ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA/SC UTILIZANDO INDICADORES DO PREVINE BRASIL

ASIS Criciúma – SC: Indicadores do Previne Brasil

Autores

  • Rafael Zaneripe de Souza Nunes Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6195-0400
  • Natan Gonçalves de Lima João Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3141-0235
  • Maria Eduarda Oliveira Cardoso Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva https://orcid.org/0000-0003-2514-2593
  • Marcos Bauer Torriani Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5890-1539
  • Leticia Monteiro Bettiol Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9977-8116
  • Filipe Fernandes Gabriel Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1838-9136
  • Luciane Bisognin Ceretta Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3294-341X
  • Lisiane Tuon Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0809-0712

DOI:

https://doi.org/10.13037/2359-4330.8655

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Assistência integral à sa´úde, Indicadores básicos de Saúde

Resumo

Introdução: A Atenção Primária à Saúde (APS) possui como objetivo um atendimento integral, humanizado e de qualidade, sempre atenta às mudanças epidemiológicas e sociodemográficas da população. Diante da importância de conhecer o estado de saúde da população, o presente estudo baseou-se nos indicadores estipulados pelo Programa Previne Brasil, para avaliar a atual situação de saúde nas unidades básicas de saúde (UBS) de um município do extremo sul catarinense. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e exploratório, com abordagem quantitativa. Para a coleta de dados, foram construídos um conjunto de questionários que abordavam os aspectos presentes no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) e no Programa Previne Brasil. Resultados: Foram consideradas elegíveis para a pesquisa 44 unidades básicas de saúde, e participaram da pesquisa 179 usuários e 45 profissionais de saúde. Conclusões: Destaca-se que a maior parte das unidades participantes da pesquisa contemplaram os sete indicadores do programa, no entanto, salienta-se que os serviços de saúde do município ainda estão em processo de adaptação aos novos indicadores de saúde, evidenciado nos percentuais encontrados em relação à vacina Haemophilus Influenzae (HIB), adicionada recentemente ao Programa Previne Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Zaneripe de Souza Nunes , Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Psicólogo, Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, 88806-000.

Natan Gonçalves de Lima João, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Dentista, Residente em Atenção Básica e Saúde da Família, Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Maria Eduarda Oliveira Cardoso, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva

Nutricionista, Especialista em Atenção Básica e Saúde da Família, Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Marcos Bauer Torriani, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Profissional de Educação Física, Especialista e Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Leticia Monteiro Bettiol , Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Fisioterapeuta, Residente e Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Filipe Fernandes Gabriel , Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisador do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Nutricionista, Residente e Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Luciane Bisognin Ceretta , Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Enfermeira, Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Lisiane Tuon, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) / Pesquisadora do Núcleo de Saúde Coletiva - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Fisioterapeuta, Doutora em Medicina e Ciências da Saúde , Universidade do Extremo Sul Catarinense - Av. Universitária, 1105 - Universitário, Criciúma - SC, Brasil.

Referências

Arretche M. Relações federativas nas políticas sociais. Educ Soc. setembro de 2002;23(80):25–48.

Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad Saúde Pública [Internet]. 20 de agosto de 2018 [citado 23 de junho de 2022];34(8). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000800502&lng=pt&tlng=pt

Portela GZ. Atenção Primária à Saúde: um ensaio sobre conceitos aplicados aos estudos nacionais. Physis Rev Saúde Coletiva. junho de 2017;27(2):255–76.

Felisberto E, Freese E, Bezerra LCA, Alves CK de A, Samico I. Análise da sustentabilidade de uma política de avaliação: o caso da atenção básica no Brasil. Cad Saúde Pública. junho de 2010;26(6):1079–95.

Brasil M da S. Portaria no 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável. 2011.

starfield. STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. 726 p.

Harzheim E. “Previne Brasil”: bases da reforma da Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. abril de 2020;25(4):1189–96.

Guimarães TA, Pinheiro AKB, Silva AA, Castro LRG, Silva MB da, Fonseca LMB. Qualidade dos registros da assistência pré-natal na caderneta da gestante. Rev Baiana Enfermagem‏ [Internet]. 9 de abril de 2020 [citado 23 de junho de 2022];34. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/35099

Leal M do C, Esteves-Pereira AP, Viellas EF, Domingues RMSM, Gama SGN da. Prenatal care in the Brazilian public health services. Rev Saúde Pública. 21 de janeiro de 2020;54:8.

Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS da, Thumé E, et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad Saúde Pública [Internet]. 2017 [citado 23 de junho de 2022];33(3). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017000305001&lng=pt&tlng=pt

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad Saúde Coletiva. junho de 2016;24(2):252–61.

Figueiredo DCMM de, Figueiredo AM de, Souza TKB de, Tavares G, Vianna RP de T. Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cad Saúde Pública. 2020;36(3):e00074519.

rosa. ROSA, Luiz Gustavo Fernandes da et al. Análise do rastreamento oportuno da sífilis no pré-natal de baixo risco. Aletheia, v. 53, n. 1, p. 133-145, 2020.

ROEHERS. ROEHRS, Mariana Parcianello et al. Sífilis materna no Sul do Brasil: epidemiologia e estratégias para melhorar. Femina, v. 48, n. 12, p. 753-9, 2020.

Brasil M da S. Diretrizes da Política Nacional de Saúde bucal. 2004.

bastiani. BASTIANI, Cristiane; COTA, Ana Lídia Soares; PROVENZANO, Maria Gisette Arias; FRACASSO, Marina de Lourdes Calvo; HONÓRIO, Heitor Marques; RIOS, Daniela. Conhecimento das gestantes sobre alterações bucais e tratamento odontológico durante a gravidez. 2010. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/pdf/occ/v9n2/a13v9n2.pdf. Acesso em: 13 maio 2022.

Reis DM, Pitta DR, Ferreira HMB, Jesus MCP de, Moraes MEL de, Soares MG. Educação em saúde como estratégia de promoção de saúde bucal em gestantes. Ciênc Saúde Coletiva. janeiro de 2010;15(1):269–76.

Pinho, Judith Rafaelle Oliveira; SOUZA, Tiago Coelho de; BÔAS, Marcela Daniel Vilas; MARQUES, Consuelo Penha Castro; NEVES, Pierre Adriano Moreno. Evolução da cobertura das equipes de saúde bucal nas macrorregiões brasileiras. 2015. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/pdf/apcd/v69n1/a13v69n1.pdf. Acesso em: 13 maio 2022.

Mattos GCM, Ferreira EF e, Leite ICG, Greco RM. A inclusão da equipe de saúde bucal na Estratégia Saúde da Família: entraves, avanços e desafios. Ciênc Saúde Coletiva. fevereiro de 2014;19(2):373–82.

Postal L, Celuppi IC, Lima G dos S, Felisberto M, Lacerda TC, Wazlawick RS, et al. Sistema de agendamento online: uma ferramenta do PEC e-SUS APS para facilitar o acesso à Atenção Primária no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. junho de 2021;26(6):2023–34.

zhao. Zhao P, Lavoie J, Lavoie BJ, Simões E. Web-Based Medical Appointment Systems: A Systematic Review. J Med Internet Res 2017; 19(4):e134.

Marques MMDS, Pedrozo RE da SB. Fatores associados a recusa do exame citopatológico por mulheres atendidas em Unidades Básicas de Saúde no Brasil. Res Soc Dev. 4 de dezembro de 2021;10(16):e15101623055.

ALINE C. Ações de Rastreamento do Câncer do Colo do útero nas Equipes de Atenção Básica (AB) da Região centro-sul (CS) do Estado do Rio de Janeiro (ERJ).

Brasil M da S. Cadernos de Atenção Básica: Controle dos Cânceres do Colo do Útero e da Mama. 2013.

Maciel NDS, Luzia FJM, Ferreira DDS, Ferreira LCC, Mendonça VDM, Oliveira AWN, et al. Busca ativa para aumento da adesão ao exame papanicolaou. Rev Enferm UFPE Line [Internet]. 17 de março de 2021 [citado 23 de junho de 2022];15(1). Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/245678

Brasil M da S. Cadernos de Atenção Primária: Rastreamento. 2010.

Brasil M da S. Plano nacional de operacionalização da vacinação contra a covid-19. 2021.

caval. CAVALCANTI, Marília Abrantes Fernandes; NASCIMENTO, Ellany Gurgel Cosme do. Aspectos Intervenientes da criança, da família e dos serviços de saúde na imunização infantil. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped, v. 15, n. 1, p. 31–37, 1 jun. 2015.

Brasil M da S. Calendário Nacional de Vacinação. 2020.

Tauil M de C, Sato APS, Waldman EA. Factors associated with incomplete or delayed vaccination across countries: A systematic review. Vaccine. maio de 2016;34(24):2635–43.

Brasil M da S. Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação para Atualização da Caderneta da Criança e do Adolescente. ago 30, 2020.

Brasil M da S. Instrução normativa referente ao calendário nacional de vacinação. 2020.

Martins R de M, Camacho LAB, Marcovistz R, Noronha TG de, Maia M de LS, Santos EM dos, et al. Immunogenicity, reactogenicity and consistency of production of a Brazilian combined vaccine against diphtheria, tetanus, pertussis and Haemophilus influenzae type b. Mem Inst Oswaldo Cruz. novembro de 2008;103(7):711–8.

Bairwa M, Pilania M, Rajput M, Khanna P, Kumar N, Nagar M, et al. Pentavalent vaccine: A major breakthrough in India’s Universal Immunization Program. Hum Vaccines Immunother. 16 de setembro de 2012;8(9):1314–6.

Brasil M da S. Guia de Vigilância em Saúde: volume 1. 2017.

Slack M, Esposito S, Haas H, Mihalyi A, Nissen M, Mukherjee P, et al. Haemophilus influenzae type b disease in the era of conjugate vaccines: critical factors for successful eradication. Expert Rev Vaccines. 2 de outubro de 2020;19(10):903–17.

OMS. Organização mundial da saúde. Cobertura vacinal. Fatos-chave. 2019. [citado 2022 mai 12]. Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/immunization-coverage.

Moraes JC de, Ribeiro MCS de A. Desigualdades sociais e cobertura vacinal: uso de inquéritos domiciliares. Rev Bras Epidemiol. maio de 2008;11(suppl 1):113–24.

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004;20(suppl 2):S190–8.

Holanda WTG, Oliveira SB de, Sanchez MN. Aspectos diferenciais do acesso e qualidade da atenção primária à saúde no alcance da cobertura vacinal de influenza. Ciênc Saúde Coletiva. abril de 2022;27(4):1679–94.

Radigonda B, Kazue Tanno de Souza R, Cordoni Junior L, Maria Rigo Silva A. Avaliação do acompanhamento de pacientes adultos com hipertensão arterial e ou diabetes melito pela Estratégia Saúde da Família e identificação de fatores associados, Cambé-PR, Brasil, 2012. Epidemiol E Serviços Saúde. janeiro de 2016;25(1):1–10.

Bortoluz S, Lima LA de, Nedel FB. Condições de saúde e utilização de um serviço de atenção primária em pacientes hipertensos e/ou diabéticos. Ciênc Saúde. 24 de novembro de 2016;9(3):156.

Brasil M da S. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. 2013.

Carvalho Filha FSS, Nogueira LT, Medina MG. Avaliação do controle de hipertensão e diabetes na Atenção Básica: perspectiva de profissionais e usuários. Saúde Em Debate [Internet]. 2014 [citado 23 de junho de 2022];38(special). Disponível em: http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/0103-1104.2014S020

Publicado

2024-01-16

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.