Rastreamento da síndrome metabólica e qualidade de vida dos diabéticos adscritos a uma unidade de Estratégia de Saúde da Família em um município do sul de Minas Gerais

Autores

  • Samantha Dias Maccarone Universidade Federal de Alfenas
  • Daniela Braga Lima Universidade Federal de Alfenas
  • Eric Batista Ferreira Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4370

Palavras-chave:

Diabetes Mellitus, Síndrome Metabólica, Qualidade de Vida

Resumo

Introdução: As doenças crônicas apresentam impactos múltiplos em termos de limitação à qualidade de vida. O diabetes mellitus representa um problema de saúde pública, devido ao aumento de sua incidência, prevalência e considerável encargo econômico para indivíduos e sociedade. Objetivos: Verificar a presença da síndrome metabólica e descrever a qualidade de vida dos portadores de diabetes mellitus de uma unidade de saúde de Alfenas, ao sul de Minas Gerais. Métodos: Estudo realizado com 67 usuários adultos portadores de diabetes mellitus. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário semiestruturado e pelo questionário The Medical Outcomes Study 36-Item Short-Form Health Survey (SF-36). Para diagnóstico da síndrome metabólica, além da presença de diabetes mellitus, considerou-se também como critério a circunferência abdominal aumentada e hipertensão arterial diagnosticada. A análise estatística foi realizada com auxílio do software Statistical Package for Social Sciences (SPSS) 22.0. Resultados: Do total de usuários avaliados, 59,7% eram do sexo feminino. O sedentarismo foi identificado em 67,2% dos usuários e 58,2% possuíam hipertensão arterial. Entre os diabéticos predominou o excesso de peso e a adiposidade abdominal em 80,6% e 89,6%, respectivamente. A síndrome metabólica foi identificada em 56,06% dos diabéticos. Os domínios com menores escores da qualidade de vida foram Estado Geral de Saúde e Vitalidade. Conclusões: O estudo possibilitou a identificação da síndrome metabólica na maioria dos usuários avaliados. Observou-se, em alguns domínios, uma baixa percepção da qualidade de vida entre os usuários. Assim, faz-se necessária maior atenção à população estudada, para melhoria de sua qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samantha Dias Maccarone, Universidade Federal de Alfenas

Nutricionista pela Universidade Federal de Alfenas. Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Universidade Federal de Alfenas.

Daniela Braga Lima, Universidade Federal de Alfenas

Professora Adjunta da Faculdade de Nutrição. Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL/MG

Eric Batista Ferreira, Universidade Federal de Alfenas

Doutor em Estatística e Experimentação Agropecuária com pos-doutorado em Estatística Multivariada e Sensometria.

Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL/MG

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011;377(9781):1949-61.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schimidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012;46(Supl):126-34.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: WHO; 2000 (WHO Obesity Technical Report Series).

Flor LS, Campos MR, Oliveira AF, Schramm JMA. Carga de diabetes no Brasil: fração atribuível ao sobrepeso, obesidade e excesso de peso. Rev Saúde Pública. 2015;49(29):1-11.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Diabetes Mellitus. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Sociedade Brasileira de Diabetes. XII Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2015-2016. São Paulo: AC Farmacêutica; 2016.

Rocha NP, Catania AS, Barros CR, Pires MM, Folchetti LD, Ferreira SRG. Análise de diferentes medidas antropométricas na identificação de síndrome metabólica, com ou sem alteração do metabolismo glicídico. Arq Bras Endocrinol Metab. 2010;54(7):636-43.

Jaramillo PL, Sánchez RA, Diaz M, Cobos L, Bryce A, Carrillo JZP, et al. Consenso latino-americano de hipertensão em pacientes com diabetes tipo 2 e síndrome metabólica. Arq Bras Endocrinol Metab. 2014;58(3):205-25.

Faria HTG, Veras VS, Xavier ATF, Teixeira CRS, Zanetti ML, Santos MA. Qualidade de vida de pacientes com diabetes mellitus antes e após participação em programa educativo. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(2):348-54.

Alves TOS, Souza SA, Souza ECS, Gois CFL, Guimarães AMDN, Mattos MCT. Qualidade de vida relacionada à saúde de pessoas com diabetes mellitus. Rev Min Enferm. 2013;17(1):135-40.

Baggio SC, Marcon SS, Santos AL, Sales CA. Daily care for the control of Diabetes mellitus. Acta Scien. 2015;37(2):153-59.

Ciconelli, RM. Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida “Medical outcomes study 36-item short-form health survey (SF-36) [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina; 1997.

Ciconelli RM. Medidas de avaliação de qualidade de vida. Rev Bras Reumat. 2003;43:9-13.

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: norma técnica do sistema de vigilância alimentar e nutricional – SISVAN. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011. (Série G. Estatística e Informação em Saúde).

Motta VT, Oliveira Filho PF. SPSS – Análise de dados biomédicos. Rio de Janeiro: Medbook; 2009.

IBM Corp. Released 2013. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 22.0. Armonk, NY: IBM Corp; 2013.

Souza REB, Oliveira FE, Cavatti LS, Broedel P, Armani SC, Lenz D, et al. Perfil nutricional de pacientes acompanhados pelo Programa Hiperdia em uma unidade de estratégia da família de Vila Velha-ES. Ceres. 2011;6(3):139-50.

Hess S, Tramontini J, Canuto R. Fatores associados à síndrome metabólica em adultos atendidos em um ambulatório de nutrição. Sci Med. 2014;24(1):33-8.

Santos CVLA, Viana GMSF, Neves IB, Rocha BJB, Magalhães G. Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de diabetes mellitus de um programa de atenção farmacêutica [Internet]. Guanambi: Faculdade Guanambi; 2015 [citado em 2016 maio 19]. Disponível em: http://bit.ly/2nDUWFU

Brunori EHFR, Cavalcante AMRZ, Lopes CT, Lopes JL, Barros ALBL. Tabagismo, consumo de álcool e atividade física: associações na síndrome coronariana aguda. Acta Paul Enferm. 2014;27(2):165-72.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(Supl 1):1-51.

Seus TLC, Siqueira FV, Silveira DS, Tomasi E, Thumé E, Silva SM, et al. Autorrelato de diabetes e atividade física no Brasil. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(6):520-31.

Machado SP, Rodrigues DGC, Viana KDAL, Sampaio HAC. Correlação entre o índice de massa corporal e indicadores antropométricos de obesidade abdominal em portadores de diabetes mellitus tipo 2. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(4):512-20.

Carvalho EV, Costa VVL, Araújo MS, Martens IBG, Sá NNB, Silva RA. Correlação entre o estado nutricional e o risco coronariano de adultos atendidos em uma ação educativa em Belém Pará. Rev Bras Obes Nutr Emagr. 2016;10(55):40-9.

Gallon CW, Wender COM. Estado nutricional e qualidade de vida da mulher climatérica. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(4):175-83.

Teixeira VC, Magalhães EP, Araújo DCR, Carneiro JÁ, Costa FM. Obesidade no climatério: fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Rev Norte Min Enferm. 2015;4(2):29-36.

Grillo MFF, Gorini MIPC. Caracterização de pessoas com Diabetes mellitus tipo 2. Rev Bras Enferm. 2007;60(1):49-54.

Quirino CSP; Maranhão, RVA; Gianinni, DT. Síndrome metabólica em pacientes atendidos em programa de reabilitação cardíaca. Rev Bras Cardiol. 2014;27(3):180-88.

Contreras F; Hernández, P; Mata, C; Hernández, C. Síndrome metabólico y diabetes mellitus tipo 2 en población adulta. Los salías, edo. Miranda-Venezuela. Rev Medicas. 2015;5(1):19-25.

Chibante CLP, Sabóia, VM, Teixeira ER, Silva JLL. Qualidade de vida de pessoas com diabetes mellitus. Rev Baiana Enferm. 2014;28(3):235-43.

Downloads

Publicado

15-02-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)