ANÁLISE COMPARATIVA DA MOBILIDADE FUNCIONAL E MEDO DE QUEDAS DE IDOSAS COMUNITÁRIAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.6241

Palavras-chave:

Acidentes por Quedas, Equilíbrio Postural, Envelhecimento, Limitação da Mobilidade.

Resumo

Introdução: A população mundial está envelhecendo e, com isso, podem ocorrer diversas modificações estruturais e fisiológicas no organismo que podem levá-lo ao déficit de equilíbrio e quedas. Tais quedas podem trazer tanto consequências físicas quanto psicológicas, portanto a importância de preveni-las. Objetivo: Comparar a mobilidade funcional de idosas com e sem medo de cair. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo comparativo, realizado com 88 idosas comunitárias residentes no município de Uruguaiana/RS, com média de idade de 69,88±5,77. Foram realizadas avaliações seguindo o seguinte protocolo: a) aplicação de questionário sobre o perfil sócio demográfico, nível de atividade física, histórico de quedas e outras alterações associadas, tais como alterações visuais, auditivas e labirínticas; b) investigação sobre a preocupação em sofrer quedas (FES-I); c) mobilidade funcional (Timed Up and Go - TUG e velocidade de marcha). A partir da aplicação do FES-I, as idosas foram divididas em dois grupos de acordo com sua classificação: idosas sem medo de cair (grupo 1= 48 idosas (54,5%)) e o grupo 2 pelas idosas com medo de cair (40 idosas - 45,5%). Os resultados demonstraram que a média do TUG entre as idosas do grupo 1 foi menor (p=0,005), assim como a velocidade da marcha foi maior entre estas idosas (p=0,006). Resultados e Conclusões: Sendo assim, o estudo demonstrou que aquelas idosas que apresentam mais medo de cair apresentam piores resultados na sua mobilidade funcional quando comparadas a idosas sem este medo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

DANIELA VIROTE KASSICK MÜLLER, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA UNIPAMPA - RS CAMPUS URUGUAIANA

Fisioterapeuta, doutora em gerontologia biomédica pela PUCRS, professora adjunta na Universidade Federal do Pampa, Unipampa, campus Uruguaiana - RS

JÉSSICA SANCHOTENE de Bastos, Núcleo de Apoio à Saúde da Família da Prefeitura Municipal de Barra do Quaraí - RS

Fisioterapeuta, formada pela Universidade Federal do Pampa, Campus Uruguaiana

Referências

Cruz DT et al. Prevalência de Quedas e Fatores Associados em Idosos. Rev Saúde Pública 2012; 46(1): 138-46.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Transição da estrutura etária no Brasil: oportunidades e desafios para a sociedade nas próximas décadas. Em: Mudança Demográfica no Brasil no Início do Século XXI: Subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro; 2015. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/ livros/liv93322.pdf>. Acesso em: abril/2017.

Santos SFC; Silva Neto VM. Treinamento resistido para idosos: revisão de literatura. Cinergis 2017; 18(2): 151-55.

Clares JWB, Freitas MC, Borges CL. Fatores sociais e clínicos que causam limitação da mobilidade de idosos. Acta Paulista de Enfermagem 2014; 27(3): 237-42.

Gasparotto LPR, Santos JFFQ. A importância da análise dos gêneros para fisioterapeutas: enfoque nas quedas entre idosos. Fisioterapia em Movimento 2012; 25(4): 701-7.

Anjos FR et al. Probabilidade de cair e medo de quedas após oficina de equilíbrio em idosos praticantes de atividade física. Rev de Atenção à Saúde 2015; 13(44): 5-10.

Oliveira VCS, Furtado F. Instrumentos de avaliação do equilíbrio e mobilidade funcional entre idosos brasileiros ativos sem e com baixo risco para quedas. In: V Simpósio de Pesquisa e Inovação / IV Seminário de Iniciação Científica do IF Sudeste MG - Campus Barbacena; 2014; Barbacena. Minas Gerais: 2014; 1(1).

Silva DO et al. Influência da preocupação com quedas na mobilidade e na força de reação do solo em idosas durante descida de escada. Scientia Médica 2014; 24(4): 361-367.

Martinez BP, Batista AKMS, Ramos IR, Dantas JC, Gomes IB, Forgiarini LA Jr, Camelier FRW, Camelier AA. Viabilidade do teste de velocidade de marcha em idosos hospitalizados. J Bras Pneumol 2016; 42(3): 196-202.

Kuchemann, BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc estado 2012; 27(1): 165-80.

Lopes BS, Carvalho GA. Histórico de quedas, capacidade funcional e autoeficácia em idosas comunitárias: uma análise comparativa. Rev da Universidade Vale do Rio Verde 2014; 12(1): 304-16.

Pinheiro HA, Vilaca, KHC, Carvalho, GA. Postural stability, risk of falls and fear of falling in elderly with diabetic neuropathy who do therapeutic exercises. Fisioter Pesquisa 2014; 21(2): 127-32.

Steter AM, Coutinho RMC, Fernandes ACP, Costa LFV. Importância da avaliação do equilíbrio e marcha do idoso. J Health Sci Inst 2014; 32(1):43-7.

Ribeiro AS, Santos NKO, Gervásio FM. Atuação da fisioterapia no equilíbrio postural de idosos e sua relação com quedas: revisão estruturada. Rev Movimenta 2014; 7(3): 773-82.

Padoin, PG et al. Análise comparativa entre idosos praticantes de exercício físico e sedentários quanto ao risco de quedas. O mundo da saúde 2010; 34(2): 158-64.

Alfieri FM, Riberto M, Gatz LS, Ribeiro CPC, Battistella LR. Uso de testes clínicos para verificação do controle postural em idosos saudáveis submetidos a programas de exercícios físicos. Acta Fisiatr 2010; 17(4):153-8.

Abreu SSE, Caldas CP. Velocidade de marcha, equilíbrio e idade: um estudo correlacional entre idosas praticantes e idosas não praticantes de um programa de exercícios terapêuticos. Rev Bras de Fisiot 2008; 12(4): 324-30.

Nunes NM et al. Avaliação do medo de cair e equilíbrio de idosos ativos e não ativos: um estudo comparativo. Rev bras Ci e Mov 2016; 24(2): 173-81.

Downloads

Publicado

21-01-2020