EVIDÊNCIAS PRELIMINARES DA ATENÇÃO À SAÚDE DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE EM UMA CIDADE DO ESTADO DO PARANÁ, BRASIL

Autores

  • Alessandra Hilgemberg Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Juliana Regina Dias Lemos Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • José Rosa Gomes Universidade Estadual de Ponta Grossa

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol16n55.4822

Palavras-chave:

Centros de saúde, atenção à saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

No Brasil, a implementação de políticas de saúde pública de atenção às pessoas com deficiência física ainda é um objetivo a ser alcançado, apesar de existir uma legislação pertinente que garante a atenção integral para essa fração da população. Portanto, cabe a todas as esferas do governo assegurar e avaliar a implementação dessas ações através do financiamento e da formação dos profissionais de saúde, sejam médicos, técnicos ou profissionais de enfermagem. É necessário também que pesquisas acadêmicas contribuam para a avaliação sistemática da implementação dessas políticas. Dessa forma, esta investigação foi realizada no sentido de apresentar evidências preliminares da atenção à saúde da pessoa portadora de deficiência (PPD) nas 46 Unidades Básicas de Saúde (UBS) da zona urbana de uma cidade do estado do Paraná, Brasil, no período de 2016. O método utilizado foi exploratório, através da aplicação de um questionário direcionado ao responsável pela UBS, que abordava os seguintes aspectos: (i) formação dos profissionais de saúde para atenção a PPD; (ii) infraestrutura (arquitetônica e de condições de trabalho); e (iii) perfil da PPD atendida nas UBS. Nesta pesquisa, apenas 36 questionários foram respondidos, e os resultados apontaram que: (i) há pouca intimidade dos profissionais nas UBS com a população de PPD atendida, indicando falta de formação na graduação, falta de formação da equipe de apoio, bem como falta de programas de saúde direcionados; (ii) as UBS não possuem condições de infraestrutura, sejam arquitetônicas ou de material de apoio, voltadas para a atenção das PPD; e (iii) nenhuma UBS possui programas de saúde voltados para as PPD. Conclui-se que existem fragilidades em relação a todos os pontos avaliados nesta pesquisa, no que se refere à atenção à saúde da PPD nas UBS já determinadas em lei.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Hilgemberg, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa – Ponta Grossa (PR), Brasil.

Juliana Regina Dias Lemos, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa – Ponta Grossa (PR), Brasil.

José Rosa Gomes, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa – Ponta Grossa (PR), Brasil.

Referências

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Diário Oficial da União [Internet]. 1990 set 20 [citado em 2017 mar 4];1:18055. Disponível em: https://goo.gl/TzkgK1.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União [Internet]. 1988 [citado em 2018 mar 15]. Disponível em: https://goo.gl/8nJZ9a

Lopes MJM, Soares JSF, Bohusch G. Usuários portadores de deficiência: questões para a atenção primária de saúde. Rev Baiana Enferm. 2014;28(1):4-12.

Brasil. Portaria nº 1.060, de 5 de junho de 2002. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Diário Oficial da União [Internet]. 2002 jun 10 [citado em 2017 mar 4];1:21. Disponível em: https://goo.gl/BFt78X.

Brasil. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União [Internet]. 2015 jul 7 [citado em 2017 mar 4];1:2. Disponível em: https://goo.gl/BjyKrP.

Cunha ABO, Silva LMV. Acessibilidade aos serviços de saúde em um município do Estado da Bahia, Brasil, em gestão plena do sistema. Cad Saúde Pública. 2010;26(4):725-37.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Siqueira FCV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Thumé E, Tomasi E. Barreiras arquitetônicas a idosos e portadores de deficiência física: um estudo epidemiológico da estrutura física das unidades básicas de saúde em sete estados do Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(1):39-44.

Nogueira GC, Schoeller SD, Ramos FRS, Padilha MI, Brehmer LCF, Marques AMFB. Perfil das pessoas com deficiência física e Políticas Públicas: a distância entre intenções e gestos. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(10):3131-42.

Queiroz MVO, Pagliuca LMF. Conceito de enfermagem transcultural: análise de seu desenvolvimento em uma dissertação de mestrado. R Bras Enferm. 2001;54(4):630-7.

Paraná (Estado). Secretaria da Saúde. Plano Estadual da Rede de Cuidados às Pessoas com Deficiência [Internet]. Paraná, 2015 [citado em 2017 mar 4]. Disponível em: https://goo.gl/T3KaQi.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT/CB-040 – Comitê Brasileiro de Acessibilidade [Internet]. São Paulo: ABNT [citado em 2016 dez 4]. Disponível em: https://goo.gl/c3Sj7u.

França ISX, Pagliuca LMF Acessibilidade das pessoas com deficiência ao SUS: fragmentos históricos e desafios atuais. Rev RENE. 2008;9(2):129-37.

Downloads

Publicado

2018-04-13

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.