia saúde da família sob a óptica de Paulo Freire. Revista Brasileira de Enfermagem. 2010; 63(4): 567-573.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília/DF: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(1): 319-325.

Menezes Júnior JE et al. Educação em saúde como estratégia para melhoria da qualidade de vida dos usuários hipertensos. Rev Rene, Fortaleza, 2011; 12(n. esp.):1045-51.

Santos ZMSA, Lima PL. Tecnologia educativa em saúde na prevenção da hipertensão arterial em trabalhadores: análise das mudanças no estilo de vida. Texto & Contexto Enferm. 2008; 17(1): 90-7.

Chobanian AV et al. The seventh report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure: the JNC 7 report. JAMA. 2003; 289: 2560-72.

Modé CL et al. Atenção Farmacêutica em pacientes hipertensos: estudo piloto. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2015; 36(1): 35-41.

Bpharm FS et al. Pharmacist intervention in improving hypertension related knowledge, treatment medication adherence and health-related quality of life: a non-clinical randomized controlled trial. Health Expectations. 2013, 20: 1270–1281.

Li X et al. Chinese Herbal Therapy and western Drug Use, Belief and Adherence for Hypertension Management in the Rural Areas of Heilongjiang Province, China. Plos One. 2015; 10(4): 1-11.

Silva PM et al. Health-related quality of life impact of a triple combination of olmesartanmedoxomil, amlodipine besylate and hydrochlorotiazide in subjects with hypertension. Health and Quality of Life Outcomes. 2015; 13(24).

Spilker B (ed). Quality of life and pharmacoeconomics in clinical trials: introduction. 2nd ed. Philadelphia: Lippincott - Raven; 1996.

Nobre MR. Qualidade de vida. Arq Bras Cardiol. 1995; 64 (4): 299-300.

Schulz RB et al. Validação do mini-questionário de qualidade de vida em hipertensão arterial (MINICHAL) para o português (Brasil). Arq. Bras. Cardiol. 2008; 90(2): 139-144.

Ferreira PL, Ferreira LN, Pereira LN. Contributos para a Validação da Versão Portuguesa do EQ-5D. Acta Med Port. 2013; 26(6): 664-675.

Fleck MPA et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saúde Pública. 2000; 34(2):178-83.

Fleck MPA, Chamovich E, Trentini CM. Development and validation of the Portuguese version of the WHOQOLOLD module. Rev Saúde Pública. 2006; 40(5): 785-91.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.6155

Indexadores: