PERCEPÇÃO DE ENFERMEIROS DE TERAPIA INTENSIVA SOBRE PREVENÇÃO DE LESÃO POR PRESSÃO

Natália de Brito Mendes Martins, MARIA GIRLANE SOUSA ALBUQUERQUE BRANDÃO, Leonardo Alexandrino da Silva, Aline Maria Veras Mendes, Joselany Áfio Caetano, Thiago Moura de Araújo, Lívia Moreira Barros

Resumo


Introdução: A Unidade de Terapia Intensiva é um setor destinado a pacientes críticos, que podem se tornar vulneráveis à alteração da integridade da pele. O estudo teve o objetivo de identificar a percepção de enfermeiros intensivistas sobre a prevenção de lesão por pressão. Materiais e Métodos: Estudo exploratório e qualitativo, realizado com 18 enfermeiros de terapia intensiva de instituição de ensino no Estado do Ceará, Brasil, de julho a setembro de 2015. Os dados foram coletados a partir de entrevista, utilizando-se instrumento semiestruturado em uma sala do hospital, segundo a disponibilidade de cada enfermeiro. Resultados: Participaram da pesquisa 18 enfermeiros, com tempo de experiência de seis meses a 24 anos. Após a análise dos dados, foi possível agrupar seis categorias: Conhecimento sobre lesão por pressão; Cuidados de enfermagem para prevenção e tratamento das lesões; Facilidades e dificuldades encontradas; Conhecimento sobre a Escala de Braden; Uso da Escala de Braden na prática assistencial e Contribuição na sistematização da assistência sobre a inclusão da Escala de Braden. Conclusões: A percepção dos enfermeiros sobre prevenção de lesão por pressão ainda é deficiente. Houve conhecimento insipiente sobre o significado das lesões e identificação por meio de escalas e ambiguidade de respostas entre implementação e significância de escalas de prevenção.                                       


Palavras-chave


Unidades de Terapia Intensiva; Cuidados de Enfermagem; Lesão por Pressão.

Texto completo:

PDF

Referências


Costa CR, Costa LM, Boução DMN. Escala de Braden: a importância da avaliação do risco de úlcera de pressão em pacientes em uma unidade de terapia intensiva. Rev Recien. 2016; 17 (6):36-44. http://dx.doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2016.6.17.36-44

Sousa CA, Santos I, Silva LD. Aplicando recomendações da Escala de Braden e prevenindo úlceras por pressão: evidências do cuidar em enfermagem. Rev Bras Enferm. 2006; 59 (3): 279-284. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000300006

Soares CF, Heidemann ITSB. Promoção da saúde e prevenção da lesão por pressão: expectativas do enfermeiro da atenção primária. Rev Texto Contexto Enferm. 2018; 27(2):e1630016. http://dx.doi.org/10.1590/0104-070720180001630016

Moraes JT, Borges EL, Lisboa CR, Cordeiro DC, Rosa EG, Rocha NA. Conceito e classificação de lesão por pressão: atualização do National Pressure Ulcer Advisory Panel. Rev Enferm Cento Oeste Min. 2016; 6(2):2292-306. http://dx.doi.org/10.19175/recom.v6i2.1423

Mallah Z, Nassar N, Kurdahi BL. The effectiveness of a pressure ulcer intervention program on the prevalence of hospital acquired pressure ulcers: controlled before and after study. Appl Nurs Res. 2015; 28 (6):106-13. http://dx.doi.org/10.1016/j.apnr.2014.07.001

Olkoski E, Assis GM. Application of measures for preventing pressure ulcers by the nursing team before and after an education campaign. Rev Escola Anna Nery. 2016; 20 (2): 363-369. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160050

Moore ZEH, Cowman S. Risk assessment tools for the prevention of pressure ulcers. Cochrane Database Syst Rev. 2014; 5(2):CD006471. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD006471

Freitas JPC, Alberti LR. Aplicação da Escala de Braden em domicílio: incidência e fatores associados a úlcera por pressão. Rev Acta paul. enferm. 2013 26(6):515-521. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000600002

Ministério da Saúde (BR), Anvisa, Fiocruz. Anexo 2: Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. Brasília (DF): Ministério Da Saúde; 09/07/2013. http://www.hospitalsantalucinda.com.br/downloads/prot_prevencao_ulcera_por_pressao.pdf

Siqueira AS, Santos NA, Melo JM. Importância da Cobertura Ideal e Técnicas Assépticas no Tratamento da Úlcera por Pressão. Rev Ensaios Cienc., Cienc. Biol. Agrar. Saúde. 2015; 19(3):124-129.

Rocha SCG, Oselame DG, Mello MGS, Neves EB. Comparação das escalas de avaliação de risco de lesão por pressão. Rev Bras Pesq Saúde. 2016; 18(4): 143-151. https://doi.org/10.21722/rbps.v18i4.16742

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

Michelan VCA, Spiri WC. Perception of nursing workers humanization under intensive therapy. Rev Bras Enferm. 2018; 71(2):372-8. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0485

Lino MM, Backes VMS, Costa MASMC, Martins MMFPS, Lino MM. Pesquisa em enfermagem: Brasil e Portugal na construção da identidade profissional. Rev Texto Contexto Enferm. 2018; 27(1):e6550015. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072018006550015

Galvão NS, Serique MAB, Santos VLCG, Nogueira PC. Knowledge of the nursing team on pressure ulcer prevention. Rev Bras Enferm. 2017; 70 (2): 294-300. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0063

Etafa W, Argaw Z, Gemechu E, Melese B. Nurses’ attitude and perceived barriers to pressure ulcer prevention. BMC Nursing. 2018; 17(14): 1-8. https://doi.org/10.1186/s12912-018-0282-2

Rolim JA, Vasconcelos JMB, Caliri MHL, Santos IBC. Prevenção e tratamento de úlceras por pressão no cotidiano de enfermeiros intensivistas. Rev Rene. 2013; 14(1): 148-57.

Santos GMG, Rocha RRS; Melo AFS; Passos TS. O enfermeiro frente à prevenção de lesão por pressão: revisão integrativa. Journal of Health Connections. 2018; 3(2):60-71.

Gonçalves LA, Andolhe R, Oliveira EM, Barbosa RL, Faro ACM, Gallotti RMD, et al. Nursing allocation and adverse events/incidents in intensive care units. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46 (Esp):71-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000700011

Latimer S, Gillespie BM, Chaboyer W. Predictors of pressure injury prevention strategies in at-risk medical patients: an Australian multi-centre study. Collegian. 2017; 24 (3): 155-163. https://doi.org/10.1016/j.colegn.2015.11.005

Barakat-Johnson M, Lai M, Wand T, White K. A qualitative study of the thoughts and experiences of hospital nurses providing pressure injury prevention and management. Collegian. 2018; 558(2): 1-8. https://doi.org/10.1016/j.colegn.2018.04.005

Araújo CRD, Lucena STM, Santos IBC, Soares MJGO. A enfermagem e a utilização da Escala de Braden em úlcera por pressão. Rev Enferm UERJ. 2010; 18(3):359-64.

Morita ABPS, Poveda VB, Santos MJ, Marcelino AL. Conhecimento dos enfermeiros acerca dos instrumentos de avaliação de risco para úlcera por pressão. Rev Reenvap. 2012; 2(1):9-23.

Karadag A, Hanönü S, Eyikara E. A Prospective, Descriptive Study to Assess Nursing Staff Perceptions of and Interventions to Prevent Medical Device-related Pressure Injury. Ostomy Wound Management. 2017; 63(10):34–4. https://doi.org/10.25270/owm.2017.10.3441

Santos LRCL, Lino AIA. Risks of pressure injury: application of the Braden Scale in intensive care. Braz. J. Enterostomal Ther. 2018; 16: e0818. https://doi.org/10.30886/estima.v16.443_PT

Cox J, Schallom M. Pressure Injuries in Critical Care: A Survey of Critical Care Nurses CriticalCareNurse. 2017; 37(5):46-56. https://doi.org/10.4037/ccn2017928

Duarte SCM, Stipp MAC, Silva MM, Oliveira FT. Adverse events and safety in nursing care. Rev Bras Enferm. 2015; 68(1):144-54. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680120p

Efteli EU, Gunes UY. A prospective, descritive study of risk factors related to pressure ulcer development among patients in intensive care units. Ostomy Wound Manage. 2013; 59(7):22-7.

Sousa CA, Santos I, Silva LD. Aplicando recomendações da Escala de Braden e prevenindo úlceras por pressão: evidências do cuidar em enfermagem. Rev Bras Enferm. 2006; 59(3):279-84. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000300006

Borghardt AT, Prado TN, Araújo TM, Rogenski NMB, Bringuente MEO. Evaluation of the pressure ulcers risk scales with critically ill patients: a prospective cohort study. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(1):28-35. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0144.2521




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol18n63.6270

Indexadores: