Perfil Epidemiológico da Diarreia em Crianças de 1 a 4 anos no Estado de Alagoas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.7361

Resumo

Introdução: A diarreia se caracteriza por evacuações recorrentes, podendo ser soltas ou líquidas, e é a segunda causa de morte em menores de cinco anos, além de ser responsável por um terço das internações. Dentre os nove estados da região Nordeste, Alagoas, é o segundo estado com o menor número de municípios que possuem algum tipo de plano de saneamento, o que impacta negativamente na saúde da população. Objetivo: Traçar o perfil epidemiológico da diarreia entre crianças de 1 a 4 anos no estado de Alagoas no período de janeiro de 2014 a dezembro de 2018. Métodos: trata-se de estudo retrospectivo, descritivo, de abordagem quantitativa, realizado no período de outubro de 2019 a janeiro de 2020 por meio do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS), disponível no site do DATASUS. Resultados: no período de 2014 a 2018, o número de internações hospitalares por diarreia e gastroenterites de origem infecciosa presumível no Estado de Alagoas, foi relativamente equivalente entre os sexos, com predominância de crianças pardas e Arapiraca sendo o município com maiores notificações. Conclusão: conclui-se que o número de internações hospitalares por diarreia e gastroenterites de origem infecciosa presumível está diretamente relacionada ao desenvolvimento urbano e a subnotificação por parte dos municípios, sendo imprescindível conhecer o perfil epidemiológico e as variáveis envolvidas no acometimento da diarreia em crianças desta faixa etária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carvalho TCN, Gabbay IB, Siqueira JAM, Linhares AC, Parente AT . Conhecimento sobre gastroenterite viral pelos profissionais de saúde de um hospital materno-infantil de referência no Estado do Pará, Brasil. Rev. Pan-AmazSaude. [Internet]. 2014. [acesso em 2020 Jan 11]; 5(3)11-18. Disponível em:<scielo.iec.gov.br/pdf/rpas/v5n3/v5n3a02.pdf>.

Farthing M, Salam MA, Lindberg G, Dite P, Khalif I, Salazar- Lindo E, et al. Acutediarrhea in adultsandchildren: a global perspective. World GastroenterologyOrganization (WGO). J ClinGastroenterol. [Internet]. 2012. [acesso em 2020 Jun 10]; 47 (1)12-20. Disponível em: https://www.worldgastroenterology.org/guidelines/global-guidelines/acute-diarrhea/acute-diarrhea-english.

Rodrigues JRP, Strinta L, Silvestre GCSB, Junior JCO, Barros LC.Diarreia em crianças menores de cinco anos em uma unidade de saúde da família. Rev. Enferm UFSM [internet]. 2014. [acesso em 2020 Jan 11]; 4(3) 594-601. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/13490.

Oliveira BSB, Oliveira RKL, Bezerra JC, Melo FMS, Monteiro FPM, Joventino ES. Condições sociais e condutas maternas na prevenção e manejo da diarreia infantil. CogitareEnferm. [Internet]. 2017. [acesso em 2020 Jan 11]; 22(4) 1-9. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/50294.

Alencar IZ, Viana VR, Malheiro DR, Santos FAV. Ausência de saneamento básico e sua relação com a diarreia em crianças no nordeste brasileiro, nos anos de 2007 a 2019: uma revisão de literatura. Rev. Estação Científica [Internet]. 2019 [acesso em 2020 Jan 31]; (22). Disponível em: <https://portal.estacio.br/media/4681216/ausência-de-saneamento-básico-e-sua-relação-com-a-diarreia-em-crianças.pdf>.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de informações básicas municipais. Perfil dos Municípios Brasileiros. Saneamento Básico: aspectos gerais da política de saneamento básico. [Internet]. 2017. [acesso em 2020 Jan 03]; Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101610.pdf>.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). [Internet]. 2020 [acesso em 2020 Jan 03]; Disponível em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02>.

Prezotto KH, Chaves MMN, Mathias TAFreitas. Hospitalizações sensíveis à atenção primária em crianças, segundo grupos etários e regionais de saúde. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2015 [acesso em 2020 Ago 25];49(1)44-53. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342015000100044&lng=en.

Oliveira TCR,Latorre MRDO. Tendências da internação e da mortalidade infantil por diarréia: Brasil, 1995 a 2005. Rev Saúde Pública [Internet]. 2010. [acesso em 2020 Jan 20]; 44(1) 102-111. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n1/11.pdf.

Oliveira RKL, Oliveira BSB, Bezerra JC, Silva MJN, Melo FMS, Joventino ES. Influência de condições socioeconômicas e conhecimentos maternos na autoeficácia para prevenção da diarreia infantil. Esc Anna Nery [Internet]. 2017. [acesso em 2020 Jan 11]; 21(4) 1-9. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/ean/v21n4/pt_1414-8145-ean-2177-9465-EAN-2016-0361.pdf.

Rocha SRF. Estudo epidemiológico e etiológico de crianças com diarreia aguda por norovírus e outros agentes em unidade de emergência pediátrica, Salvador Bahia. Bahia. Monografia [Graduação em Medicina] - Faculdade de Medicina da Bahia; 2012.

César, MLVS. Doença diarreica aguda: aspectos epidemiológicos e vigilância no município de avaré, interior do estado de são paulo. São Paulo. Dissertação [mestrado em Saúde Pública] - Universidade de São Paulo; 2006.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Portal Cidades. Brasil em síntese. [Internet]. 2019. [acesso em 2020 Jan 03]; Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/arapiraca/panorama>.

Feitosa A,Ferreira AS, Correia JA, Lopes, JLS. O comprometimento das águas do riacho Piauí em Arapiraca/AL: causas e consequências. Braz. J. ofDevelop[Internet]. 2020. [acesso em 2020 Jun 03]; 6(1)2227-2242. Disponível em: brjd.com.br/index.php/BRJD/article/view/6133/5455.

Rufino R, Gracie R, Sena A, Freitas CM, Barcellos C. Surtos de diarreia na região Nordeste do Brasil em 2013, segundo a mídia e sistemas de informação de saúde – Vigilância de situações climáticas de risco e emergências em saúde. Ciência& Saúde Coletiva [Internet]. 2016. [acesso em 2020 Jan 31]; 21(3) 777-788. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n3/1413-8123-csc-21-03-0777.pdf.

Alagoas. Secretaria de Estado da Saúde. Superintendência de Planejamento e Participação Social. Plano Diretor de Regionalização da Saúde de Alagoas [Internet]. 2011 [acesso em 2020 Jan 20]; Disponível em: <http://www.saude.al.gov.br/wp-content/uploads/2017/09/Plano-Diretor-Regionalizacao.pdf>.

Araújo MMP, silva CG. A importância do sistema de informação de agravos de notificação - SINAN para a vigilância epidemiológica do Piauí. Rev. Interdisciplinar Ciências e Saúde [Internet]. 2015 [acesso em 2020 Jan 20]; 2(3). Disponível em: <https://revistas.ufpi.br/index.php/rics/article/view/2046>.

Fabri ACOC, Alves MS, Faquim LJ, Oliveira MLL, Freire PV, Lopes FN. Cuidar em Enfermagem: Saberes de enfermeiros da Atenção Primária a Saúde. Rev. Enferm. UFPE online. [Internet]. 2013. [acesso em 2020 Jun 10]; 7(2)474-480. Disponível em: https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:4ymp5WBr5mkJ:https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/10257/10877+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br.

Publicado

30-06-2021

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)