Rede de apoio à saúde utilizada por mães de criança/adolescente com paralisia cerebral

Autores

  • Vera Lucia Freitag Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Viviane Marten Milbrath Universidade Federal de Pelotas
  • Sidnei Petroni Universidade Federal de Santa Maria
  • Susane Flôres Cosentino Universidade Federal de Santa Maria
  • Fernanda Beheregaray Cabral Universidade Federal de Santa Maria
  • Isabel Cristina dos Santos Colomé Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4313

Palavras-chave:

Cuidadores, Enfermagem de Atenção Primária, Saúde Pública, Mães, Paralisia Cerebral

Resumo

Introdução: A mãe/cuidadora de criança/adolescente com paralisia cerebral vive uma sobrecarga no dia a dia. Por esse motivo se faz necessária uma rede de apoio à saúde para que possa cuidar da criança, não dispensando o cuidado de si. Objetivo: Conhecer a rede de apoio à saúde utilizada pelas mães cuidadoras de criança/adolescente com paralisia cerebral para o cuidado de si. Metodologia: Pesquisa exploratória e descritiva com abordagem qualitativa, realizada no período de maio a julho de 2015, em uma cidade ao norte do Rio Grande do Sul. Participaram do estudo dez mães/cuidadoras. A coleta das informações ocorreu a partir da entrevista semiestruturada e os dados foram analisados seguindo a análise temática de Minayo. Resultados: Os resultados apontaram que a rede de apoio à saúde dessas mães é constituída pelas dimensões institucional e Unidade Básica de Saúde, focada principalmente na figura do Agente Comunitário de Saúde. Conclusões: Recomenda-se a ampliação e a consolidação de rede de apoio de natureza multiprofissional para facilitar o acesso à assistência em saúde e a qualidade de vida dessas mães/cuidadoras.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lucia Freitag, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Ciências da Saúde. Especialista em Gestão de Organização Pública em Saúde. Enfermeira. Bolsista pela Coordenação e Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). E-mail: verafreitag@hotmail.com. Porto Alegre – Rio Grande do Sul.

Viviane Marten Milbrath, Universidade Federal de Pelotas

Professora da Escola de Enfermagem e do Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Doutora em Enfermagem. Enfermeira. Pelotas/RS – Brasil. E-mail: vivianemarten@hotmail.com

Sidnei Petroni, Universidade Federal de Santa Maria

Professor Adjunto II da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) - Campus Palmeira das Missões. Doutor em Ciências Biológicas (Anatomia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Biólogo. Brasil - Rio Grande do Sul. E-mail: sidneipetroni@yahoo.com.br

Susane Flôres Cosentino, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Adjunta do Departamento de Ciências da Saúde - Universidade Federal de Santa Maria/Campus Palmeira das Missões (RS). Doutora em Ciências. Enfermeira. E-mail: susycosentino@hotmail.com

 

Fernanda Beheregaray Cabral, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Adjunta do Departamento de Ciências da Saúde - Universidade Federal de Santa Maria/Campus Palmeira das Missões (RS). Doutora em Ciências. Enfermeira. E-mail: cabralfernandab@gmail.com

Isabel Cristina dos Santos Colomé, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Adjunta do Departamento de Ciências da Saúde - Universidade Federal de Santa Maria/Campus Palmeira das Missões (RS). Doutora em Ciências. Enfermeira. E-mail: enfbel@yahoo.com.br

Referências

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, DF: Opas; 2012.

Brasil. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF; 31 dez 2010. Seção 1, p. 89.

World Health Organization. Integrated health services: what and why? Technical Brief [Internet]. 2008 [citado em 2015 set 10];1. Disponível em: http://bit.ly/2n7t74l

Mendes EV. Redes de Atenção à Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(5):2297-305.

Milbrath VM, Amestoy SC, Soares DC, Siqueira HCH. Integralidade e acessibilidade no cuidado à criança portadora de paralisia cerebral. Acta Paul Enferm. 2009;22(6):755-60.

Brasil. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. Brasília, DF; 21 out 2011.

Milbrath VM. Criança/adolescente com paralisia cerebral: compreensões do seu modo de ser no mundo [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013.

Vieira NGB, Mendes NC, Frota LMC, Frota MA. O cotidiano de mães com crianças portadoras de paralisia cerebral. Rev Bras Promoç Saúde. 2008;21(1):55-60.

Fernández-Alcántara M, García-Caro MP, Berrocal-Castellano M, Benítez MA, Robles-Vizcaíno C, Laynez-Rubio C. Experiencias y cambios en los padres de niños con parálisis cerebral infantil: estudio cualitativo. An Sist Sanit Navar. 2013;36(1):9-20.

Waldow VR. Cuidar: expressão humanizadora da enfermagem. Rio de Janeiro: Vozes; 2012.

Waldow VR. Cuidado colaborativo em instituições de saúde: a enfermeira como integradora. Texto & Contexto Enferm. 2015;23(4):1145-52.

Oliveira MFS, Silva MBM, Frota MA, Pinto JMS, Frota LMCP, Sá FE. Qualidade de vida do cuidador de crianças com paralisia cerebral. Rev Bras Promoç Saúde. 2008;21(4):275-80.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 32ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(3):621-6.

Ferrari A, Cioni G. The spastic forms of cerebral palsy: a guide to the assessment of adaptive functions. Itália: Springer; 2010.

Souza MX, Dutra LR, Rosa Junior JN, Simões MRL, Lima AMJ e Dutra IR. Promoção do autocuidado aos portadores de necessidades especiais. Interface Comun Saúde Educ. 2014; (Supl 3).

Neves ET, Silveira A, Arrué AM, Pieszak GM, Zamberlan KC, Santos RP. Network of care of children with special health care needs. Texto & Contexto Enferm. 2015;24(2):399-6.

Neves ET, Andres B, Silveira A, Arrué AM. A rede social de cuidados de uma criança com necessidade especial de saúde. Rev Eletr Enf. 2013;15(2):533-4.

Brasil. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica 28: Acolhimento à demanda espontânea. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Teixeira C. Os princípios do Sistema Único de Saúde. Texto de apoio elaborado para subsidiar o debate nas Conferências Municipal e Estadual de Saúde. Salvador; 2011 [citado em 2015 ago 15]. Disponível em: http://bit.ly/2mOrk8f

Silva KL, Sena RR. Integralidade do cuidado na saúde: indicações a partir da formação do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(1):48-56.

Motta LBD, Aguiar ACD, Caldas CP. Estratégia Saúde da Família e a atenção ao idoso: experiências em três municípios brasileiros. Cad Saúde Pública. 2015;27(4):779-86.

Silva SM, Santos LMP. Estudo das ações diretas de inconstitucionalidade do Programa Mais Médicos. Cad Ibero Am Direito Sanit. 2015;4(2):67-81.

Roselló FT. Antropologia do cuidar. Petrópolis: Vozes; 2009.

Milbrath VM, Siqueira HCH, Motta MGC, Amestoy SC. Família da criança com paralisia cerebral: percepção sobre as orientações da equipe de saúde. Texto & Contexto Enferm. 2012;21(4):921-8.

Brasil. Portaria nº 648/GM, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. Brasília, DF; 28 mar 2006.

Lima MM, Carneiro C, Ramos G, Santos ER, Piva SGN. Implantação de salas educativas na estratégia de saúde da família por meio do agente comunitário de saúde como educador em saúde: um relato de experiência. Rev Bras Tecnol Sociais. 2014;1(1):17-24.

Carli R, Costa MC, Silva EB, Resta DG, Colomé ICS. Acolhimento e vínculo nas concepções e práticas dos agentes comunitários de saúde. Texto & Contexto Enferm. 2014;23(3):626-32.

Costa MS, Araújo FF, Martins LV, Nobre LLR, Araújo FM, Rodrigues CAQ. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Cienc Saúde Coletiva. 2013;18(7):2147-56.

Costa MC, Silva EB, Jahn AC, Resta DG, Colomé ICS, Carli R. Work process of community health agents: possibilities and limits. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(3):134-40.

Filgueiras AS, Silva ALA. Agente Comunitário de Saúde: um novo ator no cenário da saúde do Brasil. Physis. 2011;21(3):899-16.

Downloads

Publicado

15-02-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)