Núcleo ampliado de saúde da família e atenção básica (NASF-AB): um estudo avaliativo sobre suas ações com hipertensos e diabéticos NASF-AB: um estudo avaliativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n67.6777

Palavras-chave:

Avaliação em saúde. Diabetes Mellitus. Hipertensão Arterial Sistêmica. Atenção à Saúde.

Resumo

Resumo
Introdução: a implantação das ações com hipertensos e diabéticos promovidos pelo Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) é elemento pertinente para estudos avaliativos. Objetivo: avaliar a implantação do NASF-AB em relação às suas ações de alimentação/nutrição e atividade física/práticas corporais na atenção a hipertensos e diabéticos na estratégia de saúde da família (ESF) de Petrolina – PE. Metodologia: Trata-se de um estudo avaliativo de análise de implantação do tipo 1b, que identificou o grau de implantação (GI) do NASF-AB e a influência de atores contextuais políticos e estruturais. Resultados: Foi verificado que o GI e suas dimensões de estrutura e processo estavam parcialmente implantados. Ao analisar o contexto, verificou-se que o mesmo foi favorável à implantação de forma que a abordagem política foi mais favorável do que a abordagem estrutural. Por sua vez, o processo do NASF-AB foi influenciado favoravelmente por fatores políticos como conhecimento acerca do NASF-AB, instituição de parcerias, ampliação de responsabilidades e inovação nas práticas, entretanto, a estrutura foi influenciada desfavoravelmente por fatores como a estrutura física das unidades de saúde, clima de equipe, vínculos profissionais e investimentos no NASF-AB. Conclusão: A implantação parcial revela a necessidade de superar fortes obstáculos para que essa política consiga induzir melhoras efetivas no cuidado com hipertensos e diabéticos na ESF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Bortoluz S, Lima LA, Nedel FB. Condições de saúde e utilização de um serviço de atenção primária em pacientes hipertensos e/ou diabéticos. Ciência & Saúde 2016; 9 (3): 156-166.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, Lotufo, PA, Vigo A, Barreto SM. Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev. Saúde Pública 2012; 46 (Supl): 126-34.

Goulart FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde. Brasília: OPAS; 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Amaral MN, Silva MEK. Atuação do nutricionista no núcleo de apoio à saúde da família: desafios da interdisciplinaridade no cuidado à saúde. Trab. Educ. 2015; 24 (2): 143-55.

Furtado GVM, Knuth AG. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF-AB) em Rio Grande/RS: percepções sobre o trabalho realizado pela educação física. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde 2015; 20 (5): 514-23.

Pinheiro CTMA. Gestão das Doenças Crônicas: Implicações na Prática nos Cuidados de Saúde Primários - Unidade E [dissertação]. Lisboa: Universidade Aberta; 2009.

Andrade LMB, Quandt FB, Campos DA, Delziovo CR, Coelho EBS, Moretti-Pires RO. Análise da implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no interior de Santa Catarina. Saúde Transform. Soc. 2012; 3 (1): 18-31.

Hartz ZMA, Silva LMV. Avaliação em Saúde: Dos Modelos Teóricos à Prática na Avaliação de Programas e Sistemas de Saúde. Salvador: EDUFBA; 2005.

Champangne F. A análise de implantação. In: Brousselle A. Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

Prefeitura Municipal de Petrolina (PMP). Plano Municipal de Saúde 2014-2017. Petrolina: SMS; 2013.

Ferreira VSC, Silva LMV. Intersetorialidade em saúde: um estudo de caso. In: Hartz ZMA, Silva LMV. Avaliação em Saúde: Dos Modelos Teóricos à Prática na Avaliação de Programas e Sistemas de Saúde. Salvador: EDUFBA; 2005.

Denis J, Champanhe F. Análise da implantação. In: Hartz, ZMA. Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1997.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Lira RC. Elaboração e validação de um questionário para avaliação da implantação do componente alimentação, nutrição e atividade física do NASF-AB em Pernambuco, PE [dissertação]. 2017. Recife: IAM/FIOCRUZ; 2017.

Fernandes JM, Rios TA, Sanches VS, Santos MLM. NASF-AB’s tools and practices in health of physical therapists. Fisioter. Mov. (Online) 2016; 29 (4): 741-50.

Reis ML, Medeiros M, Pacheco LR, Caixeta CC. Avaliação do trabalho multiprofissional do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF-AB). Texto Contexto Enferm 2016; 25 (1): 01-09.

Fagundes AA. A atuação do nutricionista nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF-AB) [tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2013.

Martinez JFN, Silva MS, Silva AM. O Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Goiânia (GO): percepções dos profissionais e gestores. Saúde Debate 2016; 40 (110): 95-106.

Anjos KF, Meira SS, Ferraz CEO, Vilela ABA, Boery RNSO, Sena ELS.. Perspectivas e desafios do núcleo de apoio à saúde da família quanto às práticas em saúde. Saúde Debate 2013; 37 (99): 672-80.

Souza TT, Calvo, M.C. Resultados esperados dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família: revisão de literatura. Rev. Saúde Soc. 2016; 25 (4): 976-87.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Mundo saúde 2010; 34 (1): 92-96.

Brasil. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Tesser CD. Núcleos de Apoio à Saúde da Família, seus potenciais e entraves: uma interpretação a partir da atenção primária à saúde. Interface Comun. Saúde Educ. 2017; 21 (62): 65-78.

Correia PCL, Goulart PM, Furtado JP. A avaliabilidade dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (ASF). Saúde Debate 2017; 41 (espec.): 345-59.

Volponi PRR, Garanhani ML, Carvalho BG. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades como dispositivo de mudança na Atenção Básica em saúde. Saúde Debate 2015; 39 (espec.): 221-31.

Gonçalves RMA, Lancman S, Sznelwar LI, Cordone NG, Barros, JO. Estudo do trabalho em Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF-AB), São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Saúde Ocup. 2015; 40 (131): 59-74.

Maciel MS, Coelho MO, Marques LARV, Rodrigues Neto EM, Lotif MAL, Ponte ED. Ações de saúde desenvolvidas pelo núcleo de apoio à saúde da família – NASF-AB. Saúde (St. Maria) 2015; 41 (1): 117-22.

Ribeiro MDA, Bezerra EMA, Costa MS, Branco CEC, Araújo Neto JD, Moreira AKF, Filgueiras MC. Avaliação da atuação do núcleo de apoio à saúde da família. Rev. Bras. Promoção Saúde 2014; 27 (2): 224-31.

Santos SFS, Benedetti TRB. Cenário de implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família e a inserção do profissional de Educação Física. Rev. bras. ativ. fís. saúde 2012; 17 (3): 88-194.

Assis LC, Simões MOS, Cavalcanti AL. Políticas públicas para monitoramento de hipertensos e diabéticos na atenção básica, Brasil. Rev. Bras. Pesqui. Saúde 2012; 14 (2): 65-70.

Publicado

19-04-2021

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS