A COLABORAÇÃO COMO FATOR DIFERENCIADOR DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA VIRTUAIS

Tânia P Christopoulos, Eduardo H Diniz

Resumo


As Comunidades de Prática têm sido abordadas com
interesse crescente nos últimos anos. Entretanto,
há necessidade de estudos que verifiquem como a
colaboração, estimulada pela virtualização, altera as
características das Comunidades de Prática.
Este artigo tem como objetivo analisar como a
colaboração interfere nas características básicas das
Comunidades virtuais de Prática, resultando em
benefícios para as organizações. Para tanto,
apresentamos um caso de uma Comunidade de
Prática virtual, cujo objetivo é o desenvolvimento
de softwares com código aberto1, por meio de
práticas de colaboração à distância. Sua peculiaridade
está no fato de obter um produto totalmente
desenvolvido e testado, com colaboradores que
trabalham em um mesmo grupo, mas em diferentes
ambientes físicos, ao redor do mundo.
Inicialmente, identificamos algumas características e
definições das Comunidades de Prática.
Posteriormente analisamos como a colaboração
interfere nessas características, alterando-as e
definindo novos padrões para as Comunidades de
Prática em um ambiente virtual. Finalmente,
concluímos com uma análise mais aprofundada sobre
os impactos das novas características das
Comunidades de Prática para as organizações.
Palavras-chave: comunidades de prática, origem,
líder, participação, aprendizagem.

Texto completo:

PDF PDF ()


DOI: http://dx.doi.org/10.13037/gr.vol21n61.42

Indexadores de que a G&R faz parte:


   DOAJ OAIster OCLC Ulrich LiVre Redalyc  SUMARIOS.org LatindexProquest

A G&R utiliza o software  iThenticate para detecção e prevenção de plágio