ANÁLISE ESTATÍSTICA DE INDICADORES DA TUBERCULOSE NO ESTADO DA PARAÍBA

Autores

  • Dalila Camêlo Aguiar Universidade de Granada
  • Edwirde Luiz Silva Camêlo Universidade Estadual da Paraíba
  • Rayanne Oliveira Carneiro Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5577

Palavras-chave:

Tuberculose, saúde pública, análise estatística, Estado da Paraíba.

Resumo

Objetivo: analisar os principais indicadores epidemiológicos e operacionais da tuberculose nos municípios do Estado da Paraíba no período de 2007 a 2016. Metodologia: Trata-se de um estudo ecológico exploratório, utilizando dados secundários de tuberculose registrados no SINAN. A análise dos dados foi realizada no programa R. Resultados: No período de 2007 a 2016, foram notificados 13.413 casos de tuberculose no estado da Paraíba, com mé­dia anual de 1.336,6. A variação da prevalência e incidência de casos novos de tuberculose ao longo dos anos apresenta maiores indicadores entre os anos de 2011 a 2013. Importante declínio ocorreu entre 2013 até 2015, embora em 2015 marque uma nova ascensão no número de casos. As microrregiões de Campina Grande, Cariri Ocidental, Patos e João Pessoa apresentam maiores taxas médias de incidência de tuberculose em suas respectivas mesorregiões. O Cariri Oriental (mesorregião da Borborema) apresenta maior percentual de cura embora Itaporanga (mesorregião do Sertão Paraibano) apresente o menor percentual de cura do estado. Em relação aos pacientes examinados, Curimataú Ocidental exibe maior percentual, no entanto, os menores percentuais são encontrados nas microrregiões do Seridó Oriental e João Pessoa, sendo que esta última lidera nos rankings de incidência média (>=4,0) e prevalência média (>=4,9) de tuberculose por 10 mil/hab. Conclusão: Os resultados apontam a necessidade de reflexão sobre a efetividade das ações de controle e combate à tuberculose no estado visto que a doença estar presente em todos os municípios e apresenta taxas de cura inferiores ao preconizado pela OMS e MS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dalila Camêlo Aguiar, Universidade de Granada

Doutoranda em Estatística Matemática e Aplicada

Edwirde Luiz Silva Camêlo, Universidade Estadual da Paraíba

Professor Associado do Departamento de Estatística

Rayanne Oliveira Carneiro, Universidade Estadual da Paraíba

Graduanda do curso de Enfermagem

Referências

Lopes RH, Menezes RMP, Costa TD, Queiroz AAR, Cirino ID, Garcia MCC. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar: uma revisão integrativa. Revista Baiana de Saúde Pública 2014; 37 (3): 661-671.

Ethel M, Noia L. Estratégias da agenda pós-2015 para o controle da tuberculose no Brasil: desafios e oportunidades. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2016; 25 (2): 423-426.

Pedro HSP, Nardi SMT, Finardi AJ, Moraes EB, Oliveira RS, Pereira MIF, Machado RLD, Castiglioni L. Cenário atual da tuberculose. Hansen Int. 2014; 39 (1): 40-55.

Rêgo LP, da Cunha FF, Rodrigues ILA, Nogueira LMV. Assistência humanizada de enfermagem às pessoas doentes com tuberculose: revisão integrativa 2002 – 2012. Revista Baiana de Saúde Pública 2015; 38 (3): 738-750.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Winter, BCA, Carollo B, Garrido RG. A tuberculose no cárcere: um retrato das mazelas do sistema prisional brasileiro. Medicina Legal de Costa Rica 2017; 34 (2): 1-12.

Siqueira HR. Enfoque Clínico da Tuberculose Pulmonar. Pulmão RJ 2012; 21 (1): 15-18.

World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control: surveillance, planning, financing. Geneva, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Perspectivas brasileiras para o fim da tuberculose como problema de saúde pública. Boletim Epidemiológico 2016; 47 (13): 1-15.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação Tuberculose – casos confirmados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN. Brasília, DF; 2017 [citado em 2018 junho 7]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/.

Barros PG, Pinto ML, Silva TC, Silva EL, Figueiredo, TMRM. Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, 2001-2010. Cad. saúde colet. [online] 2014; 22 (4): 343-350. doi: 10.1590/1414-462X201400040007.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação nacional de Saúde. Controle da Tuberculose: uma proposta de integração ensino-serviço. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Carneiro WS, Evangelista BP, Sousa ARQ, Cavalcante MKS, Nogueira, JA. Espacialização dos casos de tuberculose na Paraíba. I Congresso Nacional de Ciências da Saúde – CONACIS. Cajazeiras: Editora Realize, 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Indicadores prioritários para o monitoramento do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil. Boletim Epidemiológico 2017; 48 (8): 1-11.

World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control: surveillance, planning, financing. Geneva, 2017.

Coutinho, LASA, Oliveira DS, Souza GF, Fernandes Filho GMC, Saraiva MG. Perfil Epidemiológico da Tuberculose no Município de João Pessoa – PB, entre 2007 – 2010. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 2012; 16 (1): 35-42. doi: 10.4034/RBCS.2012.16.01.06.

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011 [citado em 2018 maio 7]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2017. url: https://www.R-project.org/.

Downloads

Publicado

09-12-2019