AVALIAÇÃO DAS PRESCRIÇÕES MÉDICAS DE ANTIBACTERIANOS DISPENSADAS COM RETENÇÃO DE RECEITA EM UMA FARMÁCIA NO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.7332

Palavras-chave:

Anti-Infecciosos . Assitência Farmacêutica. efeitos dos fármacos . Doenças Respiratórias

Resumo

Objetivo: analisar prescrições médicas de antimicrobianos dispensados em uma farmácia do interior do Estado do Rio Grande do Sul, para identificar quais os antibióticos mais dispensados. Material e Métodos: Trata-se de uma pesquisa do tipo documental, transversal e de campo, com abordagem quantitativa, desenvolvida no mês de Abril de 2019, em um estabelecimento farmacêutico. Resultados: Foram analisadas 410 prescrições médicas, em amostra obtida por conveniência. O perfil que se destaca é de mulheres com idades entre 20 à 32 anos. O antimicrobiano mais prescrito no período de estudo foi a Amoxicilina (28,5%) pertencente a classe das Penicilinas, seguido de Azitromicina (13%) pertencente à classe dos Macrolídeos. Conclusão: Conclui-se que o antibiótico mais utilizado é selecionado pelos médicos por ser um antimicrobiano eficaz em diversas situações clínicas e amplamente utilizado para problemas respiratórios  que são mais comuns no período de outono e inverno, no qual foi desenvolvida a pesquisa

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joceleia Paz Damian, Autônoma

Farmacêutica. Graduada pela Universidade de Cruz Alta

Thiago de Souza Claudino, Centro Universitário Metodista - IPA

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, graduação em Farmácia Industrial (Habilitação) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestrado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professor do Centro Universitário Metodista.

Viviane Cecilia Kessler Nunes Deuschle, Universidade de Cruz Alta

Graduada em Farmácia pela Universidade de Cruz Alta, Mestre e Doutora em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

. Paz EF, Stefanon EBC. Avaliação da dispensação de antimicrobianos em uma farmácia hospitalar da Região Central do RS. Infarma. 2010;22(1/4):55-57.

Oliveira WL, Branco AB, Avaliação da antibioticoterapia em

pacientes internados no Hospital Regional do Guará – DF. Comunicação em Ciências da Saúde. 2007;18(2): 107-114.

Fernandes IQ, Sousa HF, Brito MAM, Tavares SN, Matos VC, Souza MOB. Impacto farmacoeconômico da racionalização do uso de antimicrobianos em Unidades de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. 2012;3(4):10-14.

Nicolini P, Nascimento JWL, Greco KV, Menezes FG. Fatores relacionados à prescrição médica de antibióticos em farmácia pública da região Oeste da cidade de São Paulo. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13(supl.):689-696.

Loureiro RJ, Roque F, Rodrigues AT, Herdeiro MT, Ramalheira E. O uso de antibióticos e as resistências bacterianas: breves notas sobre a sua evolução. Revista Portuguesa de Saúde Pública. 2016;34(1):77-84.

Roque F, Soares S, Breitenfeld L, Lopez Duran A, Figueiras A, Herdeiro MT. Attitudes of community pharmacists to antibiotic dispensing andmicrobial resistance: A qualitativ estudy in Portugal. Int J Clin Pharm.2013;35:417–24.

Junior AG. Análise das prescrições de antimicrobianos dispensados em uma drogaria da cidade de Colider-MT. FACIDER Revista Científica. 2015;(8):1-15.

Leite SN, Bernardo, NLMC, Álvares J, Junior AAG, Costa EA, Acurcio FA, et al. Serviço de dispensação de medicamentos na atenção básica no SUS. Revista de Saúde Pública. 2017;51(supl. 2:11S):1S-10S.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC 20 de 9 de Maio de 2011. Dispõe sobre o controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em associação. Brasília – DF, 2011.

Guedes RF, Guedes RF, Guedes HHS. O papel educativo do farmacêutico frente ao desafio da implantação da RDC 20/2011: da automedicação ao consumo consciente de antimicrobianos. Revista Eletrônica Gestão e Saúde. 2014;5(2):436-458.

Ladeira R, Moraes W, Oliveira C. Perfil de dispensação de antimicrobianos antes e depois da promulgação da RDC 44/2010. Revista Acta Brasiliensia. 2017;8(2):47-56.

Paganotti AM, Reis RA, Crozatti MTL, Silva ATA, Fegadolli C. Prescrição de antibióticos a crianças atendidas no inverno em Unidade de Saúde de município paulista. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2013;34(3):441-447.

Bisson MP. Farmácia Clínica e atenção farmacêutica. 2ed. São Paulo: Manole, 2007.

Gonçalves M, Ribeiro J, Silva J, Francelino M. Avaliação das receitas de antimicrobianos dispensados em uma farmácia comunitária no município de Caucaia – Ceará. Boletim Informativo Geum. 2017;8(1):15-22.

Costa M. Análise das prescrições de antimicrobianos: farmácia pública da prefeitura de Carmo do Cajuru. Revista Saúde e Desenvolvimento. 2016;9(5):73-84.

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Porque homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Saúde Pública. 2017;23(3):565-574.

Nascimento OS, Magalhães IRS. Análise da prescrição de antimicrobianos dispensados em uma rede de drogarias da região Norte do Brasil. Revista Brasileira de Farmácia. 2013;94(3):211-218.

Franco J, Mendes R, Cabral F. O papel do farmacêutico frente à resistência bacteriana ocasionada pelo uso irracional de antimicrobianos. Revista Científica. 2016:1(72):1-17.

Valentini MH, Silva AC, Roginski AC, Chicota LC, Grazziotin NA, Diefenthaeler HS. Análise da qualidade de prescrições de antimicrobianos comercializados em uma drogaria da Região Norte do Rio Grande do Sul.HU Revista. 2017;43(1):19-24.

Piltcher OB, Kosugi EM, Sakano E, Mion O, Testa JRG, Romano FR, et al. How to avoid the inappropriate use of antibiotics inupper respiratory tract infections?A position statement from na expert panel. Brazilian Jorunal of Otorhinolaryngology. 2018;84(3):265-279.

Firmo W, Paredes A, Cunha C, Torres AG, Buccini DF. Análise das prescrições médicas de psicotrópicos de uma farmácia comercial no município de Bacabal, Maranhão. Journal of Management & Primary Health Care. 2013;4(1):10-18.

Brito MA, Cordeiro BC. Necessidade de novos antibióticos. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 2012;48(4):247-249

Publicado

30-06-2021