EFEITOS DO TRABALHO SOBRE O ADOECIMENTO ENTRE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE - UMA REVISÃO DE LITERATURA

Autores

  • Ladine Teixeira Santos
  • Fernanda de Oliveira Souza Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Paloma de Souza Pinho Freitas Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5600

Palavras-chave:

psicologia, enfermagem

Resumo

Introdução: O trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) traz diversas novidades à atenção básica em saúde, destacando-se a obrigatoriedade de morarem e trabalharem na mesma comunidade. Objetivo: Compreender quais as efeitos do trabalho dos Agentes Comunitário de Saúde na saúde desses trabalhadores da atenção básica. Materiais e Método: Foi utilizada a estratégia de investigação da Revisão Integrativa da Literatura. Foram selecionados cinco artigos científicos, disponibilizados no portal de bases de dados Scientific Electronic Library Online (SciELO) utilizando descritores e palavras-chave como auxílio para a estratégia de busca. Resultados: A partir da análise dos textos, foi elaborada três categorias que apoiam as reflexões sobre os efeitos produzidos na saúde dos Agentes Comunitários de Saúde a partir do processo de trabalho, a saber: sobrecarga do trabalho; desgaste com a equipe de trabalho; ser trabalhador na comunidade que reside. Os resultados revelaram que estes profissionais que se dedicam a cuidar do outro, carecem de cuidar da própria saúde e suas condições de trabalho, muitas vezes, leva a um desgaste emocional. Conclusões: A pesquisa revelou que esses personagens, tão importantes na estrutura do serviço de saúde, como agentes modificadores do modelo assistencial vigente, não têm clareza do seu papel no sistema, sentem-se desvalorizados pelos gestores e pela comunidade. Isso exige que sejam implementadas políticas públicas que possam melhor avaliar o trabalho real desenvolvido pelos ACS e, a partir de um amplo diagnóstico, implementar ações que deem condições para que esses trabalhadores cumpram adequadamente sua função no Sistema Único de Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ladine Teixeira Santos

Psicóloga, Mestre em Gestão de Políticas públicas e Segurança Social pela Universidade Federal do Recôncavo. Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso da Especialização de Gestão em Saúde, realizada pelo Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Fernanda de Oliveira Souza, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Enfermeira. Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Docente na orientação do Trabalho de Conclusão de Curso da Especialização de Gestão em Saúde, realizada pelo Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Paloma de Souza Pinho Freitas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Professora Adjunta II da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Doutoranda em Saúde Pública pelo Instituto de Saúde Coletiva da UFBA, Mestre em Saúde Coletiva (2006) e Graduada em Enfermagem (2001) pela Universidade Estadual de Feira de Santana.


Referências

FERREIRA SMG. Principais sistemas de informação de abrangência nacional. In. SUS - O que você precisa saber sobre o Sistema Único de Saúde. Associação Paulista de Medicina. v. II 1ª edição, São Paulo, 2001.

JARDIM T. de A, LANCMAN S. Aspectos subjetivos do morar e trabalhar na mesma comunidade: a realidade vivenciada pelo agente comunitário de saúde. Interface (Botucatu) 2009;13(28):123-135.

NUNES M de O, TRAD LB, ALMEIDA B de A, HOMEM CR, MELO MCIC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Caderno de Saúde Pública. 2002;18(6):p.1639-1646.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no. 2.436 de Setembro de 2017. Brasília: Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, 2017.

NASCIMENTO, CMB. do. Análise do cumprimento das práticas dos agentes comunitários de saúde em municípios da Região Metropolitana do Recife. Dissertação (mestrado). Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2008.

RIQUINHO, DL, PELLINI TV, RAMOS D T, SILVEIRA M, SANTOS, VILMA CF dos. . O cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde: entre a dificuldade e a potência. Trabalho, Educação e Saúde, 2018; 16(1), 163-182. Epub 11 de dezembro de 2017.Disponivel em <https://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00086>.

NOGUEIRA R P, SILVA FB da, RAMOS ZVO. A vinculação institucional de um trabalhador sui generis: o Agente Comunitário da Saúde. Texto para discussão nº 735. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: . Acesso em: 08 nov .2010.

ERCOLE FF, MELO LS de, ALCOFORADO CLGC. Revisão Integrativa versus Revisão Sistemática. Rev Min Enferm. 2014 jan/mar; 18(1): 1-260

MENDES KDS, SILVEIRA RC de CP, GALVAO CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. 2008;17(4): 758-764.

LAURELL AC, NORIEGA M. Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Cebes - Hucitec, 1989.

MOURA R F S de, SILVA C R de C. Afetividade e seus sentidos no trabalho do agente comunitário de saúde Physis Revista de Saúde Coletiva[online]. 2015;.25(3):993-1010.

SPERONI K S, FRUET I M A, DALMOLIN G de Lima, DE LIMA S B S. Percepções dos agentes comunitários de saúde: contribuições para a gestão em saúde. Rev Cuid [online]. 2016;7(2):1325-1337.

MENEGUSSI JM, OGATA, M N, ROSALINI Maria Helena Pereira. O agente comunitário de saúde como morador, trabalhador e usuário em São Carlos, São Paulo. Trab. educ. saúde [online]. 2014;12(1):87-106.

COSTA M C Da et al. Processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: possibilidades e limites. Rev. Gaúcha Enferm, 2012; 33(3):134–140.

WAI M F P, CARVALHO A M P. O trabalho do agente comunitário de saúde: fatores de sobrecarga e estratégias de enfrentamento. Rev. Enferm, 2007; 17(4): 563-568.

FERNANDES J C L. Agentes de saúde em comunidades urbanas. Cad. Saúde Pública. 1992;.8(2):134-139.

GALAVOTE H S, FRANCO TB, LIMA, R de CD, BELIZARIO A M Alegrias e tristezas no cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde: cenários de paixões e afetamentos. Interface (Botucatu) [online]. 2013;.17(46):575-586

CROCCIA M A. representação do “trabalho” na vida do agente comunitário de saúde. Dissertação (mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009

.

LOPES, Denise Maria Quatrin et al. Agentes Comunitários de Saúde e as vivências de prazer - sofrimento no trabalho: estudo qualitativo. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2012;46(3):633-640.

TOMAZ J B C. O agente comunitário de saúde não deve ser um “super-herói”. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 2002; 6(10):75-94.

FREITAS AC, SILVA LCP, JESUS MB, KUMANAYA MF, SILVA GTR. Desvelando a vivência de uma equipe multiprofissional de residentes em Saúde da Família com o Agente Comunitário de Saúde. Revista APS, 2007;10(2):143-55

DUARTE LR., SILVA DSJR, CARDOSO SH. Construindo um programa de educação com agentes comunitários de saúde. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, 2007;11(23)439-47.

SANTOS L F B, DAVID, H M S L. Percepções do estresse no trabalho pelos agentes comunitários de saúde. Rev. Enferm, 2011;19(1):52–57.

CAMELO S H H, GALON T, MARZIALE M H P. Formas de adoecimento pelo trabalho dos agentes comunitários de saúde e estratégias de gerenciamento. Rev. enferm., 2012;20(1):661–667.

RIOS I C. Rodas de conversa sobre o trabalho na rua: discutindo saúde mental. Physis v.17, n.2 Rio de Janeiro, 2007.

BACHILLI R. G S A J, SPIRI W C. A identidade do agente comunitário de saúde: uma abordagem fenomenológica. Ciência e saúde coletiva. 2008;13(1)51-60.

Downloads

Publicado

09-12-2019

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)