Influência da privação visual no teste de uma repetição máxima e na predição de carga

Dihogo Gama Matos

Resumo


O objetivo deste estudo foi comparar se a privação visual, quando incluída no teste de 1-RM, influencia de forma significativa a carga deslocada, o número de repetições e a percepção subjetiva de esforço. Participaram 11 voluntários do gênero masculino, idade 23,64 ± 2,42 anos; peso corporal 73,76 ± 9,37 kg; estatura 174 ± 0,06 cm e IMC 24,35 ± 2,63 kg/m²). Foram realizados os exercícios Leg Press 45° (LP) e Supino Reto (SR). Os dados foram coletados em dois momentos, no primeiro momento foram realizados os testes de 1-RM sem privação visual (SPV) e com privação visual (CPV), e posteriormente adotou-se um percentual de carga de 85% de 1-RM (SPV e CPV). Resultados: Força Absoluta no SR e LP (SPV) =80,18 + 6,72 kg e 312 + 28,48 kg; (CPV)=  87,19 + 7,50 e 355,82 + 29,26. Força Relativa no SR e LP (SPV)= 1,10 + 0,10 e 4,28 + 0,62; (CPV)= 1,19 + 0,11 e 4,89 + 0,68.  Número de repetições a 85% de 1RM no SR e LP (SPV)= 4,82 + 0,87 e 14,36 + 0,81; (CPV)= 5,92 + 0,98 e 15,18 + 0,60. Percepção Subjetiva de esforço a 85% de 1-RM no SR e LP (SPV)= 8,82 + 0,40 e 8,91 + 0,30; (CPV)= 8,36 + 0,50 e 8,45 + 0,52. Conclusão: os resultados indicam que a privação visual, quando incluída no teste de 1-RM, permite um aumento no deslocamento da carga absoluta e da carga relativa, proporcionando um maior numero de repetições e uma menor percepção subjetiva de esforço.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/rbcs.vol11n36.1696

Indexadores: