O Consumidor de Café Expresso em Minas Gerais: Diferenças, Hábitos e Preferências

Danilo de Oliveira Sampaio, Alexandre Bragança Coelho, Marlusa Gosling, André Francisco Alcântara Fagundes, Caissa Veloso e Sousa

Resumo


Considerando-se a relevância de se compreender os impactos de agregar valor a uma commodity, além da importância do café para a economia brasileira, esse artigo objetiva entender os motivos que influenciam a escolha dos consumidores de café expresso em importantes centros urbanos de Minas Gerais. Para tanto, empreendeu-se uma comparação de quatro regiões mineiras com a capital do estado. As variáveis escolhidas para o estudo foram: gênero, faixa etária, renda, ocupação, escolaridade, prática esportiva e hábito de consumo. A metodologia foi descritiva exploratória, com análise quantitativa por meio do modelo Logit, sendo este capaz de interpretar variáveis de resposta qualitativa. Os consumidores foram entrevistados em varejos de rua e em shoppings centers. Os resultados sugerem que os principais determinantes do consumo de café expresso em Minas Gerais são: (a) as preferências ou hábitos; (b) localização geográfica; (c) renda; (d) gênero; e (e) escolaridade – com destaque para as duas primeiras.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/gr.vol28n84.1622

 

Indexadores de que a G&R faz parte:


   DOAJ OAIster OCLC Ulrich LiVre Redalyc  SUMARIOS.org LatindexProquest

A G&R utiliza o                software  iThenticate para detecção e  prevenção de plágio 
 

    
 
 
 
A G&R é signatária da Declaração        de São Francisco sobre Avaliação        de Pesquisa- Dora