EPIDEMIOLOGIA DA NEOPLASIA MALIGNA DE BEXIGA: UM ESTUDO DAS TAXAS DE MORTALIDADE E DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.5633

Palavras-chave:

Palavras-Chave, Epidemiologia, Câncer de bexiga, Mortalidade, Hospitalização

Resumo

Objetivo: Neoplasia de bexiga possui elevada morbidade e o tabagismo é o seu principal fator de risco. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil epidemiológico e de internação hospitalar por neoplasia de bexiga brasileiro e do Rio Grande do Sul (RS).

Metodologia: Foi realizado um estudo de agregado temporal, retrospectivo e descritivo de 16 anos, utilizando as taxas de mortalidade e de internação hospitalar de neoplasia maligna de bexiga no Brasil, no RS. Os dados foram extraídos do DATASUS e IBGE.

Resultados: No período pesquisado foram 46.065 mortes no Brasil, sendo 4.617 no RS. Foram 134 mil internações, sendo que 86% dos pacientes possuíam 60 anos ou mais. As taxas de mortalidade no RS 3,89 (IC 95%, 3,63-4,15) para homens e 1,48 (IC 95%, 1,34-1,62) para mulheres, maiores que a média nacional. As taxas de mortalidade são 60% superiores no RS em relação ao resto do país.

Conclusão: Os resultados permitiram caracterizar o perfil epidemiológico do câncer de bexiga no Brasil e no RS, mostrando um aumento de casos, especialmente no RS, com predomínio em homens e população mais idosa. Esses dados servirão de subsídio na implementação de políticas públicas, em ações preventivas, de controle e tratamento do câncer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Ottobelli Chielle, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Doutorado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Santa Maria, Brasil(2015)
Membro do Conselho de Gestão da UNOESC de São da Universidade do Oeste de Santa Catarina , Brasil

Victor Kuiava, Universidade de Passo Fundo

ensino Médio (2o grau) pelo Colégio Jesus Maria José, Brasil(2015)
Monitor de Patologia Médica da Universidade de Passo Fundo , Brasil

Ana Thereza Perin, Universidade de Passo Fundo

Ensino Médio (2o grau) pelo Colégio Mutirão de São Marcos, Brasil(2014)
Liga Acadêmica de Oncologia e Hematologia do Hospital da Cidade Passo Fundo , Brasil

Referências

- ABDOLLAH, F. et al. Incidence, survival and mortality rates of stage-specific bladder cancer in United States: A trend analysis. Cancer Epidemiology, 2013. v. 37, n. 3, p. 219–225.

- BURGER, M. et al. Epidemiology and risk factors of urothelial bladder cancer. European Urology, 2013. v. 63, n. 2, p. 234–241.

- SOCIEDADE BRASILEIRA DE UROLOGIA. Câncer de bexiga: diagnóstico. Revista da Associação Médica Brasileira, 2008. v. 54, n. 2, p. 100–101.

- WONG, M. C. S. et al. The global epidemiology of bladder cancer: a joinpoint regression analysis of its incidence and mortality trends and projection. Scientific Reports, 2018. v. 8, n. 1, p. 1129.

- ANTONI, S. et al. Bladder Cancer Incidence and Mortality: A Global Overview and Recent Trends. European Urology, 2017. v. 71, n. 1, p. 96–108.

- CZERNIAK, B.; DINNEY, C.; MCCONKEY, D. Origins of Bladder Cancer. Annual Review of Pathology: Mechanisms of Disease, 2016. v. 11, n. 1, p. 149–174.

- FILHO, J. F. A. A. et al. PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES PORTADORES DE CÂNCER DE BEXIGA SUBMETIDOS À CISTECTOMIA RADICAL. Revista Paraense de Medicina, 2013. v. 27, n. 4, p. 47–52.

- CHANG, S. S. et al. Treatment of Non-Metastatic Muscle-Invasive Bladder Cancer: AUA/ASCO/ASTRO/SUO Guideline. Journal of Urology, 2017. v. 198, n. 3, p. 552–559.

- OOSTERLINCK, W. et al. Guidelines on Bladder Cancer• 1. European urology, 2015. v. 41, n. 2, p. 105–112.

- EVANS, C. P. et al. Bladder Cancer: Management and Future Directions{A figure is presented}. European Urology, Supplements, 2007. v. 6, n. 3, p. 365–373.

- JOÃO GONÇALO NUNES SANTIAGO. Carcinoma in Situ Da Bexiga, Diagnóstico E Tratamento. Artigo De Revisão, 2011. Disponível em: <https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/31161/1/Carcinoma in situ da bexiga diagnostico e tratamento.pdf>.

- CHAMIE, K. et al. QUALITY OF CARE IN PATIENTS WITH BLADDER CANCER: A CASE REPORT? Cancer, 2012. v. 118, n. 5, p. 1412–1421.

- LOOMIS, D. et al. Carcinogenicity of drinking coffee, mate, and very hot beverages. The Lancet Oncology, 2016. v. 2045, n. June, p. 22–24.

- LORIA, D.; BARRIOS, E.; ZANETTI, R. Cancer and yerba mate consumption: a review of possible associations. Revista Panamericana de Salud Pública, 2009. v. 25, n. 6, p. 530–539.

- LOPES, M. Os significados da depressão entre pacientes com câncer de bexiga em seguimento terapêutico. 2015. 219f. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.

- HATTERJEE, S. J. et al. Combined effects of p53, p21, and pRb expression in the progression of bladder transitional cell carcinoma. Journal of Clinical Oncology, 2004. v. 22, n. 6, p. 1007–1013.

- LEILA POSENATO, G.; ELISETE, D. Aplicações da Epidemiologia. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2015. v. 24, n. 1, p. 5–6.

- MALTA, D. C. et al. Evolução de indicadores do tabagismo segundo inquéritos de telefone, 2006-2014. Cadernos de Saúde Pública, 2017. v. 33, n. suppl 3, p. 2006–2014.

- SPESSOTO, L. C. F. et al. Câncer de bexiga em uma paciente de 23 anos : relato de um caso incomum. Arq. Ciência Saúde, 2011. v. 18, n. 3, p. 130–132.

- KAMAT, A. M. et al. Bladder cancer. The Lancet, 2016. v. 388, n. 10061, p. 2796–2810.

Downloads

Publicado

21-01-2020