ANÁLISE ESTATÍSTICA DE INDICADORES DA TUBERCULOSE NO ESTADO DA PARAÍBA

Dalila Camêlo Aguiar, Edwirde Luiz Silva Camêlo, Rayanne Oliveira Carneiro

Resumo


Objetivo: analisar os principais indicadores epidemiológicos e operacionais da tuberculose nos municípios do Estado da Paraíba no período de 2007 a 2016. Metodologia: Trata-se de um estudo ecológico exploratório, utilizando dados secundários de tuberculose registrados no SINAN. A análise dos dados foi realizada no programa R. Resultados: No período de 2007 a 2016, foram notificados 13.413 casos de tuberculose no estado da Paraíba, com mé­dia anual de 1.336,6. A variação da prevalência e incidência de casos novos de tuberculose ao longo dos anos apresenta maiores indicadores entre os anos de 2011 a 2013. Importante declínio ocorreu entre 2013 até 2015, embora em 2015 marque uma nova ascensão no número de casos. As microrregiões de Campina Grande, Cariri Ocidental, Patos e João Pessoa apresentam maiores taxas médias de incidência de tuberculose em suas respectivas mesorregiões. O Cariri Oriental (mesorregião da Borborema) apresenta maior percentual de cura embora Itaporanga (mesorregião do Sertão Paraibano) apresente o menor percentual de cura do estado. Em relação aos pacientes examinados, Curimataú Ocidental exibe maior percentual, no entanto, os menores percentuais são encontrados nas microrregiões do Seridó Oriental e João Pessoa, sendo que esta última lidera nos rankings de incidência média (>=4,0) e prevalência média (>=4,9) de tuberculose por 10 mil/hab. Conclusão: Os resultados apontam a necessidade de reflexão sobre a efetividade das ações de controle e combate à tuberculose no estado visto que a doença estar presente em todos os municípios e apresenta taxas de cura inferiores ao preconizado pela OMS e MS.

Palavras-chave


Tuberculose, saúde pública, análise estatística, Estado da Paraíba.

Texto completo:

PDF

Referências


Lopes RH, Menezes RMP, Costa TD, Queiroz AAR, Cirino ID, Garcia MCC. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar: uma revisão integrativa. Revista Baiana de Saúde Pública 2014; 37 (3): 661-671.

Ethel M, Noia L. Estratégias da agenda pós-2015 para o controle da tuberculose no Brasil: desafios e oportunidades. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2016; 25 (2): 423-426.

Pedro HSP, Nardi SMT, Finardi AJ, Moraes EB, Oliveira RS, Pereira MIF, Machado RLD, Castiglioni L. Cenário atual da tuberculose. Hansen Int. 2014; 39 (1): 40-55.

Rêgo LP, da Cunha FF, Rodrigues ILA, Nogueira LMV. Assistência humanizada de enfermagem às pessoas doentes com tuberculose: revisão integrativa 2002 – 2012. Revista Baiana de Saúde Pública 2015; 38 (3): 738-750.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Winter, BCA, Carollo B, Garrido RG. A tuberculose no cárcere: um retrato das mazelas do sistema prisional brasileiro. Medicina Legal de Costa Rica 2017; 34 (2): 1-12.

Siqueira HR. Enfoque Clínico da Tuberculose Pulmonar. Pulmão RJ 2012; 21 (1): 15-18.

World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control: surveillance, planning, financing. Geneva, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Perspectivas brasileiras para o fim da tuberculose como problema de saúde pública. Boletim Epidemiológico 2016; 47 (13): 1-15.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação Tuberculose – casos confirmados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN. Brasília, DF; 2017 [citado em 2018 junho 7]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/.

Barros PG, Pinto ML, Silva TC, Silva EL, Figueiredo, TMRM. Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, 2001-2010. Cad. saúde colet. [online] 2014; 22 (4): 343-350. doi: 10.1590/1414-462X201400040007.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação nacional de Saúde. Controle da Tuberculose: uma proposta de integração ensino-serviço. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Carneiro WS, Evangelista BP, Sousa ARQ, Cavalcante MKS, Nogueira, JA. Espacialização dos casos de tuberculose na Paraíba. I Congresso Nacional de Ciências da Saúde – CONACIS. Cajazeiras: Editora Realize, 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Indicadores prioritários para o monitoramento do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil. Boletim Epidemiológico 2017; 48 (8): 1-11.

World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control: surveillance, planning, financing. Geneva, 2017.

Coutinho, LASA, Oliveira DS, Souza GF, Fernandes Filho GMC, Saraiva MG. Perfil Epidemiológico da Tuberculose no Município de João Pessoa – PB, entre 2007 – 2010. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 2012; 16 (1): 35-42. doi: 10.4034/RBCS.2012.16.01.06.

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011 [citado em 2018 maio 7]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2017. url: https://www.R-project.org/.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5577

Indexadores: