Tendência temporal da sífilis congênita em Palmas, Tocantins: análise por pontos de inflexão, 2008 a 2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n67.7333

Palavras-chave:

Saúde Materno-Infantil, Vigilância epidemiológica, Estudos de séries temporais, Epidemiologia

Resumo

INTRODUÇÃO: A sífilis constitui um problema de saúde pública mundial. Em Palmas, capital do Tocantins, a taxa de detecção de sífilis congênita (SC) foi superior à média do estado e do Brasil em 2018. Apesar disso, este é um assunto ainda pouco estudado no município. OBJETIVO: descrever a tendência temporal da Sífilis Congênita em Palmas, Tocantins no período de 2008 a 2018. MÉTODOS: Estudo de série temporal baseado em dados epidemiológicos oriundos do Departamento de informática do Sistema Único de Saúde. A análise incluiu modelos de regressão de Poisson por pontos de inflexão Joinpoint. RESULTADOS: Foram registrados 451 casos de SC, cuja taxa de detecção apresentou aumento significativo no período 2010-2018 (APC=11,8 IC95% 3,9 a 20,3). No período total, houve um decréscimo significativo da SC tardia (APC=-8,1 – IC95% -13,3 a –2,6), SC de mães de 30 a 39 anos (APC= -6,0 – IC95% -10,4 a -1,4) e SC com tratamento adequado (APC=-23,1 – IC95% -32,5 a –9,7). No mesmo período, houve aumento significativo de SC em mães de 15 a 19 anos (APC=10,4 – IC95% 4,9 a 16,2), com 10 a 12 anos de estudo (APC=3,2 – IC95% 0,2 a 6,3) e com tratamento inadequado (APC= 5,5 – IC95% 0,2 a 11,1). No período de 2011 a 2018, houve queda significativa da SC com parceiro não tratado (APC=-5,8 – IC95% -10,7 a –0,5). CONCLUSÃO: Para melhores indicadores, é necessária a melhoria da assistência pré-natal, incluindo, essencialmente, os parceiros no tratamento da doença, somada à promoção de educação sexual em escolas para a população adolescente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

OMS (Organização Mundial da Saúde). Global health sector strategy on sexually transmitted infections, 2016–2021. Genebra; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sífilis 2019. Boletim Epidemiológico. Brasília, DF; 2019a. Número especial.

Hawkes S, Matin N, Broutet N, Low N. Effectiveness of interventions to improve screening for syphilis in pregnancy: a systematic review and meta-analysis. Lancet Infect Dis. 2011; 11 (9): 684-91.

Dantas DRG, Barros HST, Maia-Filho LFS, Paranhos LDC, Calú MEC, Vilarim NT, et al. Prevalence of gestational and congenital syphilis in Brazil in the last 15 years. J Infect Dis Preve Med. 2018; 6 (3).

Manolescu LSC, Boeru C, C?runtu C, Dragomirescu CC, Goldis M, Jugulete G, et al. A Romanian experience of syphilis in pregnancy and childbirth. Midwifery. 2019; 78: 58-63.

Berman SM. Maternal syphilis: pathophysiology and treatment. Bull World Health Organ. 2004; 82: 433-8.

Meneghette AR, Santos BMC, Lemos EFS, Rego RL, Kashiwabara TB, Rocha LLV. Sífilis congênita: uma revisão integrativa. Braz J Surg Clin Res. 2016; 28 (4): 101-10.

Wang Y, Wu M, Gong X, Zhao L, Zhao J, Zhu C, et al. Risk Factors for congenital syphilis transmitted from mother to infant - Suzhou, China, 2011-2014. Morb Mortal Wkly Rep. 2019; 68 (10): 247-50.

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad Saúde Pública. 2013, 29 (6): 1109-20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). [acesso em 8 de janeiro de 2020]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/to/palmas.html

Palmas. Secretaria Municipal de Saúde. Portaria nº. 457, de 15 de abril de 2019. Torna pública a alteração de informações sobre Rede de Atenção e Vigilância em Saúde (RAVS-PALMAS). Diário Oficial do Município de Palmas 15 abr 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Indicadores e Dados Básicos da Sífilis nos Municípios Brasileiros [internet]. 2020b [acesso em 10 fev 2020]. Disponível em: http://indicadoressifilis.aids.gov.br/.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Cidades e Estados. Palmas [internet]. 2019 [acesso em 10 mai 2020]. Disponível em: http://ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=to

Paz LC, Pereira GF, Pinto VM, Medeiros MGPF, Matida LH, Saraceni V, et al. Nova definição de casos de sífilis congênita para fins de vigilância epidemiológica no Brasil, 2004. Rev Bras Enferm. 2005; 58 (4): 486-7.

Kim HJ, Fay MP, Feuer EJ, Midthune DN. Permutation tests for joinpoint regression with application to cancer rates. Stat Med. 2000; 19 (3): 335-51.

Clegg LX, Hankey BF, Tiwari R, Feuer EJ, Edwards BK. Estimating average annual per cent change in the in-trend analysis. Stat Med. 2009; 28 (29): 3670-82.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância em Saúde. Sífilis 2017. Boletim Epidemiológico. Brasília, DF; 2017; 48 (36).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância em Saúde. Sífilis 2018. Boletim Epidemiológico. Brasília, DF; 2018; 49 (45).

Figueiredo DCMM, Figueiredo AM, Souza TKB, Tavares G, Vianna RPT. Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cad Saúde Pública. 2020; 36 (3): e00074519.

Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Brasília; DF; 2019b.

Serafim AS, Moretti GP, Serafim GS, Niero CV, Rosa MI, Pires MMS, et al. Incidence of congenital syphilis in the South Region of Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2014; 47 (2): 170-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 3.242, de 30 de dezembro de 2011. 2011a. Dispõe sobre o Fluxograma Laboratorial da Sífilis e a utilização de testes rápidos para triagem da sífilis em situações especiais e apresenta outras recomendações. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil 30 dez 2011.

Almeida KT, Santos NA, Costa AKAN, Santos MR, Menezes AMF, Alves KAN. Perfil epidemiológico de sífilis congénita en una microrregión en el interior del estado de Bahia (2007-2017). Enferm Glob. 2019; 18 (56): 198-208.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 2.012, de 19 de outubro de 2016. Aprova o Manual Técnico para o Diagnóstico da Sífilis e dá outras providências. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil 19 out 2016.

Domingues RMSM; Saracen V; Hartz ZMDA; Leal MDC. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev. Saúde Públ., 2013. [acesso em 13 de novembro de 2019]; 47 (1).

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública. 2016; 32 (6): e00082415.

Heringer ALS, Kawa H, Fonseca SC, Brignol SMS, Zarpellon LA, Reis AC. Desigualdades na tendência da sífilis congênita no município de Niterói, Brasil, 2007 a 2016. Rev Panam Salud Publica. 2020; 44: e3.

Maschio-Lima T, Machado ILL, Siqueira JPZ, Almeida MTG. Epidemiological profile of patients with congenital and gestational syphilis in a city in the State of São Paulo, Brazil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2019; 19 (4): 865-72.

Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte – MG, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24: 681-94.

Pedro JM. A experiência com contraceptivos no Brasil: uma questão de geração. Rev Bra Hist. 2003; 23 (45): 239-60.

Baracat EC. Manual de Ginecologia Endócrina. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). 2015; 100 p.

Benzaken AS, Pereira GFM, Cunha ARC, Souza FMA, Saraceni V. Adequacy of prenatal care, diagnosis and treatment of syphilis in pregnancy: a study with open data from Brazilian state capitals. Cad Saúde Pública. 2020; 36 (1): e00057219.

Pinto VM, Basso CR, Barros CRS, Gutierrez EB. Fatores associados às infecções sexualmente transmissíveis: inquérito populacional no município de São Paulo, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;?3 (7): 2423-32.

Cunha ARC, Merchan-Hamann E. Sífilis em parturientes no Brasil: prevalência e fatores associados, 2010 a 2011. Rev Panam Salud Pública. 2015; 38: 479-86.

Cavalcante EGF, Miranda MCC, Carvalho AZFHT, Lima ICV, Galvão MTG. Notificação de parceiros sexuais com infecção sexualmente transmissível e percepções dos notificados. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50 (3): 450-7.

Heston S, Arnold S. Syphilis in children. Infect Dis Clin N Am. 2018; 32 (1): 129-44.

OMS (Organização Mundial da Saúde). Eliminação mundial da sífilis congénita: fundamento lógico e estratégia para acção. Genebra; 2008. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/43782/9789248595851_por.pdf;jsessionid=34E8B30D57D53BDC0302E2F0EAF0CB7E?sequence=4.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância em Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Plano operacional para a redução da transmissão vertical do HIV e da sífilis no Brasil. Brasília, DF; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 1.459, de 24 de junho de 2011. 2011b. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil 24 jun 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cobertura da Atenção Básica [internet]. 2020a [acesso em 08 jul 2020].

Publicado

19-04-2021

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS