AS CARREIRAS PROTEANA E SEM FRONTEIRAS E AS ÂNCORAS DE CARREIRA: UM ESTUDO COM PROFISSIONAIS DA ÁREA DE SAÚDE EM MINAS GERAIS

Rafaella Portes Diniz Ribeiro, Simone Costa Nunes, Humberto Elias Garcia Lopes

Resumo


Este artigo objetiva identificar a relação entre âncoras de carreira e atitudes referentes a uma orientação de carreira proteana ou sem fronteira em profissionais da área da saúde. Foram aplicados três questionários: Escala de Atitudes de Carreira Proteana e Escala de Atitudes de Carreira Sem Fronteira, desenvolvidas por Briscoe, Hall e DeMuth (2006); e o inventário Âncoras de Carreira, de Schein (1993). Os resultados apontam para: certa adesão a um desses tipos de carreira, sendo a carreira proteana mais aderente aos homens e a carreira sem fronteira, às mulheres; pessoas com maior escolaridade (pós-graduação) mostram maior aderência aos dois tipos de carreira; não há evidências de relação entre as escolhas das âncoras de carreira e o grau de adesão à orientação de carreira proteana ou sem fronteira; a âncora estilo de vida é a preferida desse público, refletindo a necessidade dos participantes em equilibrar e integrar vida familiar e trabalho.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13037/gr.vol34n102.4249

Indexadores de que a G&R faz parte:


   DOAJ OAIster OCLC Ulrich LiVre Redalyc  SUMARIOS.org LatindexProquest

A G&R utiliza o software  iThenticate para detecção e prevenção de plágio