EPIDEMIOLOGIA DA NEOPLASIA MALIGNA DE BEXIGA: UM ESTUDO DAS TAXAS DE MORTALIDADE E DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR

Eduardo Ottobelli Chielle, Victor Kuiava, Ana Thereza Perin

Resumo


Objetivo: Neoplasia de bexiga possui elevada morbidade e o tabagismo é o seu principal fator de risco. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil epidemiológico e de internação hospitalar por neoplasia de bexiga brasileiro e do Rio Grande do Sul (RS).

Metodologia: Foi realizado um estudo de agregado temporal, retrospectivo e descritivo de 16 anos, utilizando as taxas de mortalidade e de internação hospitalar de neoplasia maligna de bexiga no Brasil, no RS. Os dados foram extraídos do DATASUS e IBGE.

Resultados: No período pesquisado foram 46.065 mortes no Brasil, sendo 4.617 no RS. Foram 134 mil internações, sendo que 86% dos pacientes possuíam 60 anos ou mais. As taxas de mortalidade no RS 3,89 (IC 95%, 3,63-4,15) para homens e 1,48 (IC 95%, 1,34-1,62) para mulheres, maiores que a média nacional. As taxas de mortalidade são 60% superiores no RS em relação ao resto do país.

Conclusão: Os resultados permitiram caracterizar o perfil epidemiológico do câncer de bexiga no Brasil e no RS, mostrando um aumento de casos, especialmente no RS, com predomínio em homens e população mais idosa. Esses dados servirão de subsídio na implementação de políticas públicas, em ações preventivas, de controle e tratamento do câncer.


Palavras-chave


Palavras-Chave: Epidemiologia, Câncer de bexiga, Mortalidade, Hospitalização

Texto completo:

PDF

Referências


- ABDOLLAH, F. et al. Incidence, survival and mortality rates of stage-specific bladder cancer in United States: A trend analysis. Cancer Epidemiology, 2013. v. 37, n. 3, p. 219–225.

- BURGER, M. et al. Epidemiology and risk factors of urothelial bladder cancer. European Urology, 2013. v. 63, n. 2, p. 234–241.

- SOCIEDADE BRASILEIRA DE UROLOGIA. Câncer de bexiga: diagnóstico. Revista da Associação Médica Brasileira, 2008. v. 54, n. 2, p. 100–101.

- WONG, M. C. S. et al. The global epidemiology of bladder cancer: a joinpoint regression analysis of its incidence and mortality trends and projection. Scientific Reports, 2018. v. 8, n. 1, p. 1129.

- ANTONI, S. et al. Bladder Cancer Incidence and Mortality: A Global Overview and Recent Trends. European Urology, 2017. v. 71, n. 1, p. 96–108.

- CZERNIAK, B.; DINNEY, C.; MCCONKEY, D. Origins of Bladder Cancer. Annual Review of Pathology: Mechanisms of Disease, 2016. v. 11, n. 1, p. 149–174.

- FILHO, J. F. A. A. et al. PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES PORTADORES DE CÂNCER DE BEXIGA SUBMETIDOS À CISTECTOMIA RADICAL. Revista Paraense de Medicina, 2013. v. 27, n. 4, p. 47–52.

- CHANG, S. S. et al. Treatment of Non-Metastatic Muscle-Invasive Bladder Cancer: AUA/ASCO/ASTRO/SUO Guideline. Journal of Urology, 2017. v. 198, n. 3, p. 552–559.

- OOSTERLINCK, W. et al. Guidelines on Bladder Cancer• 1. European urology, 2015. v. 41, n. 2, p. 105–112.

- EVANS, C. P. et al. Bladder Cancer: Management and Future Directions{A figure is presented}. European Urology, Supplements, 2007. v. 6, n. 3, p. 365–373.

- JOÃO GONÇALO NUNES SANTIAGO. Carcinoma in Situ Da Bexiga, Diagnóstico E Tratamento. Artigo De Revisão, 2011. Disponível em: .

- CHAMIE, K. et al. QUALITY OF CARE IN PATIENTS WITH BLADDER CANCER: A CASE REPORT? Cancer, 2012. v. 118, n. 5, p. 1412–1421.

- LOOMIS, D. et al. Carcinogenicity of drinking coffee, mate, and very hot beverages. The Lancet Oncology, 2016. v. 2045, n. June, p. 22–24.

- LORIA, D.; BARRIOS, E.; ZANETTI, R. Cancer and yerba mate consumption: a review of possible associations. Revista Panamericana de Salud Pública, 2009. v. 25, n. 6, p. 530–539.

- LOPES, M. Os significados da depressão entre pacientes com câncer de bexiga em seguimento terapêutico. 2015. 219f. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.

- HATTERJEE, S. J. et al. Combined effects of p53, p21, and pRb expression in the progression of bladder transitional cell carcinoma. Journal of Clinical Oncology, 2004. v. 22, n. 6, p. 1007–1013.

- LEILA POSENATO, G.; ELISETE, D. Aplicações da Epidemiologia. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2015. v. 24, n. 1, p. 5–6.

- MALTA, D. C. et al. Evolução de indicadores do tabagismo segundo inquéritos de telefone, 2006-2014. Cadernos de Saúde Pública, 2017. v. 33, n. suppl 3, p. 2006–2014.

- SPESSOTO, L. C. F. et al. Câncer de bexiga em uma paciente de 23 anos : relato de um caso incomum. Arq. Ciência Saúde, 2011. v. 18, n. 3, p. 130–132.

- KAMAT, A. M. et al. Bladder cancer. The Lancet, 2016. v. 388, n. 10061, p. 2796–2810.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.5633

Indexadores: